DESTAQUES

Você sabe qual é a diferença entre delírio e alucinação?

Marta Relvas 18/01/2018 COMPORTAMENTO
Você sabe qual é a diferença entre delírio e alucinação?
Fonte: imagem Pixabay
Delírios ou alucinações representam desequilíbrios neuropsíquicos

Por Marta Relvas

Segundo Dicionário Aurélio:

Delírio vem do latim delirium, que significa “agir como um louco” e alucinação também vem do latim alucinari, que significa “vagar mentalmente, sonhar, divagar”, e tem origem no grego alyein: “distraído, alienado, mentalmente perturbado”.

A alucinação é bem mais branda do que o delírio. O indivíduo que delira provavelmente tem sérios conflitos mentais, e talvez precise usar medicamentos com finalidade psiquiátrica, mas nada como uma boa terapia consiga para se libertar da alucinação.

Delírios ou alucinações representam desequilíbrios neuropsíquicos, e que podem iniciar na infância. As alucinações são alterações da sensopercepção, é importante saber que existem fatores culturais e pessoais que interferem na percepção.

Os valores culturais atribuídos aos objetos, às relações e aos acontecimentos, também podem desempenhar um papel significativo na maneira pela qual os objetos são percebidos. O delírio a ruptura com a realidade é evidente, não se consegue demover tal conteúdo do pensamento mediante qualquer tipo de argumentação.

A neurobiolgia e a neuroquímica dessas psicopatologias estão relacionadas com a dopamina que é um neurotransmissor estimulante, ela aumenta a atividade cerebral. Uma quantidade em excesso pode causar alucinações, euforia, prazer intenso, relaxamento e outros fatores.

Os neurônios dopaminérgicos estão ligados do mesencéfalo ao sistema límbico e o córtex cerebral. O estímulo elétrico do sistema límbico pode levar a uma atuação forte na amígdala cerebral e no hipotálamo, ambos levam a mudanças no comportamento do indíviduo.

Já o córtex cerebral tem várias funções, entre elas lidar com a memória, atenção, consciência, linguagem, percepção e pensamento. Os gânglios basais também são afetados pela dopamina, sendo que esta parte do cérebro é responsável pelos movimentos.

 

 




TAGS :

    diferença, delírio, alucinação, psiquiatria, dopamina, neurotransmissor

Marta Relvas

Bióloga; Doutora e Mestre em Psicanálise; Neuroanatomista; Neurofisiologista; Psicopedagoga e Especialista em Bioética; Tem certificação no programa internacional em Reggio Emília Study Abroad Program na Itália; Title of People Expression Special category Best Practices in Education Neurosciences and childhood and adolescence learning of Erasmus+ University – Europe – Portugal; Membro Efetiva da Sociedade Brasileira de Neurociência e Comportamento; Membro da Associação Brasileira de Psicopedagogia Rio de Janeiro; Autora de livros e DVDs sobre Neurociência e Educação – Transtornos da Aprendizagem publicados pela Editora WAK e Editora Qualconsoante de Portugal; Atua ainda como Professora Universitária na Universidade AVM Educacional / Cândido Mendes, nos cursos de pós graduação em Psicopedagogia, Psicomotricidade, Neurociência Pedagógica, e na formação Docente; Professora na Universidade Estácio de Sá no Rio de Janeiro nos cursos das áreas: saúde, licenciatura; Professora Mentora do curso de Neurociência e Educação CBI OF Miami. Professora, pesquisadora convidada no curso de pós graduação de Neurociência do IPUB/ UFRJ. Coordenadora do Programa de Pós graduação de Neurociência Pedagógica na Universidade Candido Mendes/ AVM Educacional. Palestrante no Brasil e no exterior.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.