DESTAQUES

Sofro de distimia e quero largar a cocaína. O que faço?

Danilo Baltieri 02/04/2018 SAÚDE E BEM-ESTAR
Sofro de distimia e quero largar a cocaína. O que faço?
Fonte: imagem Pixabay
Distimia é um transtorno depressivo: converse com seu médico e conte a ele sobre seu desconforto

Por Danilo Baltieri   

Depoimento de uma leitora:

TEXTO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE



"Parabéns pela iniciativa desta coluna que responde aos e-mails dos leitores; é difícil encontrar apoio. Tenho distimia desde os 17 anos. Fumei maconha dos 16 aos 25. Com 30 comecei a usar cocaína esporadicamente. Há 3 anos uso regularmente, 3 vezes na semana até à exaustão. Apago e passo 3 dias sem conseguir me levantar. Quero socorro. Tenho filhos e não posso me internar. Não sei por onde começar. Meu psiquiatra não é de confiança pois atende toda a família. Estou cada dia pior. Perdi cabelos, era uma mulher bela, minha pele está manchada. Estou com baixa autoestima que não me deixa sair de casa. Tenho duas formações, pós, mestrado e afastada por "depressão". Ninguém sabe ou imagina. Penso em suicídio. Preciso de uma luz no fim do túnel."

Resposta: O consumo de cocaína tem sido bastante amplo, ultrapassando quaisquer barreiras socioeconômicas e culturais. Estima-se que 1 em cada seis adultos nos Estados Unidos da América já tenha feito uso dessa substância e que cerca de 3% da população adulta demonstre quadro de síndrome de dependência.

O abuso e síndrome de dependência de cocaína estão associados a vários prejuízos individuais, sociais, laborais, educacionais e à saúde dos usuários. É muito importante notar que indivíduos que padecem de quadros de abuso e síndrome de dependência de cocaína frequentemente sofrem de outros tipos de transtornos psiquiátricos, tais como: transtorno depressivo, transtornos ansiosos, transtornos de personalidade, dentre vários outros.

A presença de comorbidades entre dependentes dessa substância, como, por exemplo, dos transtornos de personalidade e depressivos, contribui significativamente para uma mais pobre resposta ao tratamento, especialmente se tais condições coexistentes não são adequadamente manejadas pela equipe de saúde especializada.

Infelizmente, até o momento, como tenho já enfatizado em respostas prévias, não existem medicações aprovadas para o tratamento da síndrome de dependência de cocaína; entretanto, existem várias formas de tratamento que variam de acordo com a gravidade do problema.

Outrossim, é importante reiterar que o tratamento das síndromes de dependência de substâncias é uma via de mão dupla, ou seja, não basta a existência de uma equipe especializada e disponível para auxiliar. É fundamental que o paciente colabore ativamente para a plena recuperação.

Converse com seu médico. Conte a ele sobre o seu desconforto. Seguramente, ele entenderá e responderá a contento.

Atenção!

Este texto não substitui uma consulta ou acompanhamento de um médico psiquiatra e não se caracteriza como sendo um atendimento.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



TAGS :

    depressão, consumo, cocaína, transtorno, depressivo, distimia

Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

Qual o preço de se buscar a perfeição?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.