DESTAQUES

Temer a vida é importante e não a morte; entenda por quê

Lilian Graziano 01/01/2016 PSICOLOGIA
Felicidade não está somente na realização de conquistas

por Lilian Graziano

Arrepios e tristeza são reações comuns diante do assunto morte. É a negação irracional, mas biologicamente justificável, de algo que não se evita, mas eis a única certeza que temos, enquanto a Ciência não decola na descoberta de um elixir da eterna juventude: vamos amadurecer, envelhecer e morrer.

Enquanto lê este enunciado, você deve estar se perguntando por que um espaço destinado à Psicologia Positiva traz à tona um assunto que, para muitos, é tão baixo-astral e de difícil digestão?

Já que, por enquanto, trata-se de uma etapa irreversível de nossa vida - temê-la pode apenas garantir nossa sobrevivência em determinadas situações, mas não a descarta - é preciso encará-la de maneira mais positiva, natural. Isso para que a vida seja mais bem-vivida, que não se evitem alguns riscos necessários à nossa felicidade, nem sejam trocados momentos de aflição pela morte inevitável por reflexões que impulsionam e melhoram a VIDA. Daí isso ser tema nesta coluna.

Para entender a importância de mudar a forma de encarar a morte, em uma folha de papel, construa uma linha do tempo. Coloque seu nascimento, suas realizações passadas (os momentos mais importantes) e aquilo que deseja realizar nos próximos 5, 10 e 15 anos em pontos específicos dessa linha. Rasgue essa folha aleatoriamente. Que sonhos essa ruptura impossibilitou? Que realizações existiram antes desse "rasgo"que, muito obviamente, o leitor atento já percebeu se tratar da representação de uma morte abrupta? Onde isso vai levá-lo, além de arrepios, esconjuros e batidas na madeira?

A intenção é verificar se vivemos esperando por realizações e felicidade. Muitas vezes acreditamos que isso estará sempre na próxima conquista, que será sempre mais gratificante que a anterior e, assim, erroneamente, construímos nosso projeto de ser feliz, paradoxalmente temendo algo que simplesmente desconsideramos nesse processo: a nossa finitude.

Autorrealização: desfrute a felicidade em cada processo

A mudança já começa na decisão de desfrutar a felicidade em cada processo, e não a cada realização. Isso se dá com escolhas acertadas com nossa essência, com muito autoconhecimento. E, sabe aquele monte de projetos que você colocou no final de sua linha do tempo, e que ficou na parte descartada do papel? Então, agindo assim, talvez você nem precisasse deles pra se sentir realizado(a) e feliz.

Além disso, nas pequenas ações, alguns comportamentos são tão autodestrutivos que esse medo da morte perde sentido. Observe o quanto, mesmo temendo tanto a dona morte, muitos de nós fazemos de tudo para aproximá-la com nosso sedentarismo, nossos vícios e com pequenos impulsos devastadores.

Para evitá-los (e evitar a morte como diretriz de vida), devemos voltar nossa atenção e disciplina ao uso dos recursos que podem prolongar, com qualidade, nossa existência nesta dimensão física. São eles: alimentação saudável, atividades físicas, hábitos moderados, lazer em dia e uma ampla rede social (amigos, família, comunidade). Perceba como isso ajudou às últimas gerações a serem mais longevas. E aos idosos a terem uma vida praticamente livre de certas limitações, até então bastante comuns na velhice.

Mais do que chegar à conclusão de que a vida é feita de momentos, que devem ser vividos intensamente como se fossem os últimos (atenção, pois isto também pode se tornar um comportamento autodestrutivo), você perceberá a importância de temer a VIDA (e não a morte), não com uma atitude paralisante, mas tornando-a tão preciosa, dando-lhe tanto valor, que será impossível não viver da melhor forma possível. De maneira que, num "Juízo Final", a finitude iminente o(a) leve apenas a perceber que teve uma vida cheia de significado, realizações, felicidade e da plenitude necessária para a "Partida".




Lilian Graziano

Diretora dos Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, psicóloga e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) com pós-graduação em Psicoterapia Cognitiva Construtivista. Seu doutorado sobre Psicologia Positiva e Felicidade foi a primeira tese brasileira baseada nessa abordagem. Atua há mais de 20 anos na Educação com foco no desenvolvimento de condutas preventivas para os comportamentos humanos disfuncionais. Possui certificação em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. Treinou e atendeu centenas de funcionários de grandes organizações tais como: Coca-cola, Basf, Bank Boston, Accenture, British Petroleum, Merrill Lynch, Unilever, dentre outras.



ENQUETE

A morte trágica da bancária Lilian Jamberci, vítima do "Dr. Bum Bum", trará à luz uma reflexão sobre o vício da vaidade?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.