DESTAQUES

Entenda a diferença entre paixão e amor

Arlete Gavranic 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Um relacionamento necessita de muitos ingredientes para ser bom

por Arlete Gavranic

Relacionamentos afetivos são uma busca sempre presente e significativa na vida das pessoas.

Algumas se envolvem mais, outras resistem até confiar e se entregarem a dizer que gostam, a se dedicarem e se mostrarem inteiras para viver um amor ou relação intensa.

O que estou dizendo com isso é que muitos relacionamentos não são necessariamente um caso de amor. Sei que para muitos isso é absurdo de se pensar, pois vivem à espera de encontrar o amor eterno, aquele que vem ou irá por outras vidas!

Na verdade, um relacionamento necessita de muitos "ingredientes" para ser bom, mas vamos ter que diferenciar primeiro paixão de amor.

Paixão é intensa e impulsiva, palpitante... você idealiza e enxerga o outro perfeito, ideal, com "véu cor de rosa"!

No amor o sentimento é intenso, mas você enxerga qualidades e defeitos, mas mesmo assim tem um afeto intenso que acredita valer a pena.

Mas algumas pessoas viram grandes parceiros, têm afinidades e aprendem a viver muitas coisas juntas com muita satisfação. Se houver uma boa química, o tesão estará presente e poderá ser fonte de satisfação e intimidade, que pode aprofundar a cumplicidade do casal. Se não houver, deveremos entender uma relação de amizade, uma sociedade, uma parceria sem aproximação sexual e, portanto,, sem envolvimento íntimo. Mas há casais que optam por viver essa parceria assexuada. Há risco de traição? Sim, esse existe, mas independe do modelo de relacionamento, temos que entender que só será considerada traição se houver a expectativa de fidelidade, mesmo que assexuada.

O que essas pessoas buscam é a sensação de parceria, de companheirismo, às vezes de proteção, de sentir-se querido, com ou sem sexo!

E você o que está buscando para se relacionar?




Arlete Gavranic

Psicóloga, Mestre em Educação; Educadora e Terapeuta sexual pela Sbrash, Coordenadora e docente dos cursos de Pós-graduação lato sensu em Educação sexual e em Terapia sexual do ISEXP/ Sbrash. Docente dos cursos de pós-graduação em Educação sexual e Terapia sexual da UNISAL e coordenadora do pós de Terapia Sexual da UNISAL.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.