DESTAQUES

Mulheres aderem cada vez mais à mototerapia

Redação Vya Estelar 01/01/2016 COMPORTAMENTO

por Valéria Meirelles

Esta época de férias é o momento de descansar e aproveitar ao máximo o verão, curtindo uma viagem, uma praia, a família, e também colocando em prática outros hobbies. E é justamente por causa dessa última opção que inicio aqui uma série de três artigos, todos sobre uma grande paixão minha. Paixão essa que sempre fez parte da vida de muitos homens e que, mais recentemente, da vida de um número significativo de mulheres: a motocicleta ou simplesmente moto, como carinhosamente a chamamos.

Antes de discorrer sobre os benefícios da moto e sobre o aumento da qualidade de vida que ela é capaz de proporcionar, seguiremos por uma breve retrospectiva histórica.

Ainda que as datas de sua criação variem, sabe-se que no século XIX, em 1868, surgiu a primeira moto, criação do engenheiro alemão Gotlieb Daimler, tido como o 'pai do motociclismo'. Outros dois alemães, Heinrich Hildebrand e Alois Wolfmüller aperfeiçoaram o modelo original e o batizaram de "Roda Motorizada", nome precursor da motocyclette.

Com a Revolução Industrial e os avanços constantes da engenharia, que aperfeiçoava motores e pneus, as fábricas de moto se expandiram para vários países da Europa, como França, Itália e Inglaterra, país onde a motocicleta ganhou tantos adeptos a ponto de em 1897 ser realizada a primeira corrida de moto, a "Motorcycle Scrambles", que se tornaria uma tradição.

Em 1903 surgiu nos Estados Unidos a marca que se tornaria um mito no universo motociclístico: Harley Davidson. Essas motos fabricadas para o exército americano, tiveram tanta aceitação que, após a Segunda Guerra Mundial, muitos soldados continuaram a utilizá-la, e como ainda usavam seus coletes com os brasões derivados das forças armadas, acabaram dando origem aos motoclubes.

Através das Harleys, o estilo "estradeiro" ou motociclismo de estrada - voltado ao conforto ergonômico para grandes distâncias - conquistou o mercado e não parou de crescer.

Muitos filmes de Hollywood inseriram as motos e os motociclistas em suas histórias e o clássico Easy Rider virou "cult" e referência. Tanto que a expressão "easy rider" se tornou parte do vocabulário motociclístico.

Os japoneses, também no pós-guerra, aperfeiçoaram e criaram novos modelos e marcas: Honda, Suzuki, Yamaha, entre outras, que disputam até os dias atuais uma acirrada batalha pelo gosto do consumidor, juntamente com outras marcas importantes como a alemã BMW, a italiana Ducatti e a inglesa Triumph.

No Brasil, o motociclismo ganhou força e adeptos a partir de 1972. No ano anterior, a Honda, prevendo que o mercado brasileiro se mostraria promissor, montou sua fábrica em Manaus. E acertou, pois atualmente estamos entre os três maiores mercados do mundo.

As motocicletas, desde as mais simples, de baixa cilindrada, até as mais sofisticadas, estão em vários lugares: com os motoboys nas grandes cidades; como utilitários nas pequenas cidades; em competições esportivas (motovelocidade, MotoCross, enduro, rally etc.); como transporte substituindo o carro; nas estradas, onde circulam muitas das motos principalmente as "estradeiras".

Porém, o espírito de aventura e de desafio que a moto proporciona nem sempre agrada, tanto que há motociclistas ainda vistos como transgressores ou "ovelhas negras" - uma grande injustiça.

Para a utilização de moto, são necessárias roupas mais específicas por causa da segurança, como couro, *balaclavas, botas, calças e casacos especiais com reforços para proteger ombros, pernas e joelhos. E nessas ocasiões, os motociclistas podem causar estranheza para quem não conhece as utilidades da indumentária, por isso ocorre certa discriminação. Sobre detalhes de indumentária e regras de segurança, escreverei um artigo especial.

Certa vez me perguntaram de onde vem tanto interesse do homem pela velocidade e pela moto. Desde os primórdios da humanidade, ainda nas cavernas, o homem precisava se movimentar e enfrentar desafios para sobreviver. Caçava, pescava, locomovia-se o tempo todo. Esse legado de sobrevivência é o que, em toda a história das civilizações, faz com que o homem sempre busque desafios, ora intrigado, ora insatisfeito com sua realidade.

Com o passar do tempo esses desafios foram mudando e se adaptando às novas tecnologias e contextos de vida. A moto faz parte desse universo, assim como uma série de outras atividades e esportes nos quais os limites são testados.

Esse encontro do homem consigo mesmo e com o seu próprio potencial confirma a ele não apenas o lugar de sua existência, mas também suas origens, e esse é um processo muito importante para o seu desenvolvimento biopsicossocial.

*Balaclavas: protetores de lã ou malha, para a cabeça e o rosto, deixando de fora apenas os olhos




Redação Vya Estelar

Ângelo Medina é editor-chefe do portal Vya Estelar. É jornalista e ghost writer. Com 30 anos de experiência, iniciou sua carreira na cobertura das eleições à Prefeitura de São Paulo em 1988 (Jornal da Cultura). Trabalhou no Caderno 2 - O Estado de São Paulo, Revista Quatro Rodas (Abril). Colaborou em diversas publicações e foi assessor de imprensa no setor público e privado. Concebeu o site Vya Estelar em 1999. É formado em Comunicação Social pela UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.