DESTAQUES

Por trás das tragédias há um grande jogo de poder; entenda

Ana Lúcia Paiga 28/02/2019 PSICOLOGIA
Por trás das tragédias há um grande jogo de poder; entenda
Fonte: imagem Pixabay
E por trás desse jogo de poder há uma grande manipulação

Por Ana Lúcia Paiga

Diante de tristes acontecimentos, sejam eles “acidentais” ou “pré-fabricados”, observamos alguns comportamentos repetitivos da mídia, que causam ainda mais dor e não ajudam a evitar novas tragédias. Mas... mantém a audiência, não é mesmo? (Poder)

Segundo Eric Berne, o pai da Análise Transacional, os Jogos de Poder fazem parte essencial do nosso Enredo de Vida. Sua função dentro do enredo, é nos manter atuando através de papéis condicionados, para cumprirmos nossas decisões e manter crenças distorcidas de nossa Criança Adaptada (que começou a vivenciar este enredo na infância).

O Jogo se caracteriza por *uma mensagem aparente e outra subliminar, que gera uma sensação de torpor e impotência. Seu final é sempre um desconforto, sem que se encontre uma solução, gerando um círculo vicioso. Uma grande Manipulação.

São três os papéis que podem ser assumidos dentro do jogo:

O Perseguidor, o Salvador e a Vítima


Um bom exemplo, é o Jogo do Alcoólatra. O marido bebe, chega em casa quebrando tudo (Perseguidor) e a esposa se sente ameaçada (Vítima). Em seguida ele vai dormir e ela com muita raiva, faz as malas dele pra que ele saia de casa (Perseguidor). Quando ele acorda, implora perdão (Vítima), diz que nunca mais aquilo se repetirá, e ela se sentindo culpada e com “pena dele”, o acolhe sem que nada mude (Salvador). No próximo final de semana, tudo se repete da mesma maneira. E assim seguem pela vida, juntos, confirmando suas crenças de que não tem jeito: não podem ser felizes.

Como se vê, só participam dos Jogos, os egos comprometidos com nosso enredo (Criança Submissa ou Rebelde e **Pai Crítico (que passou conteúdo crítico ao educar seu filho – saiba mais - ou Salvador – que passou um conteúdo de onipotência e protecionismo).

Da mesma forma que isso ocorre num âmbito pessoal, podemos constatar jogos coletivos, onde se explora o drama, expõe a dor e a impotência, procurando culpados, sem que se busque efetivamente uma saída responsável para a questão. Esta atitude só reforça o papel de Vítima e a revolta, que levam novamente ao Perseguidor.

Claro que devemos ter compaixão, acolher e amparar aqueles que sofrem, mas sem torná-los vítimas impotentes. Com respeito, amor e reconhecimento, podemos estimulá-los a lutarem objetivamente, encontrando opções na realidade, fazendo-os aceitar o que a vida traz como oportunidade de evolução. Não vivemos num mundo ideal. Lidamos com as polaridades do Bem e do Mal.

Através do Adulto e ***Pai Nutritivo, podemos entender que somos os Protagonistas de nossa história, seja ela qual for.

Confiar em nossas habilidades, sabedoria e capacidade de superação, traz a liberdade de  “ser quem sou”, sem dependência, sem medo.

Dessa forma podemos buscar alternativas para sair do círculo vicioso das repetições sem solução.

A impotência?... ah, esta faz parte de nós.

Compreender e aceitar isto, nos tira da armadilha do triângulo dos jogos e nos confere nosso real poder:

 “Brilhar como Ser Único que Sou”.

*Entenda a dinâmica do jogo aparente e subliminar

Um exemplo é o:  “Sim, mas...”

- puxa estou com uma dor de cabeça!
- quer um remédio?
- não adianta.
- e se você deitar um pouco?
- não posso. Preciso trabalhar.
- já foi ao médico?
- ih não tem jeito... médicos não sabem nada. Tenho que aguentar mesmo.

Ou seja, a mensagem aparente é:

- preciso de ajuda.

Mas toda a sugestão é negada porque o que a pessoa quer é ser a vítima e frustrar o interlocutor fazendo-o sentir-se impotente e o prendendo à relação. Não resolver um problema.

A mensagem subliminar é:

- não me abandone.

**Um Pai Crítico tende a gerar uma Criança Adaptada (submissa ou rebelde), que deixa de utilizar suas habilidades de forma livre e criativa.

Um ***Pai Protetor, Nutritivo, vai estimular sim a criança a dar o seu melhor, expressando seu potencial e habilidades, mas respeitando seus limites.




TAGS :

    psicologia

Ana Lúcia Paiga

Faz psicoterapia para adolescentes, adultos e casais. Leciona Curso Básico de Análise Transacional (duração de 12 horas). Coaching (life-coaching e equipes. Realiza supervisão de profissionais ligados à educação (Lar Sírio Pró Infância). Faz palestras diversas sobre temas de autoconhecimento. Criação e Condução de workshops de desenvolvimento. Preparo e Acompanhamento de grupos à Comunidade de Findhorn. “Acredito que a melhor maneira de evoluir é compartilhar experiências.”



ENQUETE

Você acredita na lei de causa e efeito ou lei do carma?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.