DESTAQUES

Alcoolismo: consumo prolongado de medicamento diminui recaídas, indica estudo

Redação Vya Estelar 01/01/2016 COMPORTAMENTO

Da Redação

Estudo norte-americano divulgado pelo CISA – Centro de Informações sobre Saúde e Álcool aponta que dependentes alcoólicos tratados com naltrexona (190 ou 380mg), medicamento utilizado para tratamento da dependência alcoólica, apresentam diminuição significativa do consumo de álcool em relação a um grupo placebo que recebe somente tratamento psicossocial, tanto em feriados quanto em dias comuns.

O estudo foi realizado com o objetivo de avaliar maneiras de diminuir os riscos de recaídas, principalmente em períodos festivos, como Natal, Ano Novo e Carnaval. Nessas ocasiões, pacientes em tratamento para dependência alcoólica sofrem um risco maior de recaída do que em outras épocas do ano, pois ficam expostos a um contexto em que o consumo de bebidas alcoólicas está relacionado a celebrações e são frequentemente convidados a beber nesses dias.

A pesquisa investigou a eficácia de um medicamento chamado naltrexona de liberação prolongada* (NTX-XR), que age no organismo por um período mais longo e pode melhorar a aderência dos pacientes ao tratamento, combinado com sessões de terapia psicossocial sobre o consumo de álcool em um grupo de pacientes dependentes.

Os autores avaliaram 82 dependentes alcoólicos, acima de 18 anos de idade, que estavam abstinentes há pelo menos quatro dias antes do início do estudo, provenientes de diversos centros de tratamento. Para evitar qualquer tipo de viés, os pacientes e médicos pesquisadores não sabiam se o que estava sendo aplicado era a naltrexona, em duas doses diferentes, ou alguma substância semelhante, mas inócua, conhecida como placebo. Todos os pacientes receberam tratamento psicossocial ao longo do estudo.

Três parâmetros de consumo de bebidas alcoólicas dos pacientes foram registrados durante 24 semanas, sendo que os feriados foram marcados separadamente dos dias comuns: dias em que beberam, dias em que beberam pesado (4 ou mais doses** para mulheres, 5 ou mais doses para homens), número de doses consumidas por dia.

Os resultados mostram que, com relação ao consumo de bebidas alcoólicas durante os dias festivos, os pacientes que receberam a menor dose de naltrexona obtiveram resultados intermediários entre os indivíduos do grupo placebo e os que receberam a maior dose de naltrexona, o que reforça a consistência dos resultados, já que houve uma resposta proporcional à dose do medicamento.

Os autores do estudo enfatizam que muitos dos pacientes dependentes de álcool alcançaram a abstinência durante os períodos festivos quando tratados com maior dose de naltrexona em combinação com a psicoterapia.

*A naltrexona de liberação prolongada age no organismo por um período mais longo e pode melhorar a aderência dos pacientes ao tratamento, pois estende seus efeitos terapêuticos para 30 dias, dispensando a necessidade de doses diárias do medicamento.

**uma dose-padrão de bebida alcoólica (285 ml de cerveja, 120 ml de vinho ou 30 ml de destilado) contém, aproximadamente, 8 a 13 g de álcool puro.

Título da pesquisa: The effects of extended-release naltrexone on holiday drinking in alcohol-dependent patients.

Autores: Lapham S, Forman R, Alexander M, Illeperuma A, Bohn MJ.
Fonte: Journal of Substance Abuse Treatment 36:1-6, 2009.




Redação Vya Estelar

Ângelo Medina é editor-chefe do portal Vya Estelar. É jornalista e ghost writer. Com 30 anos de experiência, iniciou sua carreira na cobertura das eleições à Prefeitura de São Paulo em 1988 (Jornal da Cultura). Trabalhou no Caderno 2 - O Estado de São Paulo, Revista Quatro Rodas (Abril). Colaborou em diversas publicações e foi assessor de imprensa no setor público e privado. Concebeu o site Vya Estelar em 1999. É formado em Comunicação Social pela UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.