DESTAQUES

Cultive a excelência! Ela é contagiante...

Lilian Graziano 01/01/2016 PSICOLOGIA
Os seus melhores recursos ainda podem ser aprimorados

por Lilian Graziano

No início do atendimento em psicoterapia ou coaching positivos que oferecemos no IPPC, aplicamos no cliente uma versão do VIA, inventário desenvolvido por Peterson & Seligman para a identificação das chamadas forças pessoais, ou seja, qualidades que o mesmo possui e que correspodem àquilo que de melhor ele tem a oferecer como ser humano.

Essas características, como já dito e repetido aqui, são nossos recursos para o enfrentamento da vida, e a evolução do indivíduo ocorre, na Psicologia Positiva, tanto com base no aprimoramento de forças listadas em sua assinatura pessoal (as cinco primeiras forças do ranking gerado pelo inventário), quanto no desenvolvimento de suas forças menos utilizadas, dentre outras estratégias que podem ser aplicadas. O foco principal, no entanto, nunca são os déficits. E isso tem uma razão de ser.

Pesquisas demonstram que algumas forças "adormecidas", que aparecem lá no fim do ranking, podem se desenvolver quando nos aplicamos em exercitar nossas forças principais em um nível de excelência. que, ao repetir o teste VIA, depois de um tempo, o indivíduo pode se surpreender com esse tipo de resultado, verificando um reposicionamento de forças no ranking. Pode acontecer de, ainda, as forças pouco usadas no ranking terem as consequências negativas de seu seu pouco uso completamente neutralizadas com o exercício o uso intenso da assinatura pessoal.

Isso ocorre porque um comportamento de excelência num determinado campo, muitas vezes, pode influenciar nossas ações de maneira geral, o que, por sua vez, alimenta a crítica que se faz quando, em desenvolvimento humano, trabalha-se apenas com superação de déficits.

Algo assim me chamou a atenção em uma newsletter que recebo semanalmente (ou quinzenalmente, já não sei), do próprio Via Institute. A interlocutora, cuja narrativa descrevia uma tentativa de "calibragem de forças", partiu em uma missão pessoal que envolveu dias de peregrinação, jejum e oração pela Humanidade, cujo objetivo, além de promover boas energias para nosso povo, era desenvolver ainda mais a sua espiritualidade, uma das forças de sua assinatura. Com isso, esperava também desenvolver suas forças menos utilizadas, como humildade e autocontrole.

Qual não foi sua surpresa ao ver que, mesmo resistindo ao jejum, às duras posições de oração, horas a fio, seu autocontrole diminuiu no ranking. Mas a espiritualidade e a perspectiva subiram na lista, e ficou óbvio que o engajamento nessas forças neutralizou qualquer problema de controle do corpo e da mente que pudesse atrapalhar sua missão.

Engajar-se em projetos que envolvam seus melhores recursos é gratificante, o foco e o empenho são mantidos mais facilmente e com mais prazer, ao passo que exercitar características que não nos são familiares geram estresse, fugas, distrações…

Assim sendo, vale aqui fazer a apologia da excelência: seus melhores recursos ainda podem ser aprimorados. A cultura de excelência pode ser incorporada em todos os aspectos de sua vida sob esse processo. Ainda, você pode descobrir que, para exercer os seus melhores recursos, o que lhe dá muito prazer, é preciso desenvolver aqueles recursos "adormecidos" - e você o fará de forma motivada e feliz!




Lilian Graziano

Diretora dos Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, psicóloga e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) com pós-graduação em Psicoterapia Cognitiva Construtivista. Seu doutorado sobre Psicologia Positiva e Felicidade foi a primeira tese brasileira baseada nessa abordagem. Atua há mais de 20 anos na Educação com foco no desenvolvimento de condutas preventivas para os comportamentos humanos disfuncionais. Possui certificação em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. Treinou e atendeu centenas de funcionários de grandes organizações tais como: Coca-cola, Basf, Bank Boston, Accenture, British Petroleum, Merrill Lynch, Unilever, dentre outras.



ENQUETE

A morte trágica da bancária Lilian Jamberci, vítima do "Dr. Bum Bum", trará à luz uma reflexão sobre o vício da vaidade?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.