DESTAQUES

Sou dependente químico há décadas. Como faço para me libertar disso?

Danilo Baltieri 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Tratamento é longo; requer grande investimento pessoal

por Danilo Baltieri

"Sou viciado em álcool, maconha, cocaína, desirae (mistura de maconha e crack), sofro com dependência química há décadas. Freqüento os grupos de autoajuda (A.A e N.A). Alterno períodos de abstinência com recaídas. Qual seria o procedimento mais adequado para libertar-me da dependência química?"

Resposta: A Síndrome de Dependência de Substâncias Psicoativas é uma doença crônica que exige tratamento adequado e prolongado. Infelizmente, na prática clínica diária, não é incomum que múltiplas substâncias psicoativas estejam envolvidas no processo da dependência em um mesmo indivíduo e isso requererá um grande investimento pessoal por parte do usuário na cessação do consumo de todas elas.

Durante este processo, a participação ativa de familiares e amigos não usuários é de imensurável importância.

Entenda a dependência química

A dependência química é uma doença que modifica o funcionamento de vários sistemas neurais, provocando perda do controle sobre o uso das drogas, uso compulsivo, continuado consumo, apesar das deletérias conseqüências, fissura ou “craving”. Além das alterações provocadas pelo consumo das substâncias psicoativas sobre os neurotransmissores, existem fatores genéticos associados com a maior propensão para o desenvolvimento dessa doença.

Essa doença do cérebro é associada com o uso de múltiplas diferentes drogas, cada uma delas tendo um determinado perfil farmacológico e associação com vias neurais diversas. Devido a isso, métodos de tratamento têm sido continuadamente desenvolvidos para proporcionar os melhores resultados. A associação de duas ou mais formas de tratamento médico e psicossocial parece conferir melhor prognóstico e efetividade.

Formas de tratamento

Existem algumas formas de tratamento para as dependências químicas: tratamento farmacológico, tratamento psicoterapêutico, tratamento em regime de internação, tratamento em regime ambulatorial e grupos de mútua-ajuda (Alcoólicos Anônimos, Narcóticos Anônimos).

Novas medicações têm surgido, baseadas na constatação de alterações neurobiológicas específicas. Modelos de psicoterapia focando na modificação de comportamentos disfuncionais associados com o consumo de substâncias também têm sido aprimorados.

Neste contexto de diferentes formas de tratamento, você deve procurar especialista em dependências químicas, para que ele possa realizar um diagnóstico, propor um tratamento adequado e proporcionar a você a chance de aderir ao mesmo. Naturalmente, o tratamento deverá ser individualizado, averiguando as suas reais necessidades e as características da sua doença.

Contudo, não se esqueça de que o sucesso do tratamento é uma via de mão dupla, ou seja, a proposta terapêutica adequada e baseada em evidências científicas é tão importante quanto a sua motivação real para cessar o consumo das substâncias.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

Você sente dificuldade de sair de um relacionamento abusivo?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.