DESTAQUES

Meu namorado é viciado em crack. O que eu faço?

Danilo Baltieri 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Você precisa rever suas crenças em relação ao comportamento dele

por Danilo Baltieri

"Terminar com ele ajudaria em seu crescimento e consequente abandono da droga?"

Resposta: O comportamento de ajuda deve sempre ser estimulado; entretanto, o importante é saber “como ajudar”. Muitas vezes, julga-se estar ajudando, mas, na verdade, o contrário está sendo feito.

Acredito que o primeiro passo seja reavaliar o seu sistema de crenças quanto ao comportamento do indivíduo dependente químico.

Acreditar que ele é fraco, “não crescido”, e que você pode estar sendo responsável por esse “atraso” no crescimento dele, deve ser imediatamente revisto.

Um sistema de crenças errado, com premissas enganosas, contribui para a criação de mitos e pensamentos inadequados, o que, ao contrário de ajudar o dependente, acaba por:

a) Proporcionar a redução da autoestima tanto do dependente quanto do seu par;

b) Limitar a possibilidade de relacionamento saudável;

c) Justificar os problemas do dependente, como uma possível vitimização (“ele usa, porque está muito estressado”, “ele usa porque não consegue crescer” etc);

d) Associar o consumo de drogas com uma importante necessidade do dependente;

e) Minimizar os efeitos nocivos (“ele usa somente aos finais de semana e tem bom desempenho na escola”).

É importante revelar suas preocupações com o padrão de consumo de droga para o indivíduo dependente e estabelecer os seus limites. Nos relacionamentos saudáveis, a intimidade é possível quando as pessoas aceitam o risco de rejeição e revelam suas preocupações de forma clara e aberta. Essa abertura entre os parceiros costuma:

a) Indicar confiança;

b) Reconhecer que cada um é uma pessoa que pode tomar suas próprias decisões;

c) Declarar que cada parceiro é capaz de assumir suas próprias responsabilidades e sentimentos.

Ajudar um indivíduo dependente nunca implica em minimizar o seu comportamento ou justificá-lo com crenças inadequadas. Na verdade, é importante revelar para o seu namorado o quanto você está preocupada com o consumo de substâncias e o quanto isso tem prejudicado o relacionamento e propor a procura de ajuda.

Muitas vezes, o indivíduo dependente não vislumbra o seu consumo de substâncias como problemático, mas reconhece problemas com o relacionamento afetivo ou quaisquer outros, que na realidade estão associados com o próprio consumo inadequado de drogas. O segredo é respeitar os seus próprios limites, bem como chamar à responsabilidade o indivíduo dependente.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

Como você vem cultivando suas relações?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.