DESTAQUES

Brincar na vida e no amor é essencial

Lilian Graziano 06/07/2018 PSICOLOGIA
Brincar na vida e no amor é essencial
Fonte: imagem Pixabay
A capacidade humana de brincar deveria ser vista com mais seriedade

Por Lilian Graziano

O lúdico talvez não seja o melhor caminho para o erótico, mas certamente o é para a manutenção da leveza dos relacionamentos duradouros. Não apenas os relacionamentos precisam do divertimento, como a própria vida se alimenta do lúdico. Envelhecer é consequência da perda da capacidade de brincar.

O lúdico não é prerrogativa do infantil. Ao contrário, o lúdico está na gênese do pensamento, da descoberta de si mesmo, da possibilidade de experimentar, de criar e de transformar o mundo. Um livro de 1938, "Homo Ludens", do historiador holandês Johan Huizinga, já explicava a necessidade do lúdico, no qual afirmava que a ideia de jogo é central para a civilização. De acordo com o autor, o jogo seria uma categoria absolutamente primária da vida, tão essencial quanto o raciocínio (homo sapiens) e a fabricação de objetos (homo faber). O caráter de ficção é um dos elementos constitutivos do jogo, no sentido de fantasia criativa e de imaginação. Por isso, ao contrário do que muitos imaginam, o lúdico é coisa séria e necessária, além de ser um direito.

Enquanto se está num jogo, as regras que regem a realidade cotidiana ficam suspensas. Por isso creio que o lúdico abre as portas do universo criativo em que tudo se torna possível. Até mesmo a felicidade.  Infelizmente, a diversão é tão negligenciada que é raro ver idosos se divertindo, por exemplo, em parques de diversões. Se, no Brasil, a diversão para idosos se limita a novela, dominó e bocha, isso é muito mais fruto de uma cultura que vê a velhice como morte do que uma incapacidade genuína de uma pessoa mais velha de explorar o novo.




TAGS :

    psicologia, positiva, brincar, namoro, amor, relacionamentos

Lilian Graziano

Diretora dos Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, psicóloga e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) com pós-graduação em Psicoterapia Cognitiva Construtivista. Seu doutorado sobre Psicologia Positiva e Felicidade foi a primeira tese brasileira baseada nessa abordagem. Atua há mais de 20 anos na Educação com foco no desenvolvimento de condutas preventivas para os comportamentos humanos disfuncionais. Possui certificação em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. Treinou e atendeu centenas de funcionários de grandes organizações tais como: Coca-cola, Basf, Bank Boston, Accenture, British Petroleum, Merrill Lynch, Unilever, dentre outras.



ENQUETE

A morte trágica da bancária Lilian Jamberci, vítima do "Dr. Bum Bum", trará à luz uma reflexão sobre o vício da vaidade?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.