DESTAQUES

Caminho para o autoconhecimento é conhecer o cérebro

Redação Vya Estelar 01/01/2016 AUTOCONHECIMENTO

por Ana Beatriz B. Silva

Até bem pouco tempo o estudo do cérebro era conduzido tal qual uma seita religiosa onde seus membros mantinham seus conhecimentos hermeticamente fechados aos não privilegiados que formavam, por assim dizer, os "não-iniciados". Estes, por sua vez passaram a ver o cérebro e suas funções como algo difícil, quase místico e, por isso mesmo, reservado a uma elite vista de forma burocrática, uma vez que a terminologia utilizada pela neurociência para descrever o cérebro e suas funções mostrava-se ainda bastante confusa ao público em geral.

Isto acabou por criar um distanciamento das pessoas sobre como funcionam seus cérebros. E a ausência deste conhecimento pode ser muito desastrosa para o homem como espécie ou mesmo como indivíduo em busca de sua felicidade. Só existe caminhada, se há caminho, desta forma cada um de nós só podemos atingir nossos objetivos essenciais para uma existência harmonicamente produtiva, se tivermos claro qual é o nosso caminho, ou seja, nosso autocaminhar, nosso autoconhecimento.

Para chegarmos ao autoconhecimento é fundamental sabermos como nosso cérebro realmente funciona, como ele transforma reações químicas em funções mentais como felicidade, lembrança, tristeza e/ou medo. E não podemos esquecer que, em última instância, as funções cerebrais geram a energia mental de cada um de nós, que acaba por determinar nosso modo subjetivo e singular ao reagirmos aos conhecimentos da vida e interagirmos com o mundo. Na realidade, isto é nossa personalidade, e em última instância nós somos nossa personalidade.

Desta forma podemos definir a ciência do comportamento como sendo a ciência que estuda o funcionamento cerebral e seus efeitos nas ações e reações cotidianas dos indivíduos. Sendo assim, este conhecimento pode proporcionar a nós um melhor domínio sobre quem somos e uma previsão sobre como podemos desempenhar um papel ativo na construção de nossas vidas, libertando-nos da ignorância servil que, muitas vezes, nos faz dependentes de falsas curas milagrosas.

Como não existe um cérebro igual a outro e nenhum deles é perfeito, torna-se responsabilidade nossa sabermos o máximo a nosso respeito e de que forma nossa mente confere a cada um de nós, uma maneira única e singular de ver a realidade que nos cerca.

A medicina do comportamento utiliza na sua prática clínica os conhecimentos da ciência do comportamento e acreditamos que os pacientes necessitam de uma quantidade razoável desses conhecimentos, pois eles são os únicos que podem descrever como vivenciam o mundo e como estas vivências podem lhes causar transtornos em suas vidas.

Desta forma a ciência do comportamento reafirma a consagrada sabedoria de que o segredo do sucesso na vida está em conhecer-se a si mesmo, verdade confirmada nos fundamentos da psicologia, da filosofia e da religião.

Um fato é inegável: vivemos um momento histórico em relação às descobertas sobre o cérebro e suas funções. O mínimo que podemos e devemos fazer é nos informar sobre como nossos cérebros fazem e produzem nossas mais diversas emoções e comportamentos. Este conhecimento nos propicia a possibilidade responsável de vivermos nossas vidas, maximizando nossas virtudes e minimizando nossas limitações.




Redação Vya Estelar

Ângelo Medina é editor-chefe do portal Vya Estelar. É jornalista e ghost writer. Com 30 anos de experiência, iniciou sua carreira na cobertura das eleições à Prefeitura de São Paulo em 1988 (Jornal da Cultura). Trabalhou no Caderno 2 - O Estado de São Paulo, Revista Quatro Rodas (Abril). Colaborou em diversas publicações e foi assessor de imprensa no setor público e privado. Concebeu o site Vya Estelar em 1999. É formado em Comunicação Social pela UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.