DESTAQUES

Os desafios da cura do ser humano nos dias de hoje

Patricia Gebrim 29/08/2017 SAÚDE E BEM-ESTAR
Os desafios da cura do ser humano nos dias de hoje
Fonte: imagem Pixabay
Hoje já se atua terapeuticamente de forma mais integrada e holística

por Patrícia Gebrim   

Nunca estivemos tão doentes. Vivemos em um ambiente hostil, isso é inegável. Sofremos com o estresse da vida nas cidades, consumimos inúmeros venenos em nossa alimentação, somos diariamente agredidos por vários tipos de poluição.

A medicina tradicional tem assistido ao surgimento de inúmeras técnicas terapêuticas inovadoras, nem sempre vistas com bons olhos.

O desafio deste momento planetário é o de superarmos todas as formas de separatividade e elevarmos nossa consciência a uma vibração que integre, em harmonia, aquilo que as ilusões da matéria insistem em separar.

Possuímos vários corpos e integrá-los é o primeiro passo. Antes de nos unirmos ao que nos rodeia precisamos nos unir a nós mesmos.

Décadas atrás existia uma forte ancoragem em tudo o que era físico e uma desconfiança a respeito de tudo o que não era compreendido pela medicina tradicional, de tudo que pertencia aos domínios da alma.

Práticas como acupuntura, homeopatia, Reiki, uso de florais e outras eram preconceituosamente tratadas como atos de charlatanismo ou como técnicas inócuas que para nada serviam.

Hoje já não é assim. A experiência tem mostrado a todos nós o profundo alcance de cura das chamadas técnicas terapêuticas complementares. O terreno tornou-se propício para que, finalmente, pudéssemos atuar terapeuticamente de forma mais integrada e holística.

No entanto, o equilíbrio sempre se dá no balanço entre uma série de desequilíbrios. Percebo hoje um movimento compensatório a essa desconfiança que se estabeleceu no passado. O inverso está ocorrendo, principalmente em meios onde a espiritualidade impera. Uma negação do corpo, como se tudo pudesse ser resolvido apenas no mundo sutil.

Entendam. Estamos em meio a um processo evolutivo onde tudo vai se sutilizando aos poucos.
Creio que chegará o momento em que estaremos todos num nível de vibração tal que já não se faça necessária qualquer intervenção no nível corporal. Um nível onde o simples ato de visualizar luz nos reconecte naturalmente à saúde que somos.

Mas ainda há um caminho a ser percorrido. Um caminho no qual tanto o corpo físico quanto os corpos mental, emocional e espiritual precisam ser reconhecidos e integrados para que possamos ser cuidados em todas essas frentes, neste momento em que nos encontramos.

A negação do corpo é tão maléfica, creio eu, quanto seria a negação da alma.

Precisamos de médicos corajosos, que sejam capazes de atravessar as barreiras do paradigma cartesiano que os aprisiona e que vejam com bons olhos as inúmeras outras abordagens terapêuticas que tanto podem somar a seus trabalhos. Médicos humanizados, dispostos a encontrar um caminho mais amoroso em sua prática.  

Mas precisamos também que os terapeutas da alma, em suas inúmeras abordagens, tenham a compreensão de que, em muitos momentos, a intervenção num nível corporal é ainda necessária.

Faz-se imprescindível um trabalho conjunto, no qual quem ganha é o paciente, visto como um ser holístico e tratado com real atenção e amorosidade.




TAGS :

    cura, saúde, holística, medicina, complementar, terapias

Patricia Gebrim

É Psicóloga Clínica, atua numa abordagem transpessoal. Seu trabalho é direcionado a favorecer o autoconhecimento e a transformação das crenças limitadoras que nos mantêm aprisionados a padrões repetitivos de escolhas. É escritora, publicou 'Gente que mora dentro da gente' e o best-seller 'Palavra de Criança' pela editora Pensamento



ENQUETE

Como você vem cultivando suas relações?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.