DESTAQUES

O que faz uma pessoa chorar por qualquer coisa?

Monica Aiub 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Você já teve seu choro mal interpretado?

por Monica Aiub

Uma leitora enviou a pergunta: “Na sua opinião, o que faz uma pessoa ser sentimental, chorar por qualquer coisa?”. Num primeiro momento eu responderia: não sei, depende. Dizem meus alunos e colegas da filosofia clínica que essa é a expressão que mais uso. Talvez por inspiração délfica “sei que nada sei, de tudo quanto sei”, ou por desconfiar de minhas próprias convicções, como é próprio daqueles que se dedicam à filosofia. Num segundo momento... ainda não sei.

Essa é sempre a postura inicial de um filósofo clínico diante de uma pergunta dessa natureza. Primeiro precisamos saber quem é essa pessoa a qual a leitora se refere. Mas isso seria insuficiente, precisaríamos, ainda, conhecer tal pessoa por ela mesma, compreender o significado de chorar em cada situação em que o choro aparecesse em sua história. Talvez, a partir desses dados, pudéssemos saber por quais motivos a pessoa chora, mas, ainda assim, necessitaríamos saber quais os contextos em que chora, pois esses motivos poderiam ser distintos, dependendo de cada contexto.

Choro: possíveis causas

Uma mesma pessoa pode chorar porque está com raiva, com medo, decepcionada, magoada, feliz, e muitas outras formas de emoção. Seu choro pode ser um desabafo, um pedido, uma chantagem, um modo de se expressar. Pode chorar por estar sensibilizada diante de uma situação de sofrimento alheio, pode chorar pelo próprio sofrimento, ou seu choro nada ter a ver com sofrimento.

Alguém pode chorar por ser sensível, por ser insensível, por ser frágil, por ser forte, por ser odiado, por ser amado... há muitos e diferentes motivos para se chorar, e também para não chorar.

Relativismo: o que é extremamente importante para um, pode não ter significado nenhum para outro

Ao afirmar que alguém chora por “qualquer coisa”, o que é “qualquer coisa”? Na clínica filosófica, acompanhamos o histórico de vida da pessoa e, a partir dele, podemos observar como ela vê o mundo, a si mesma, aos outros, o que ela valoriza, o que é importante a ela, como ela se expressa, quais são suas verdades, suas emoções, como se dá sua construção de conhecimento, entre outros tantos aspectos observáveis. É fantástico descobrir como aquilo que para nós é insignificante pode ser uma questão de vida ou morte para o outro; como o que nos toca, nos emociona, nada significa para o outro; como nossas formas de conhecimento são precárias e insuficientes para as necessidades do outro (e às vezes para as nossas), como suas e nossas verdades são questionáveis e mutáveis...

Mais interessante é observar como o choro, muitas vezes, nos desconcerta, nos deixa sem ação. Em outras, nos convence. Pode também nos enraivecer. Há quem se envergonhe por chorar, como quem se orgulhe disso, há também quem se odeie a cada lágrima derramada. Há quem chore pedindo colo e quem o faça pedindo um chacoalhão. Há quem chore pedindo perdão, e aquele que chora desejando um pedido de perdão. Como você lida com o choro alheio? E com seu próprio choro?

Qual o significado de chorar para você?

Imagino que, muito provavelmente você respondeu essas questões de diferentes maneiras. Há situações em que se chora por dor, por desespero, por saudade, por tristeza, por... todos os motivos que preenchermos aqui serão válidos. Para compreendermos o motivo de um choro, precisaríamos contextualizá-lo, mas talvez muito mais que isso, necessitaríamos perguntar a quem chora: por que você chora? Mas talvez não seja o caso de compreender motivos, talvez eles nem existam.

Você já chorou sem motivos, ou sem saber identificar claramente os motivos? Veja, eis mais uma possibilidade: chorar, chorar às vezes desesperadamente, e não saber se há motivos para tal. Não chorar por algo, simplesmente chorar.

Certa vez atendi uma pessoa que chorava muito, logo na primeira consulta – isso ocorre com certa freqüência. Aparentemente, não havia motivos para o choro e não havia um sentido explícito para tal manifestação. Começou a contar sua história e o simples relato do cotidiano era acompanhado de um profundo e sentido choro. Vislumbrei uma tragédia, algo terrível que fizesse essa pessoa chorar, mas nada havia em seu histórico a respeito. A própria pessoa me dizia que sentia vontade de chorar ao contar sua história, mas não sabia, exatamente, o que lhe provocava tal vontade. Ficava constrangida com o excesso de choro, e continuava chorando. Ficava mais constrangida ainda na hora de ir embora, com os olhos inchados de tanto chorar, mas apesar do constrangimento, dos olhos inchados, afirmava estar bem.

Na segunda consulta, a mesma pessoa me disse: já chorei bastante antes de vir pra cá, pra ver se não choro hoje, e ao dizer isso já estava chorando. E assim se passaram as sucessivas consultas. Depois das pesquisas, constatei que o choro era, simplesmente, um dado de expressão que acompanhava seu relato, sem com isso significar alterações significativas em seu estado emocional. Num outro caso, a pessoa chorava, da mesma maneira, mas chorava pelas perdas sucessivas ocorridas em sua vida. Chorava a dor de ter perdido seus amores, seus queridos.

Você já teve seu choro mal interpretado? Chorou, então é culpado! Chorou pra me chantagear. Chorou porque é um fraco. Chora por que não tem estrutura... e muitos outros comentários. Lembra como se sentiu nessas situações?

Talvez esse seja um bom motivo para você não interpretar o choro alheio, e sim permitir-se acolher, acompanhar e compreender aquele que chora. Ouvir o que seu choro lhe diz, ao invés de lhe atribuir significados que talvez não lhe caibam.




Monica Aiub

Filósofa Clínica. Doutora em Filosofia (PUC-SP). Dirige o Interseção - Instituto de Filosofia Clínica de São Paulo, sendo responsável pela formação dos filósofos clínicos na região. Editora: atua na Editora FiloCzar. Autora de vários livros e artigos sobre filosofia. www.institutointersecao.com.br



ENQUETE

Quem não tem cão caça com o “ex”, que está receptivo. Você concorda?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.