DESTAQUES

É a terceira vez que meu filho chega embriagado em casa. Como devo agir?

Danilo Baltieri 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Problema do uso do álcool precisa ser encarado de forma objetiva

por Danilo Baltieri

Resposta: Nesta idade (18 anos), comumente, os jovens não se importam com o que os pais pensam sobre o seu consumo de bebidas alcoólicas. Frequentemente, eles são influenciados pela publicidade que associa o consumo de bebidas com o prazer e com o sucesso, pela necessidade de afirmação diante de um grupo e pela própria pressão do grupo.

Não tenha medo de conversar com seu filho, demonstrando claramente as suas preocupações quanto ao uso inadequado de álcool. Durante essas conversas, tenha a certeza de que ele ouve você e de que você também o está ouvindo. Aponte as consequências nocivas que esse consumo está provocando na vida dele e na dos demais membros da família. Evite conflitos durante essas conversas; isso somente vai piorar a situação.

O uso nocivo de álcool é um problema que precisa ser abordado e encarado de forma objetiva. Mantenha o “espírito aberto” para ouvi-lo e o “vínculo” para que ele se sinta seguro ao falar sobre os problemas.

O bom relacionamento com a família é um dos principais fatores para a prevenção do consumo inadequado de bebidas.

Aspectos que devem ser observados pelos pais

a) O uso nocivo de álcool é um problema que pode estar relacionado com muitos outros pelos quais o usuário está passando;

b) Se as provas do consumo inadequado forem evidentes, o familiar deve propor ao jovem a procura de um especialista, baseando-se nesses fatos;

c) Mostrar o quanto determinados comportamentos assumidos pelo usuário estão lhe provocando prejuízos, sem necessariamente relacioná-los ao consumo do álcool, pode melhor motivar o jovem a procurar ajuda especializada. Por exemplo, você poderia dizer ao seu filho que ele tem estado mais desanimado (por exemplo, por não querer mais estudar) e que isso pode estar relacionado com algum problema de saúde, sem atribuir esse “desânimo” ao consumo de álcool ou outras drogas;

d) Se os familiares fingirem que tudo está bem, fornecerem dinheiro para o usuário ou pedirem para que ele beba em casa para correr menos riscos do que na rua, devem estar cientes de que essas condutas reforçarão a manutenção e piora do padrão de consumo.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

Você revidaria uma traição?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.