DESTAQUES

Uso de notebook mais de quatro horas por dia traz riscos de dores e lesões no corpo, indica estudo

Redação Vya Estelar 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR

Da Redação

Cada vez mais comuns entre os jovens, os computadores portáteis (netbooks e notebooks), podem ser considerados um dos grandes vilões que levam os adolescentes cada vez mais cedo aos consultórios médicos para tratar problemas de coluna.

Fatores como postura inadequada e o excesso de tempo assistindo televisão e/ ou jogando vídeogame também podem ser considerados prejudiciais à coluna, e, consequentemente, à saúde de forma geral.

De acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), 80% das pessoas no mundo sofrem ou sofrerão de dor nas costas pelo menos uma vez na vida. Mas essas perspectivas podem ser tornar ainda mais alarmantes com esses hábitos se enraizando no estilo de vida dos adolescentes. Um estudo publicado em fevereiro na revista Ergonomics por pesquisadores da Boston University Sargent College, nos EUA, mostrou que usar o notebook mais de quatro horas por dia traz mais riscos de dores e lesões no corpo.

Segundo o neurocirurgião Francisco Sampaio Junior, “Essas mudanças de comportamento dos jovens podem representar graves riscos à coluna. A médio e longo prazo as dores nas costas, ombros e pescoço, podem se tornar crônicas, o que agravará a recuperação do músculo e poderá, talvez, adiantar sua ida à sala de cirurgia corrigir um eventual problema”.

O especialista elenca algumas situações do dia a dia de muitos jovens que podem ser ‘armadilhas à coluna’, e também revela alguns hábitos preventivos que podem fazer a diferença no combate a eventuais dores:

Hábitos do dia a dia prejudiciais à coluna

- A ‘famosa relaxada’ no sofá: esse hábito, confortável para muitos, pode resultar num sério problema à região lombar. O ideal é a pessoa sentar no sofá e manter os pés apoiados no chão. Essa regra também vale para poltronas, cadeiras e qualquer assento;

- Notebook e tablets são vilões das costas e do pescoço: cuidado redobrado ao utilizar computadores móveis. A postura inadequada e curvada da pessoa ao utilizar esses computadores por muito tempo pode sobrecarregar a região das costas e da coluna cervical, levando ao aparecimento de um processo degenerativo cada vez mais cedo. O ideal é inclinar o menos possível a cabeça para frente. Caso tenha que utilizar por muito tempo o equipamento, faça alguns intervalos para alongar a região das costas;

- Computadores de mesa ou desktops: não são apenas os computadores móveis que podem ser prejudiciais à coluna. Colocar o equipamento em uma mesa com apoio aos braços, utilizar uma cadeira adequada e confortável, além de manter a parte de cima do monitor na altura dos olhos, pode evitar dores nas costas e na região cervical de muitos adolescentes, que passam horas navegando na internet;

- Vídeogames: febre entre as crianças e os adolescentes, o avanço da tecnologia por um lado fez (e ainda faz) bem à saúde, já que em determinados jogos eles precisam movimentar-se para participar. Entretanto, essas modalidades, que vão além do joystick, também podem trazer riscos à saúde. A falta de alongamento antes da prática esportiva e o esforço repetitivo em ganhar o jogo podem trazer diversos problemas à coluna. O ideal e que os pais limitem o tempo destinado ao uso do vídeogame.

“A substituição do tempo gasto pelas crianças e adolescentes em atividades físicas próprias da idade (correr, pular, brincar e movimentar-se de forma geral) está sendo substítuida pelo tempo prolongado em computadores e vídeogames, levando assim a um sedentarismo precoce que, associado a má postura, são as principais causas de degeneração da coluna vertebral desses jovens”, conclui.




Redação Vya Estelar



ENQUETE

É possível ser otimista no Brasil?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.