DESTAQUES

Diálogo eficiente exige contexto interpessoal

Redação Vya Estelar 01/01/2016 PSICOLOGIA

por Luís César Ebraico

Temos falado sobre a QUALIDADE de nossos diálogos, em especial sobre o quanto eles promovem ou não a saúde psicológica. Falemos, hoje, sobre os CONTEXTOS em que esses diálogos ocorrem. Para isso, inventemos uma personagem, o Dr. Procópio, provecto e bem sucedido advogado. Aparelhados dele, inventemos também duas cenas.

CENA I

Dr. Procópio entra esbaforido no elevador do prédio onde há anos trabalha, elevador já quase repleto e preste a partir, no qual se trava o seguinte diálogo:

ASCENSORISTA: - Bom dia, Dr. Procópio! Tudo bem com o senhor?
PROCÓPIO (no repleto elevador): - Não! Nada bem! Descobri esta manhã que, há muito tempo, minha mulher está me corneando com o vizinho e que meu filho e todo o prédio em que eu moro sabem disso!

Pareceu bem? Imagino que não. E por quê? Devido ao princípio sustentado pelo seguinte dito popular: "Mal educada é a pessoa a quem se pergunta como ela vai ... E ELA RESPONDE!"

Mas não abandonemos Procópio. Passemos à segunda cena.

CENA II

Nela, o nosso protagonista, nesse mesmo dia, se desloca para uma sessão de análise, com jovem e guapa terapeuta, onde se trava o seguinte diálogo:

TERAPEUTA: - E então, quais são as novidades?
PROCÓPIO (avexado com a possibilidade de que a bela terapeuta, que lhe atrai enquanto mulher, o considere um otário): - Tudo bem! Estou só com um pouco de dor de cabeça... (e mantém-se em silêncio até o fim da sessão).

ANÁLISE

Comparemos as cenas I e II. Tudo errado? Sem dúvida, tudo errado. E por quê? Porque a comunicação eficiente exige, antes de tudo, que saibamos diferençar os CONTEXTOS INTERPESSOAIS em que estamos inseridos. Dr. Procópio não foi capaz de fazer isso: expôs sua vida íntima onde não deveria e encobertou-a onde deveria tê-la exposto. Coisa rara? Nem um pouco! E por quê? Bem, voltaremos sobre isso.

Esta coluna se propõe a relatar experiências sobre o poder da palavra em nossas vidas. Aqui serão relatados dezenas de fragmentos de diálogo - reais ou fictícios - segundo os pontos de vista da Loganálise, mostrando onde e como esses diálogos apresentam elementos favoráveis ou desfavoráveis ao estabelecimento de uma comunicação sadia. *A Loganálise é um filhote da Psicanálise: pretende mostrar como o cidadão comum, em seu dia a dia, pode tirar proveito de conceitos como repressão, fixação, trauma e outros para promover sua própria saúde psicológica e a daqueles com quem se relaciona.




Redação Vya Estelar

Ângelo Medina é editor-chefe do portal Vya Estelar. É jornalista e ghost writer. Com 30 anos de experiência, iniciou sua carreira na cobertura das eleições à Prefeitura de São Paulo em 1988 (Jornal da Cultura). Trabalhou no Caderno 2 - O Estado de São Paulo, Revista Quatro Rodas (Abril). Colaborou em diversas publicações e foi assessor de imprensa no setor público e privado. Concebeu o site Vya Estelar em 1999. É formado em Comunicação Social pela UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.



ENQUETE

Como você vem cultivando suas relações?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.