DESTAQUES

O que se pode aprender com a depressão?

Rosemeire Zago 01/01/2016 PSICOLOGIA
Pessoa deprimida sente necessidade de ficar no silêncio

por Rosemeire Zago

Muitas vezes sentimos uma tristeza profunda e pensamos estar em depressão. Será que qualquer tristeza pode ser considerada uma depressão? Afinal o que significa e será que pode nos ensinar algo?

A depressão é uma alteração do humor na forma de uma tristeza profunda que induz a diminuição da estima por si próprio e muitas vezes a necessidade de autopunição, comprometendo a alegria de viver. Há uma incapacidade em sentir prazer e instala-se uma indiferença em relação a outras pessoas, com o mundo, perdendo a esperança que algo possa melhorar. É como se não houvesse mais um sentido para a vida.

Embora a genética exerça um papel sobre a depressão, ainda se discute se esse é realmente um fator determinante. Com certeza em uma família com histórico de depressão, é maior a probabilidade de outras pessoas apresentarem o mesmo transtorno, que ocorre geralmente em situações específicas em consequência de perdas materiais ou afetivas.

Não podemos negar que a vida é uma sucessão de perdas, mas é a forma pela qual cada um de nós reage que podemos desenvolver ou não um quadro depressivo. Nem sempre a perda se refere a morte ou separação, mas também por um sentimento de decepção em relação aos outros e muitas vezes, em relação a si mesmo. E decepções não nos faltam nas relações humanas em geral. Em qualquer dos casos há uma significativa baixa da autoestima. Nas depressões bipolares, onde se alterna períodos de grande euforia com profunda tristeza também pode haver o aspecto genético.

Os sintomas das pessoas em depressão são facilmente identificáveis (veja abaixo), mas é importante que o diagnóstico seja feito por um profissional de saúde. Entre os sintomas, o apetite geralmente fica reduzido, alguns precisam se forçar a comer, pois não há vontade em se alimentar; outros podem sentir vontade por alimentos específicos, como doces ou carboidratos. Quando as alterações no apetite são severas, pode haver uma diminuição ou aumento de peso significativo.

O sono também é atingido, despertando durante a noite ou muito cedo, com dificuldade para voltar a dormir ou ainda pode ocorrer a dificuldade para adormecer, porém com menor frequência. Sendo assim, há uma diminuição da energia, com queixas de cansaço, mesmo sem esforço físico. Por exemplo, tomar banho e se vestir pela manhã pode se tornar algo exaustivo ou levar o dobro de tempo habitual. Veja os principais sintomas:

Sintomas psíquicos da depressão

- sentimento de tristeza profunda
- desesperança, impotência
- sentimentos de desvalia (de valor) ou culpa
- dificuldade de concentração ou tomada de decisões
- perda do interesse ou prazer por atividades antes prazerosas
- pensamentos recorrentes sobre morte ou suicídio

Sintomas físicos da depressão

- dor de cabeça
- alterações do apetite ou peso e do sono
- constipação intestinal (prisão de ventre) ou diarréia
- náuseas
- sensação de opressão no peito
- sensação de bolo na garganta
- dificuldade de respirar, sensação de falta de ar
- dor no peito
- dores nas costas
- perda ou diminuição do desejo sexual

Identificar os sintomas físicos também é importante, pois algumas pessoas queixam-se de dores físicas, quando na verdade são somatizações de sentimentos não expressos ou identificados. Por isso é tão importante falar sobre as dores até que se esgotem para que assim sejam elaboradas. Quando há dificuldade para enfrentar esse processo sozinho é aconselhável o acompanhamento com um profissional que poderá ajudar a superar esse momento difícil.

O sofrimento em geral nos leva ao aprendizado. Para Jung a depressão é uma maneira do nosso eu verdadeiro se confrontar com a energia reprimida expressa pela depressão. É um convite à introspecção, a entrar no silêncio e no vazio. É como se fosse uma necessidade de se retirar da pressão do dia a dia que a pessoa não está conseguindo lidar, a fim de encontrar tempo para o essencial, a contemplação, e encontrar luz na escuridão. Isso nos explica a necessidade que a pessoa em depressão sente de ficar no silêncio e escuro, pois só assim conseguirá ouvir a si mesma.

Ao entrar em seu próprio mundo e se confrontar com os sentimentos que até o momento estavam sendo reprimidos e negados, poderá haver uma mudança de comportamento e sentimento. É como se sua mente e seu corpo estivessem pedindo, implorando, para que perceba que há algo muito maior que o externo, valorizando mais as conquistas internas e o direito que todos temos de viver uma vida com paz, amor e alegria!




Rosemeire Zago

Psicóloga com abordagem junguiana com especialização em psicossomática. Desenvolve uma abordagem voltada para o autoconhecimento e criança interior.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.