DESTAQUES

Mindfulness: técnica ensina a ter um olhar concentrado sobre si e no momento presente

Lillian Graziano 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR
Dediquemo-nos a um olhar concentrado em nós mesmos

por Lilian Graziano

Antes de me dedicar a completar o raciocínio de um artigo publicado nesta coluna, o das 100 tentativas de ser feliz - veja aqui, gostaria de falar de um recurso muito utilizado por psicólogos positivos para promover emoções positivas, colocar pessoas no centro da ação sobre suas vidas e sentimentos, em um projeto visando à felicidade.

Trata-se do Mindfulness, meditação baseada em técnicas de respiração, criada pelo médico e professor Jon Kabat-Zinn, da Universidade de Massachusetts, EUA. Pode ser um tratamento ou um exercício voltado para uma vida equilibrada e feliz.

Como tratamento, a prática traz resultados excelentes contra ansiedade e depressão, reduzindo em 44% as recaídas entre os depressivos, com eficácia comparada a tratamentos convencionais, como psicoterapia e remédios.

Como exercício, também chamado de "atenção plena" (numa tradução ruim, vale dizer), o Mindfulness resgata nossa percepção corporal, a percepção dos pequenos detalhes de nosso dia a dia, tornando mais aprofundada nossa relação com tudo o que nos acontece, livrando-nos dos atos instantâneos, automáticos e mecânicos. Ele também melhora nossa atenção e nossa concentração e reduz o estresse. Mais do que isso, a técnica ajuda, ainda, a exercitarmos a autocompaixão e, por consequência, a aceitação do outro.

Por que o mindfulness faz tão bem?

Isso porque, durante a prática, somos levados a perceber o momento como ele realmente acontece, sem julgamentos ou categorizações. Também são bloqueados os julgamentos vindos de fontes terceiras - os olhares de fora - fazendo com que o contato com nossas próprias emoções e vivências seja o mais íntimo possível, respeitando sentimentos positivos e negativos, exatamente como o são.

Ao evitar o julgamento, aprendemos a encarar as ocorrências cotidianas (às vezes as que mais nos estressam) de maneira objetiva, o que nos evita a ansiedade de conjecturas e perspectivas acerca de problemas cuja solução simplesmente não existe, ou é bem menos complexa do que nossas mentes imaginam.

O não julgamento também leva ao mencionado estado de compaixão conosco. Acaba virando um hábito que se estende em nossa visão de mundo e, consequentemente, ao nosso trato com as pessoas: aprendemos a aceitá-las, sem "pré-conceitos" ou rótulos, enxergando em todas as suas reais especificidades.

Mas engana-se quem pensa que meditar é algo simples. Exige que realmente nos engagemos em um projeto de crescimento e equilíbrio pessoal, seja num contexto de cura ou de desenvolvimento. É preciso que desliguemos o modo "multitarefa" e dediquemo-nos a um olhar concentrado em nós mesmos "inteiramente no momento" (uma das traduções possíveis do conceito de Mindfulness).

* Em tempo: sugestão de leitura, com exercícios de meditação. Procure o livro Viver Agora (Sarah Silverton, editora Alaúde, 2011)




Lillian Graziano

Diretora dos Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, psicóloga e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) com pós-graduação em Psicoterapia Cognitiva Construtivista. Seu doutorado sobre Psicologia Positiva e Felicidade foi a primeira tese brasileira baseada nessa abordagem. Atua há mais de 20 anos na Educação com foco no desenvolvimento de condutas preventivas para os comportamentos humanos disfuncionais. Possui certificação em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. Treinou e atendeu centenas de funcionários de grandes organizações tais como: Coca-cola, Basf, Bank Boston, Accenture, British Petroleum, Merrill Lynch, Unilever, dentre outras.



ENQUETE

Você revidaria uma traição?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.