DESTAQUES

Ansiedade feminina: a diferença entre medo e ansiedade

Joel Rennó Jr. 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Mulheres são mais sucestíveis à ansiedade

por Joel Rennó Jr.

Medo é uma reação a um perigo. Ansiedade é um sentimento de medo, fora de proporção a qualquer perigo real.

A biologia da ansiedade inclui o medo condicionado, processado por vias ou conexões existentes no cérebro nas estruturas entre o tálamo, o córtex sensorial e o sistema límbico (amídala e hipocampo).

Veja na ilustração

Humanos com lesão na amídala não conseguem reconhecer o medo na face de uma pessoa e não identificam estímulo que levam ao perigo, por exemplo. Ainda na biologia, sujeitos que herdam a variante curta do gene humano transportador de serotonina, experimentam maior ativação da amídala quando comparados aos indivíduos portadores da variante longa. Ou seja, uma alteração genética pode contribuir para o desencadeamento da ansiedade.

Portanto, na biologia da ansiedade, as regiões límbicas projetam-se para o tronco encefálico e hipotálamo, que controlam as respostas simpáticas e parassimpáticas (sistema nervoso autonômico). Enfim, alterações funcionais e estruturais do sistema nervoso central estão implicadas na gêneses da ansiedade. Há vários neurotransmissores (que são mensageiros químicos cerebrais) envolvidos: serotonina, Glutamato, GABA e norepinefrina.

As mulheres desenvolvem transtornos ansiosos em uma frequência maior que a masculina. De uma forma geral, a prevalência de transtornos ansiosos femininos, ao longo da vida, é de aproximadamente 30% comparada aos 19% do sexo masculino. Certos tipos de transtornos ansiosos são 2 a 3 vezes mais frequentes nas mulheres, tais como o transtorno do pânico, fobias específicas e transtorno do estresse pós-traumático

Por que as mulheres são mais suscetíveis?

1) Diferença de vulnerabilidade psíquica às oscilações dos níveis hormonais;

2) Vulnerabilidade diferenciada ao estresse mantido, com impacto diferente ao masculino;

3) Fatores relacionados à personalidade, por exemplo, o neuroticismo;

4) Mudanças recentes nos aspectos psicossociais, culturais e comportamentais do universo feminino, por exemplo, realização de múltiplas tarefas simultâneas, maiores exigências no mercado de trabalho quando comparadas aos homens, com inúmeras pressões e ainda discriminações, apesar dos avanços.

A incapacitação funcional decorrente dos mesmos é grande. Além do mais, as mulheres procuram mais os cuidados médicos para o tratamento da ansiedade, consumindo mais tranquilizantes e agentes psicotrópicos (por exemplo, os antidepressivos).

Pesquisas demonstram que as mulheres costumam ser menos resistentes na busca de auxílio, encaram a ajuda médica e psicológica de uma forma natural, cuidam mais da saúde e conseguem relatar uma gama maior de sintomas aos médicos - quando na presença deles. O problema é quando começam a ficar escravas de determinados padrões sociais, culturais e comportamentais ditatorialmente impostos pela sociedade contemporânea. E quando na busca de bem-estar a todo custo começam a seguir receitas de amigas ou familiares, sem uma prescrição de antidepressivo feita pelo psiquiatra.

Evidências sugerem que fatores biológicos, particularmente a variabilidade às oscilações dos níveis hormonais, podem desempenhar um papel importante na ocorrência e nas características clínicas da ansiedade feminina.

Por exemplo, vários estudos demonstraram uma associação entre mudanças hormonais do pré-menstrual e uma grande vulnerabilidade aos sintomas de pânico, assim como para outros transtornos psiquiátricos.

Muitas mulheres procurando tratamento para síndrome pré-menstrual e pânico, na realidade, experimentam uma piora de tais sintomas no pré-menstrual. Outros períodos de vulnerabilidade incluem o pós-parto e a perimenopausa (período ao redor da menopausa, caracterizado por oscilações dos níveis hormonais e por sintomas físicos e psíquicos como os fogachos, tristeza, insônia e irritabilidade).

Portanto, o conhecimento e atenção às características específicas do ciclo reprodutivo feminino e suas correlações com os transtornos ansiosos é fundamental.




Joel Rennó Jr.

Dr. Joel Rennó Jr. MD, Ph.D. Professor do Departamento de Psiquiatria da FMUSP. Diretor do Programa de Saúde Mental da Mulher - Instituto de Psiquiatria da USP. Médico do Corpo Clínico do Hospital Israelita Albert Einstein- São Paulo. Coordenador da Comissão de Estudos e Pesquisa de Saúde Mental da Mulher da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP). www.psiquiatriadamulher.com.br



ENQUETE

Atração física não basta, tem que haver atração mental. Você concorda?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.