DESTAQUES

Como o crack afeta o organismo de um soropositivo

Danilo Baltieri 01/01/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR

por Danilo Baltieri

"Minha mãe é usuária de crack há sete meses e soropositiva há cinco anos. Quais as consequências devido à baixa imunidade do corpo?"

Resposta: Infelizmente, a sua mãe tem dois problemas crônicos que não raras vezes se superpõem. Geralmente, pacientes usuários de substâncias psicoativas, como o crack e infectados com o vírus causador da AIDS tendem a mostrar baixa aderência tanto ao tratamento do abuso/dependência das drogas quanto ao próprio manejo clínico da doença infecto-contagiosa. Isso é uma preocupação constante dos serviços médicos especializados.

Características como a própria desorganização pessoal, ausência de suporte familiar e social, pobreza, altos níveis de impulsividade, negação de problemas de saúde, experiências prévias de fracasso no tratamento e insatisfação com os serviços de saúde especializados colaboram com a dificuldade na adesão e manutenção do tratamento.

É importante salientar que, frequentemente, os pacientes soropositivos que abusam ou são dependentes de drogas, além do HIV, estão também infectados por outros agentes, como pelo vírus da hepatite B e/ou C. Dessa forma, os serviços especializados no manejo de pacientes portadores de HIV/AIDS devem estar capacitados para o manejo complexo dos seus pacientes através de equipe multi e interdisciplinar.

Além disso, ambas as doenças, abuso/dependência de drogas e HIV/AIDS têm aspectos em comum, tais como:

a) cronicidade - Aqui, é importante ressaltar que a prevalência de transtornos mentais e do comportamento, particularmente depressão, em portadores de doenças crônicas é maior do que na população geral;

b) incurabilidade - Embora haja tratamentos específicos para ambas as condições, não há cura para as mesmas;

c) limitações impostas pelas doenças;

d) estigmas associados com as doenças.

De fato, o consumo de crack pode aumentar o risco de infecção e de reinfecção pelo HIV de formas diversas. Abusuários e dependentes da droga comumente procuram pela substância repetidamente em razão da própria alteração neurobiológica causada pelo crack, possibilitando práticas sexuais inseguras e outros comportamentos de risco.

A perturbação na capacidade de julgamento e tomada de decisão, um dos sintomas de intoxicação por uso de crack, também colabora com a prática de comportamentos arriscados, como o sexo desprotegido. Também, a droga exerce influência negativa sobre o sistema imunológico, debilitando o organismo e deixando-o mais suscetível à ação do vírus, especialmente naqueles que não estão seguindo um tratamento médico adequado.

Na verdade, existem evidências de que o consumo de cocaína/crack colabora tanto com a maior exposição ao vírus causador da AIDS quanto com a progressão da doença. O sistema imunológico é composto de uma complexa rede de células e substâncias com a função primária de prevenir infecções. De fato, estudos mostram que drogas de abuso, como cocaína/crack, influenciam a ação de importantes células que compõem o sistema imunológico, como os linfócitos, os macrófagos e células dendríticas.

Também, em estudos “in vitro”, a cocaína/crack aumenta a replicação (multiplicação) do vírus nas células. Em estudos experimentais feitos em ratos, essa droga também aumenta a carga viral e diminui a capacidade do corpo em reagir contra agentes infecciosos.

A sua mãe deve e merece receber tratamento médico bastante adequado e especializado. Quanto maior for o apoio de familiares e amigos, melhor será a adesão da paciente ao tratamento. A inserção dos amigos e familiares no tratamento médico sempre será bem-vinda.

Abaixo, forneço interessante referência sobre o assunto:

Friedman H, Pross S, Klein TW. Addictive drugs and their relationship with infectious diseases. FEMS immunology and medical microbiology. 2006;47(3):330-42.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

Você sente dificuldade de sair de um relacionamento abusivo?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.