DESTAQUES

Quando começo a deixar de ser eu mesmo dentro de um relacionamento?

Eduardo Yabusaki 04/12/2018 COMPORTAMENTO
Quando começo a deixar de ser eu mesmo dentro de um relacionamento?
Fonte: imagem Pixabay
As pessoas podem ser elas mesmas num relacionamento e estarem bem?

Por Eduardo Yabusaki

Individualidade, ser verdadeiro e autêntico... Enfim, inúmeras características pessoais que são virtuosas, mas que podem ser conflituosas em um relacionamento.

As pessoas podem ser elas mesmas num relacionamento e estarem bem? Ou isso é incompatível, uma vez que o ideal seria que as individualidades não predominassem na relação. É preciso ter muito cuidado e atenção para esta questão na convivência a dois. Afinal, tratando-se de relacionamento, nada pode ser rígido e estático. É fundamental que ambos estejam sempre receptivos às mudanças para o crescimento ou melhora do relacionamento.

Nenhuma das partes pode sentir-se deixando de ser ela mesma ou insatisfeita por mudar determinada característica em prol do relacionamento. Engana-se quem acha que deve mudar pelo outro ou pelo relacionamento.

Para que uma mudança seja assertiva, é preciso que se tenha claro:

Primeiro: se vou mudar alguma coisa em minha vida eu preciso querer;

Segundo: para querer, é preciso que isso seja importante para mim;

Terceiro: se é importante para mim, farei todo o esforço em me modificar para o que possa ser o melhor para mim.

A pessoa pode ser ela mesma em um relacionamento. Porém, é importante pensar em alguns indicadores de que talvez ela não esteja tão bem assim comigo mesma.

Indicadores de que você começa a não se sentir bem no relacionamento:

1. É sempre importante pensar que, assim como tudo na vida, o relacionamento passa por mudanças, fases, ajustes e mesmo conflitos ou desencontros.

2. Portanto, é sempre importante avaliar se estou bem comigo mesmo, satisfeito com o relacionamento e feliz com minha vida.

3. Se perceber que de vez em quando se sente não sendo você mesmo, antes de ficar mal ou frustrado, procure refletir se não poderia estar melhor com você mesmo, mesmo tendo mudado características suas ou abrindo mão de coisas importantes.

4. Às vezes mudamos radicalmente nosso jeito e achamos isso muito ruim, sem nos dar conta de que estas mudanças nos trouxeram muito mais benefícios e bem-estar. Portanto, reflita.

5. É sempre importante sentir-se sendo você mesmo, apesar de termos características muito enraizadas, é sempre possível mudanças ou melhoras. Assim, independentemente do relacionamento, o nosso termômetro é sempre o nosso grau de satisfação, contentamento, prazer e realização.

6. Se ainda assim avaliar que seu sentimento predominante seja de frustração, angústia, ou mesmo infelicidade, não hesite em procurar ajuda psicológica para sanar essa situação.

Lembre-se que nada justifica ficar triste, insatisfeito e frustrado; mesmo que isso signifique ter de abrir mão de um relacionamento, que por mais que se ame, não podemos nos sentir anulados. Não deixe de buscar sua alegria de viver e de ser feliz!




TAGS :

    relacionamento, insatisfeito, psicologia, comportamento

Eduardo Yabusaki

Eduardo Yabusaki - Psicólogo e Sexólogo Especializado em Terapia Comportamental Cognitiva, Terapia de Casal e Terapia Sexual. Coordenador do Curso de Sexologia Clínica ministrado em diferentes cidades há mais de 15 anos. Docente convidado do Curso de Fromação em Sexologia Clínica de BH. Responsável pelo www.vidadecasalbh.com.br



ENQUETE

Você busca a tranquilidade ao acordar?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.