DESTAQUES

Como se conhecer e se respeitar?

Emilce Shrividya Starling 01/01/2016 AUTOCONHECIMENTO
Observar os outros é um modo fácil de ver a si mesmo

por Emilce Shrividya Starling

Neste texto, continuo a contemplar as palavras de sabedoria da Desiderata de Max Ehrmann: "Tanto quanto possível, sem se humilhar, viva bem com todas as pessoas.” Leia texto anterior - clique aqui.

Vivenciar isso é uma das maneiras de se ter tranquilidade e evitar conflitos. Muitas brigas surgem de palavras ou atitudes que poderiam ser evitadas.  

Nossa educação é inclinada à discussão e argumentativa. Por exemplo, as crianças argumentam com os pais, choram, fazem birra e os pais acabam cedendo aos desejos delas. É importante que os pais digam não quando for necessário e mantenham isso. E, quando for possível dizerem sim, fazerem isso antes das brigas surgirem.  

Muitos casais discutem, e depois de se aborrecerem muito, geralmente, um acaba cedendo ao que o outro deseja. Portanto, seria melhor antes das discussões, ponderarem em que poderiam concordar e evitar atritos desnecessários. Mas sempre sem fazer concessões no que seja essencial para eles mesmos.   

Para vivermos em harmonia, muitas vezes, temos que fazer o que não queremos para agradar aos outros e aos familiares e, desse modo, não criar desarmonia. Mas, precisamos saber o que é essencial para nossa vida e não renunciar ao que é de vital importância para nossa realização pessoal e bem-estar. 

Se você fizer concessões em questões essenciais, vai ficar frustrado, sentir raiva e guardar mágoas. Não desista do que é importante para você apenas para agradar aos outros. Lute por seus ideais e convicções. E, agindo dessa maneira, você se respeita e ensina a lhe respeitarem também.

Precisamos desenvolver o discernimento para compreender a diferença entre o essencial e o não essencial, tanto para nossa vida como para educar nossos filhos e em nossos relacionamentos.

Na Desiderata o sábio ensina: “Fale sua verdade, clara e mansamente. E escute os outros, mesmo os estúpidos; eles também têm uma história para contar”.

Aprendemos com os sábios, com as pessoas comuns e também com os ignorantes, pois todos têm uma história de vida. Em vez de julgar, podemos aprender com todas as pessoas. Podemos observar seus erros e aprender a não repeti-los.

É comum um psicólogo ajudar seu paciente, mas não conseguir ajudar a si mesmo. Ele vê as falhas dos seus pacientes, mas não consegue ver seus próprios erros.  Ele pode dar bons conselhos, mas, às vezes, não é capaz de seguir esses conselhos.

É fácil ser bom conselheiro para os outros, mas quando é com a própria vida, é mais difícil. Portanto, quem tem sabedoria, aprende com cada oportunidade, com todas as pessoas e aprende a se observar para conhecer a si mesmo.

Em vez de julgar e criticar os outros, perceba quantas vezes você fica zangado, irritado ou ansioso. Entenda que observar os outros é um modo fácil de ver a si mesmo, porque você não está envolvido no ego, nem nos acontecimentos.

O sábio nos aconselha a viver bem com todas as pessoas, tanto quanto possível...

Para termos uma convivência harmoniosa, precisamos desenvolver tolerância, paciência e aceitação, pois as pessoas são diferentes, com suas ideias e pensamentos próprios, gostos e aversões e hábitos diferentes. Não devemos impor nossa vontade nem querer mudar os outros.

O que essencial para mim, pode não ser essencial para você. O que eu valorizo muito pode não significar nada para outra pessoa. Daí a importância de desenvolver o discernimento sobre o que podemos renunciar e o que não devemos renunciar para viver nossa verdade, e ao mesmo tempo, conviver bem com os outros.

Se você é feliz e realizado consigo mesmo, pode fazer o outro feliz. Você vai entender e respeitar as ideias e necessidades da outra pessoa e desejar que ela também se realize.

O sábio nos aconselha: “Viva intensamente seus ideais e o que já conseguiu realizar. Mantenha-se interessado em sua carreira, por mais humilde que seja; ela é um verdadeiro tesouro na contínua mudança dos tempos.”  

Assim, ele nos explica que não é bom nos compararmos com os outros, porque poderemos nos tornar frustrados ou vaidosos, pois sempre existem pessoas superiores ou inferiores a nós.

A Filosofia do Yoga nos ensina: “Se você quiser fracassar, tente agradar a todos.”

Agrade primeiro a você mesmo. Isso não é egoísmo. É amor a si mesmo. É se respeitar e se autoconhecer. É saber qual sua missão aqui na Terra. É descobrir suas qualidades, talentos e aptidões e desenvolvê-los cada dia mais para ser útil a você e aos outros. Namaste! Deus em mim saúda e agradece Deus em você! Fique em paz! 

10 dicas para você se conhecer e se respeitar

1ª) Não desista do que é importante para você apenas para agradar aos outros;

2ª) Diga sua verdade de forma clara e tranquila;

3ª) Sem julgar, observe os erros de outras pessoas e aprenda com eles;

4ª) Observar os outros é um modo fácil de ver a si mesmo, porque você não está envolvido no ego, nem nos acontecimentos;

5ª) Para uma convivência harmoniosa, é preciso desenvolver tolerância, paciência e aceitação;

6ª) Busque o discernimento sobre o que é possível renunciar ou não para poder viver a sua verdade;

7ª) Viva intensamente seus ideais;

8ª) Não se compare aos outros, pois poderá se sentir vaidoso ou frustrado (leia mais);

9ª) Se você quiser fracassar, tente agradar a todos;

10ª) Agrade primeiro a você mesmo. Isso não é egoísmo. É amor a si mesmo. É se respeitar e se autoconhecer.




Emilce Shrividya Starling

É formada em Yoga pela Federação de Yoga do Brasil e Centro de Estudos de Yoga Narayana/S.P, com aperfeiçoamento em Hatha Yoga e Meditação nos Estados Unidos. É professora de Hatha Yoga em Santos (SP), desde 1989. Atualmente ensina Filosofia do Yoga e Meditação.



ENQUETE

Você revidaria uma traição?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.