DESTAQUES

Drogas legais?!

Samanta Obadia 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR

por Samanta Obadia

Esse tema tão comum em escolas e na mídia parece não se esgotar, e, se a ele retornamos, é porque há algo que ainda não compreendemos: por que, com tanta informação, nossos jovens ainda cedem à armadilha das drogas?

A questão é mais profunda do que nós pensamos. Estamos todos, jovens, pais e educadores, envolvidos numa rede de interesses que supera a simples questão do consumo das drogas lícitas e ilícitas.

DROGA. Como a própria palavra sugere, é algo ruim, nocivo, uma droga. Até mesmo os remédios, que são usados com objetivos específicos de cura, carregam este nome para nos lembrar que é uma droga, ou seja, algo que não deve ser usado à revelia. Devem ser indicados com cuidado por um médico.

Falando nisso, o uso de remédios aumentou substancialmente nas últimas décadas, o que tem descaracterizado o perigo desse uso. Tal banalização, estimulada pela indústria farmacêutica, agrava, indiretamente, a relação sem escrúpulos da sociedade, principalmente dos jovens, com as drogas alucinógenas.

Além disso, a rede de interesses existente no negócio das drogas é enorme, englobando desde empresários e jovens de classe alta e média até crianças de baixa renda sem instrução.

Há algumas décadas, criamos nossos filhos rodeados de elementos químicos, que, na maioria das vezes, são ministrados sem escrúpulos. Ou seja, desde a mais tenra idade alimentamos as crianças com enlatados, corantes, agrotóxicos, suplementos e remédios.

Essa é uma atitude cotidiana muito estimulada pela mídia, que vende a ideia de que não vivemos sem determinadas substâncias, o que nos leva ao consumo exacerbado de produtos cada vez mais milagrosos e “imprescindíveis” para a nossa saúde.

O organismo humano, a cada dia que passa, a cada alimento ingerido com agrotóxico, a cada substância com adoçante artificial, a cada enlatado, tem o seu paladar alterado e vicia os seus cinco sentidos em cores berrantes, pacotes coloridos e fortes sabores distorcidos.

Sabemos que esses elementos químicos danificam alguns órgãos do nosso corpo, o que nos leva ao consumo de outros elementos protetores, remédios paliativos e novos sabores, pelo simples prazer sensorial, sem os necessários benefícios físicos.

As crianças crescem e se acostumam a esse paladar produzido, perdendo a delicadeza do olfato, imerso em cheiros fortes e misturados.

Produzimos em nossos filhos uma necessidade química e uma tolerância perigosa em relação a esses elementos consumidos desde a infância. Esse costume, aparentemente inofensivo, abre possibilidades para o uso de várias substâncias nocivas, difundidas pelas propagandas televisivas.

Atualmente, nos intervalos comerciais, existem inúmeras propagandas sobre remédios para gripe, dores de cabeça, estômago, etc. que você deve ter em casa como medida preventiva para a dor. Todavia, na maioria dos rótulos há uma inscrição: uso sob prescrição médica. Mas todos são adquiridos livremente nas prateleiras das farmácias.

Ora, se a pessoa adquire o remédio facilmente, quando estiver com dor, será que irá ao médico para só depois fazer uso do remédio que já tem em casa, ou será que vai usá-lo imediatamente?

O enredo é tão complexo que para retirar o agrotóxico da fruta, dos legumes e das verduras há um comprimido que, dissolvido na água, purifica-a e assim limpa melhor o alimento. Isto é, para limpar a água que nós sujamos, há uma química para purificá-la, lavar o alimento que nos envenena.

Percebemos, então, que criamos uma sociedade que faz uso de drogas diariamente, desde o adoçante aos inofensivos remédios para combater a gripe. O fundamental é que perdemos a noção do perigo que isso representa, pois, aos poucos, as crianças e jovens passam a aceitar o uso de elementos químicos como algo normal, e, mais tarde, como algo indicado. Sem escrúpulos, o ser humano vai se transformando em um poço de desejos consumistas alucinados.

O proibido sempre foi uma tentação para o ser humano; lidar com o desejo é difícil, é preciso amadurecer, ponderar, discernir. E com a juventude tudo se agrava, o proibido lhe interessa naturalmente. É preciso evitar um discurso a favor da rebeldia sem propósito com relação aos alucinógenos, pelo simples prazer de fuga de seus medos e angústias. Deixemos que os jovens saibam que os medos e as angústias sempre existirão, e que, quanto mais cedo aprendemos a conhecê-los, mais chance nós teremos de superá-los.

Droga! Não podemos esquecer o significado da palavra. Algo que não combina com organismo vivo, com corpo humano, com respeito à vida. É preciso reacender os verdadeiros valores e princípios éticos no coração dos seres humanos, reordenando as prioridades e retomando a solidariedade entre nós, a fim de preencher de sentido a existência humana.




Samanta Obadia

Samanta Obadia é Filósofa e Psicanalista. Ela busca em suas palestras aproximar o seu público do conhecimento, com bom humor e inteligência na direção da felicidade.



ENQUETE

Atração física não basta, tem que haver atração mental. Você concorda?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.