DESTAQUES

Como falar do desligamento de meu último emprego sem me prejudicar?

Roberto Santos 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Decepção com o emprego anterior pode ser abordada como aprendizado

por Roberto Santos

"Sou nutricionista e trabalhei num hospital que não dava condições de trabalho: salário abaixo do piso salarial, e pra piorar, não exercia meu papel de nutricionista, já que o cardápio era escolhido pelo próprio paciente. Resolvi pedir demissão depois de três meses de trabalho e me aventurar nos atendimentos autônomos. Porém, surgiu uma oportunidade muito boa na minha área. O que falar quando me perguntarem o motivo da saída?"

Resposta: Consultas como a sua sempre carregam uma dúvida que vai do técnico e prático ao moral e ético.

O que faz sentido falar sobre motivos de desligamento, sem me prejudicar e, ao mesmo tempo, não mentir sobre o que aconteceu de fato, pelo fato de minhas informações poderem ser checadas por documentos ou referências?

Como você se preocupa com o tipo de resposta que dará sobre sua saída do hospital depois de apenas três meses de trabalho, é por que não acha isso positivo e se arrepende. Outra forma de olhar é que você aprendeu alguma coisa com as decisões tomadas.

Aceitar ofertas de emprego por talvez estar pressionada pelo desemprego e contas a pagar, sem ter pesquisado os aspectos citados, acaba por gerar outro problema. Se isso, se repetir em outros momentos de sua carreira, essa atitude passa a ter um peso negativo no seu histórico profissional. Entretanto, assumindo que isso não aconteceu antes, você pode abordar sua decepção com as condições de trabalho que não corresponderam ao contratado ou esperado por você, e destacar que serviu como aprendizagem para perguntar mais sobre a oportunidade que se apresentar no futuro. Essa abordagem, descaracteriza de forma sutil a "culpa" do seu empregador, chamando a responsabilidade para você e, ao mesmo tempo, lhe dá a oportunidade (e direito) de fazer as perguntas necessárias sobre a nova oportunidade para a qual você estiver sendo considerada.

Boa sorte!




Roberto Santos

Profissional de Recursos Humanos, com mais de 40 anos de atuação no mercado, Roberto teve diversas posições como profissional e executivo de RH em multinacionais de grande porte. É sócio-diretor da Ateliê RH, consultoria com mais de 14 anos de atuação no mercado, e distribuidor Hogan no Brasil. Mais informações: www.atelie-rh.com.br



ENQUETE

Você acredita na lei de causa e efeito ou lei do carma?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.