DESTAQUES

Reclamar pode ser contagioso

Thaís Petroff 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Reclamação é contagiosa em curto e longo prazo

por Thaís Petroff

Você tem o hábito de reclamar? Percebe com frequência esse comportamento nas pessoas à sua volta? Saiba que reclamar é contagioso e não resolve o problema.

Há diversas razões que as pessoas podem utilizar para justificar o hábito de reclamar: dentre as principais está a necessidade de extravasar (colocar para fora o incômodo) e buscar apoio de outras pessoas para a questão. Em outras palavras, a confirmação de que esteja certo. É possível que se encontre muitas outras justificativas, no entanto nenhuma delas será de resolução do problema.

Desse modo, quando se reclama, além de não se modificar a situação (pois não se faz nada de concreto e além disso, em muitos casos ainda fica-se inerte) ainda se contamina quem está em volta com o mau humor ou agressividade que permeiam esse comportamento. Quantas vezes já vimos uma pessoa começar a reclamar de algo (ex. governo, trânsito, marido, filhos, etc...) e as outras presentes entrarem na mesma vibração perpetuando o mesmo comportamento?

A reclamação além de ser contagiosa a curto prazo, também é a longo prazo. Ou seja, pessoas que convivem com outras que têm esse hábito, aprendem a repetir esse comportamento com mais frequência do que outras que não têm essa convivência. Isso é particularmente fácil de perceber através de relação pais e filhos. Em muitos casos, pessoas que têm o padrão de comportamento de reclamar, têm ou tiveram pais que mantinham esse mesmo hábito. Dessa maneira, esse comportamento é contagioso tanto na horizontal (nas relações diárias) quanto na vertical (de geração para geração), sendo ele um dos componentes geradores e mantenedores de quadros depressivos.Ou você ouve pessoas com depressão contando coisas alegres e resolvendo todos os seus problemas conforme eles vão aparecendo?

Atente-se à atitude de reclamar!

Convido-o a ficar atento a quantas vezes por dia você tem o comportamento de reclamar. Veja o que acontece com você e à sua volta quando você age dessa forma.

Miniteste: você é 'reclamona'?

Você resolve o fruto do seu incômodo?

Encontra soluções para viabilizar a questão?

Fica mais motivado para resolver o problema?

Reclamar te leva à ação?

Consegue apoio concreto de outros para lidar com a dificuldade?

Deixa o ambiente mais leve e alegre?

Tem comportamentos mais eficazes?

Se respondeu não há pelo menos uma das questões acima, pode ser interessante experimentar alguma mudança nesse padrão de comportamento, uma vez que ele não está sendo funcional.

Faça o seguinte

Experimente não reclamar e, ao invés disso, analisar a situação de modo a saber o que você pode fazer para mudá-la - leia no texto anterior o passo a passo para encontrar soluções práticas para as preocupações produtivas. Se não puder resolver o problema, resolvido e está, e não vale a pena preocupar-se com ele ou reclamar sobre ele, uma vez que essa energia será desperdiçada.

Faça esse experimento e atente-se como fica o seu dia, a resolução das questões, o seu humor e o das pessoas à sua volta.




Thaís Petroff

Formada em Psicologia pela PUC-SP e é Master Coach. Utiliza a Terapia Cognitivo Comportamental como base do seu trabalho, mas sabendo da profundidade e complexidade do ser humano, fez formação em Bioenergética, Programação Neurolinguística e Yoga se focando em auxiliar as pessoas a desenvolver e manter emoções mais equilibradas e saudáveis. Foca-se em desvendar e compreender a desafiadora prática das relações, promover transformações cognitivas, emocionais e comportamentais nas pessoas que a procuram e disseminar conhecimento através das mídias sociais.



ENQUETE

Atração física não basta, tem que haver atração mental. Você concorda?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.