DESTAQUES

Substituir cerveja por destilado pode diminuir compulsão alcoólica?

Danilo Baltieri 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Bebedores de destilados: maior gravidade de alcoolismo

por Danilo Baltieri

"Tenho o hábito de consumir muita quantidade de cerveja, faço isso durante dois dias seguidos, mas sofro. Não tenho costume de tomar destilados. Será que posso trocar a cerveja por destilados? Ou será que posso ter compulsão por esse tipo de bebida? Quero poder tomar com moderação. Eu tenho 30 anos e bebo desde os 15. Quando perco o controle, faço uso de cocaína. Passo muito tempo sem beber e só uso droga quando bebo"
Enviado por uma leitora

Resposta: Devido à grande heterogeneidade dos indivíduos que apresentam problemas com o consumo de bebidas alcoólicas, pesquisadores e clínicos ao redor do mundo tentam classificar esses indivíduos em subgrupos, objetivando facilitar o manejo e o acesso a determinado tipo de abordagem para melhorar a efetividade dos programas de tratamento e delinear novas propostas de manejo.

Existem várias formas para classificar essa população, ou seja, através de variáveis clínicas, genéticas, de resposta a determinado tipo de abordagem, dados da história do consumo de bebidas, coexistência de problemas relacionados ao uso de outras substâncias e etc.

Uma das formas para classificar os indivíduos com problemas relacionados ao uso de bebidas alcoólicas é o consumo predominante ou mesmo preferencial da bebida consumida. Os tipos de bebidas alcoólicas de fato parecem afetar a resposta a diferentes propostas de tratamento ou até mesmo a fissura pelo álcool.

Na verdade, até o momento, alguns esforços têm sido realizados para investigar o relacionamento entre os diferentes tipos de bebidas alcoólicas consumidas por alcoolistas e as variáveis associadas com medidas de resultado, tais como aderência ao tratamento proposto e taxas de abstinência. Também, estudos que focam nas diferentes bebidas alcoólicas consumidas têm mais frequentemente avaliado a influência dos tipos de bebidas sobre o desenvolvimento de diferentes problemas físicos advindos do consumo crônico de bebidas, embora ainda poucas conclusões definitivas tenham sido postuladas.

De fato, diferentes variáveis tais como as sociodemográficas, quantidade de etanol ingerida por dia, tabagismo, e estado nutricional dos pacientes interagem no desenvolvimento de diferentes repercussões para a saúde do alcoolista. Não é totalmente claro se a escolha de diferentes tipos de bebidas, tais como cerveja, destilados ou vinho contribui diferentemente com resultados adversos para a saúde entre dependentes de álcool.

Bebedores de vinho: perfil

Geralmente, estudos têm apontado que bebedores de vinho tendem a demonstrar um melhor perfil em alguns parâmetros físicos do que os bebedores de cerveja ou destilados. Mas também os bebedores de vinho tendem a possuir melhores níveis socioeconômicos do que outros bebedores preferenciais. Isso poderia influenciar positivamente alguns indicadores de saúde.

De outra forma, alguns autores têm afirmado que dependentes de álcool que preferem cerveja apresentam menor dano ao hipocampo (região cerebral responsável, dentre outras funções, pela memória), em termos de perda de volume, do que os bebedores de destilados ou vinho. Esse achado tem sido justificado pelos menores níveis plasmáticos de homocisteína (um aminoácido não essencial) encontrados entre dependentes de cerveja.

Algumas vitaminas contidas na cerveja, tais como algumas do complexo B, parecem ser responsáveis por esse menor nível plasmático de homocisteína. Também, outros estudos têm afirmado que bebedores de cerveja demonstrariam mais intensa fissura pela bebida do que os bebedores de destilados e vinho. Isso tem sido associado a alterações no eixo hipotálamo-hipófise-adrenal. Entre diferentes sistemas neuroendocrinológicos, alguns peptídeos reguladores do apetite têm sido relacionados ao "craving" (fissura) pelo álcool, tais como a leptina, a grelina e a adiponectina.

Algumas pesquisas têm demonstrado que os níveis de leptina estão associados positivamente com a magnitude da fissura pelo álcool e, entre os diferentes tipos de bebedores, aqueles que preferem cerveja demonstram maiores níveis desse peptídeo. Também o volume da bebida consumida parece influenciar a gravidade da fissura ou "craving", devido às alterações em peptídeos reguladores de volume, como a vasopressina e o peptídeo natriurético atrial. Em geral, o volume total de cerveja consumida tende a ser maior do que o volume total de destilados. Apesar desses achados, a fissura é também relacionada com a quantidade de etanol utilizada por dia e bebedores de destilados costumam consumir maiores quantidades de etanol por dia do que os bebedores de cerveja.

Bebedores de destilados: maior gravidade de alcoolismo

Em um estudo realizado pelo * meu grupo e publicado no jornal "Alcohol" em 2009, os bebedores de destilados demonstraram maior gravidade do alcoolismo, maior magnitude da fissura pela bebida e menor aderência ao tratamento médico proposto, em relação aos bebedores de cerveja. Também no nosso estudo, os pacientes dependentes de álcool que revelaram a preferência por destilados demonstraram menor aderência ao tratamento proposto, independentemente do tipo de medicação utilizada. Isso pode significar que diferentes modelos de tratamento devam ser instalados para diferentes tipos de bebedores preferenciais constituindo, portanto, uma forma de tipologia.

A criação de tipologias para alcoolistas é uma tarefa bastante complexa, porque múltiplos fatores genéticos, sóciodemográficos, ambientais, relacionados com a personalidade e outros hábitos, etc. estão envolvidos. Embora nosso estudo tenha mostrado que bebedores preferenciais de destilados aderem menos ao tratamento proposto, esses pacientes tinham menos recursos financeiros e muitos deles estavam desempregados. Também, uma mais longa história de falhas terapêuticas pode desencorajar os pacientes de aderir a uma nova proposta terapêutica.

Infelizmente, muitas pessoas procuram e prontamente aceitam impressões que apoiam suas crenças, comportamentos e objetivos prévios, e elas acabam por ignorar evidências ao contrário. Os profissionais devem avaliar rigorosamente alguns erros perceptivos ou até mesmo distorções cognitivas que os pacientes trazem consigo durante todo o processo terapêutico.

É importante considerar que existe uma miríade de tipos de bebidas alcoólicas disponíveis para a venda. Dentre elas, existem aquelas que não são adequadamente nem rigorosamente avaliadas antes da chegada ao consumidor. Existem vários estudos que apontam a existência de outros tipos de álcoois, além do etanol, em vários tipos de bebidas, especialmente entre algumas das destiladas e as de produção caseira ou doméstica. A presença de outros álcoois, tais como metanol, propanol, isobutanol, álcool isoamílico, é ainda mais nociva para o usuário, porque são substâncias altamente tóxicas, provocando lesões ainda mais nocivas sobre fígado, cérebro, coração e demais órgãos.

De fato, vários registros têm sido feitos sobre a intoxicação letal provocada pelo consumo de bebidas contendo álcoois diversos, como o metanol. O rigoroso controle sobre a venda, produção, disponibilidade também é fundamental para o controle desse grave problema de saúde pública - o alcoolismo.

No seu caso, de acordo com o escrito na pergunta, você não pretende deixar de beber, mas sim modificar o tipo de bebida consumida, objetivando diminuir a quantidade de bebida consumida por dia. Além disso, você refere que faz uso de cocaína após o consumo da cerveja.

Seguramente, a troca da bebida preferencial de cerveja para destilado, ou vice-versa, não resolverá o seu problema, uma vez que o problema não é o tipo de bebida, mas sim o próprio álcool. Parece que, embora esteja preocupada com o consumo de bebida (no caso cerveja), você não está querendo abrir mão do uso do álcool (querendo beber destilados). Em muitas situações, o consumo de álcool funciona como um aliciador para o uso de outras drogas, como a cocaína, especialmente entre aqueles que já demonstram padrão abusivo de uso de ambas as substâncias.

Por favor, queira procurar um profissional especializado na matéria para ajudá-lo a reduzir ou mesmo interromper o consumo de bebidas e, consequentemente, o de cocaína. O caminho pretendido por você é muito perigoso e de consequências bastante danosas. Não perca tempo!

Abaixo, forneço referências para consulta:

* Baltieri, D. A., Daro, F. R., Ribeiro, P. L., & De Andrade, A. G. (2009). The role of alcoholic beverage preference in the severity of alcohol dependence and adherence to the treatment. Alcohol, 43(3), 185-195.

Lachenmeier, D. W., Rehm, J., & Gmel, G. (2007). Surrogate alcohol: what do we know and where do we go? Alcohol Clin Exp Res, 31(10), 1613-1624.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

A morte trágica da bancária Lilian Jamberci, vítima do "Dr. Bum Bum", trará à luz uma reflexão sobre o vício da vaidade?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.