DESTAQUES

Além de medicamento e psicoterapia

Eduardo Ferreira Santos 21/05/2019 SAÚDE E BEM-ESTAR
 Além de medicamento e psicoterapia
Fonte: imagem Pixabay
Há outro tipo de tratamento para TDPM - Transtorno Disfórico Pré-Menstrual?

Por Eduardo Ferreira Santos

Resposta: Além de medicação e psicoterapia, acredito que uma consulta com seu ginecologista possa ser útil no sentido de ele, talvez, lhe prescrever um tratamento hormonal.

O que antes era pouco levado em consideração por médicos, particularmente ginecologistas e psiquiatras, a até então chamada Tensão Pré-Menstrual, após longos e cuidadosos exames científicos durante quase 20 anos de evidências, apresentadas por inúmeras mulheres com essa condição, confirmaram, de acordo com a Associação Americana de Psiquiatria, uma forma de transtorno depressivo específico e responsivo a tratamento adequado que inicia em algum momento após a ovulação e remite poucos dias após a menstruação, causando impacto significativo no equilíbrio psíquico.

Tal quadro, de acordo ainda com os americanos, na sua 5ª versão do DSM (Diagnóstico Manual e Estatístico dos Transtornos Mentais) ganhou o nome de TDPM ou seja, Transtorno Disfórico Pré-Menstrual.

Para se caracterizar corretamente esse transtorno, alguns sintomas devem estar presentes na semana final do início da menstruação, começar a melhorar ou mesmo desaparecer no seu início ou logo depois.

Características essenciais do TDPM:

- Expressão de labilidade do estado de humor:

- Irritabilidade exacerbada;

- Sintomas de ansiedade (física e/ou psíquica) que ocorrem repetidamente durante a fase pré-menstrual do ciclo e desaparecem por volta do início da menstruação ou logo depois. Devem ter ocorrido na maioria dos ciclos menstruais durante o último ano e ter um efeito adverso no trabalho ou no funcionamento social.

Causas

Para tentar explicar sua origem, recorre-se aos múltiplos fatores que concorrem para o comportamento humano, isto é: os biológicos, os psicológicos e os ambientais.

Sob o ponto de vista biológico, já ficou comprovada uma herança genética em cerca de 30 a 80% das pessoas, sendo estimado em 50% herdável.

Os fatores ambientais (sociais) associados à expressão do TDPM incluem vivência atual estressante, mudanças sazonais, e aspectos socioculturais do comportamento sexual feminino no geral e o papel do gênero feminino em particular.

Já no aspecto psicológico, a história de traumas interpessoais (conscientes ou inconscientes) podem ter sua contribuição importante no desenvolvimento da estrutura da personalidade e construção de crenças disfuncionais em relação à feminilidade ou mesmo à maternidade.

Portanto, trata-se de um quadro clínico importante que requer o auxílio de um ginecologista ou psiquiatra, acompanhado, talvez, de uma psicoterapia, para que seja resolvido.

Papel feminino: crenças disfuncionais em relação à feminilidade e à maternidade

A menstruação, por ser um fenômeno exclusivamente da mulher, traz consigo conceitos preconcebidos, relacionados à maternidade e à feminilidade, pois, por si só, está relacionada a ser mulher e ser capaz de gerar filhos.

Questão feminilidade

Na questão da feminilidade, para algumas pessoas, ainda há uma certa dificuldade em lidar com o gênero feminino e a confirmação deste atributo pode gerar algum tipo de ansiedade e angústia na aceitação desta condição. Isto pode aparecer mais claramente em casos ditos antigamente como patológicos, tais quais a homossexualidade, a transexualidade etc. Mas pode também ser apenas uma dificuldade psicológica adquirida ao longo da formação psicológica na qual se impregnou ideias negativas quanto ao ser mulher devido à forma como a pessoa lidou com o sexo feminino, particularmente com a figura da própria mãe.

Questão maternidade

Na questão maternidade, podem surgir, ainda que inconscientemente, o temor de que não apenas quanto ao estado de gravidez, mas também, as grandes responsabilidades na geração e criação de filhos implicam na vida da pessoa. Isto também advém de crenças distorcidas formadas ao longo da infância e adolescência, enfim "problemas psicológicos".

Há, ainda a se considerar que a menarca (primeira menstruação) é como que um "rito de passagem" da infância para a vida adulta e isso pode ser traumático para algumas meninas, gerando distúrbios de ansiedade, angústia e depressão que se manifestam na forma do TDPM.

Atenção!
Este texto não substitui uma consulta ou acompanhamento de um médico psiquiatra e não se caracteriza como sendo um atendimento.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra e psicólogo Eduardo Ferreira Santos responderá dúvidas e perguntas sobre os relacionamentos de uma maneira geral, sobre autoestima e conflitos emocionais. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



TAGS :

    tdpm

Eduardo Ferreira Santos

Psiquiatra e psicoterapeuta. Obteve Titulo de Mestre em Psicologia Clínica pela PUC-SP e o de Doutor em Ciências Médicas pela Faculdade de Medicina na USP. Escreveu os seguintes livros sobre relacionamento amoroso: Casamento missão (quase) impossível; Ciúme: O medo da perda; Ciúme: O lado amargo do amor Mais informações: www.ferreira-santos.med.br



ENQUETE

Como você vem cultivando suas relações?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.