DESTAQUES

Como aprimoramos o nosso eu?

Patricia Gebrim 23/10/2017 PSICOLOGIA
Como aprimoramos o nosso eu?
Fonte: imagem Pixabay
Entenda o ponto de ruptura do eu

por Patrícia Gebrim  

Conforme seguimos evoluindo no caminho do autoconhecimento, vamos, cada vez mais, ampliando a percepção de nossa identidade, de quem somos nós.

TEXTO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE



No início da vida acreditamos que somos nosso corpo. Depois, passamos a nos definir de acordo com nossos pensamentos. Nossos sentimentos. E assim seguimos, sempre expandindo e sutilizando nossa autopercepção, definindo de novas maneiras o que seria isso que chamamos de "eu".

A cada quebra de nosso senso de identidade e sua subsequente expansão, uma nova visão de mundo se estabelece, com inevitáveis desafios por um lado, e inesperados ganhos, por outro.

Se continuamos nosso caminho, chegamos a um ponto de profunda transformação. Podemos chamá-lo de ponto de ruptura, quando nos desprendemos até mesmo daquilo que conhecíamos como "nós mesmos". Nesse ponto, entregamos as decisões de nossa vida à própria vida que nos habita. Os desdobramentos disso são de enorme magnitude. Nossas escolhas e ações deixam de ser guiadas por nosso ego e passam a ser harmoniosas respostas aos movimentos de nossa essência, muitas vezes parecendo absurdamente desprovidas de sentido para aqueles que não entendem o que está acontecendo conosco.

Uma nova faixa vibratória torna-se então acessível a nós e a vida passa a ser vivida de forma muito mais fluida. Aquilo de que precisamos passa a surgir, sem esforço, em nosso caminho e entramos em um fluxo de plena harmonia com a vida. As criações passam a acontecer de maneira muito mais rápida e natural. As opiniões das pessoas deixam de ter um efeito destrutivo ou opressor sobre nós e suas críticas passam a ser recebidas sem reatividade, com parcimônia e compaixão. A paz se instala, como uma brisa suave que ameniza o calor e perfuma o ar com o aroma das flores.

O que precisamos entender é que esse estado de graça e bem-aventurança só pode se manifestar como resultado desse intenso processo de entrega, no qual colocamos nosso "pequeno eu" a serviço da luz que beneficia o todo.

O ego precisa abrir espaço e permitir que algo mais luminoso assuma o comando em nós. A tentativa egoica de dobrar a vida a nossos pés é inversamente proporcional às bênçãos recebidas. Quanto mais confiamos e nos colocamos a serviço daquilo que beneficia o todo, mais somos guiados e impulsionados no caminho da luz, da prosperidade e da manifestação do amor.

Entendam... Não sugiro que ninguém creia nestas palavras. Apenas digo, àqueles que sentirem sintonia com essas ideias, que experimentem por si mesmos e cheguem às suas próprias conclusões.

Somos todos livres para acreditar e trilhar os caminhos que bem nos aprouverem.




TAGS :

    eu, ruptura, autoconhecimento, ego, psicologia

Patricia Gebrim

É Psicóloga Clínica, atua numa abordagem transpessoal. Seu trabalho é direcionado a favorecer o autoconhecimento e a transformação das crenças limitadoras que nos mantêm aprisionados a padrões repetitivos de escolhas. É escritora, publicou 'Gente que mora dentro da gente' e o best-seller 'Palavra de Criança' pela editora Pensamento



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.