DESTAQUES

Por que contar histórias às nossas crianças

Ceres Alves Araujo 03/09/2018 PSICOLOGIA
Por que contar histórias às nossas crianças
Fonte: Google Imagems
Normalmente a fantasia não erra, pois é demais profunda e intimamente ligada aos fundamentos dos instintos humanos

Por Ceres Alves de Araujo

No mundo, desde muito, se contam histórias, lendas, mitos, fábulas. O ato de contar é mágico, pois encanta a quem escuta e também encanta a quem relata. As narrativas trazem ensinamentos e mensagens e traduzem a realidade, muitas vezes, mediante metáforas, alegorias e símbolos. Essas figuras de linguagem carregam o que existe de mais precioso, pois estimulam a fantasia e a criatividade.   

As narrativas são sempre acessíveis às crianças, que a apreendem de alguma forma em função do nível de seu desenvolvimento e também em função de necessidades internas, muitas vezes inconscientes.  A apreensão se dá em partes cada vez maiores, que vão se integrando, na medida em que escutam os temas várias vezes.
As histórias infantis ajudam a desenvolver o imaginário, a fantasia, a inteligência e principalmente a capacidade para lidar com as emoções e os afetos, habilidade essa mais ou menos negligenciada nos nossos dias, mas que é fundamental para o desenvolvimento da capacidade de adaptação saudável e criativa no mundo das pessoas e das situações.

Sabe-se que, no ser humano, a mente e a função simbólica se desenvolvem a partir da experiência dos relacionamentos interpessoais. Ao se engajar em um diálogo ativo e reflexivo com imagens, sensações, pensamentos e intuições, quem conta e quem escuta podem entrar juntos em um mundo imaginário, companheiros na “viagem”, o que aprofunda o vínculo entre eles. É favorecida a capacidade de simbolização.

Para os pais, contar histórias da própria infância, dos avós, da família em geral, ajuda a criança a perceber sua inserção em uma história que é muito maior que a sua. Ajuda a noção de enraizamento, a sensação de pertencer a um grupo com valores significativos.

Inventar histórias, introduzir recheios, alterar desfechos, cocriar com a criança sequências lógicas ou inverossímeis, tudo vale. A fantasia é a força criativo-maternal do espírito humano, dizia Carl Gustav Jung. Normalmente a fantasia não erra, pois é demais profunda e intimamente ligada aos fundamentos dos instintos humanos. A atividade criadora da força da imaginação libera o ser humano das suas amarras, elevando-o à categoria do lúdico.

A criança prefere, muitas vezes, a explicação fantasiosa ou mitológica. Esse tipo de explicação embora não corresponda necessariamente aos fatos reais, faz com que a criança participe da busca do significado no desenvolvimento do pensamento. Nesse contexto, ela precisa, muitas vezes, sair da realidade dos fatos e construir seu mundo próprio imaginário. Fingir que as coisas são o que não são, para corresponder às necessidades expressivas internas, parece estar na origem da fantasia e da criatividade.

Decorre daí, a importância do exercício da imaginação e da criatividade, tão necessário ao processo do desenvolvimento humano.

Contar histórias não deve ser uma alternativa aos momentos em frente à televisão, ao computador ou aos jogos eletrônicos ou também apenas usada com a finalidade de facilitar a rotina do horário de dormir. Precisa ser um momento muito especial que deve ser pensado em função de seu valor essencial. Ou seja, um momento privilegiado de contato pais-filhos: contar e escutar histórias simplesmente pela prazerosa aventura de entrar juntos no mundo da imaginação.




TAGS :

    por que, contar, histórias, crianças, psicologia

Ceres Alves Araujo

É psicóloga especializada em psicoterapia de crianças e adolescentes. Mestre em psicologia clínica pela PUC-SP, Doutora em Distúrbios da Comunicação Humana pela Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo, professora do Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia Clínica da PUC e autora de vários livros, entre eles 'Pais que educam - Uma aventura inesquecível' Editora Gente.



ENQUETE

Eleição presidencial no Brasil se transformou em plebiscito de Bolsonaro?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.