DESTAQUES

Como falar de dinheiro sem ser chata e sem parecer cobrança?

Anette Lewin 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Homem e mulher têm visões diferentes sobre o que é necessário

por Anette Lewin

Meu noivo não é pão-duro. Nós dois trabalhamos e sempre que saímos eu pago minhas coisas e ele as dele. O cara nunca me pagou um cinema. Eu saio, se compro algo pra mim, compro pra ele. Ele sai, compra as coisas dele e nunca se lembra de mim. Viajou pra São Paulo início do ano, fui no aeroporto, cedi minhas milhagens pra ele pagar menos, depois fui buscá-lo na volta; emprestei meu cartão pra ele comprar as passagens e dá pra acreditar que o cara comprou mil coisas pra ele e não me trouxe um chaveiro? Ele mora só e eu passo os finais de semana lá. Às vezes, quando vou, sempre gasto 50, 80, 100 reais de mercado. Se a gente sair, ele não me paga nem um lanche, a conta é toda dividida. Isso inclui motel, etc.

Mas pra mim o crucial mesmo está sendo o enxoval. Estou comprando tudo sozinha, ele ficou só na promessa. Também não cobrei. O vi sair, comprar videogame de 2 mil reais, celular de 500, roupas e mais roupas, óculos escuros, mas pra nossa casa ele nunca pode. Ele literalmente se acomodou na situação. Eu disse: "Olha bem, comprei nossa geladeira e nosso fogão" e ele "Ahh massa", mas não diz: "O que está faltando? Você precisa de ajuda?" E é complicado sabe, porque eu sou dedicada, atenciosa, estou sempre me preocupando com minhas coisas e com as dele. Sempre elogio, deixo cartinhas escondidas nos bolsos com frases de amor, mas nunca recebo nada em troca. Parece que estou levando o relacionamento nas costas sozinha.

São 8 anos de relacionamento e em outros aspectos a coisa funciona. S ó que isso 'tá' desgastando sabe, porque eu tive que arrumar outro emprego e agora tenho jornada dupla pra conseguir pagar as coisas. Ele 'tá' vendo tudo isso e é incapaz de oferecer apoio. Não sei como agir, não sei como chegar até ele e conversar porque ele adora drama, vai dizer que eu estou cobrando, que eu sou chata... Sinceramente não sei como dar um toque nele, sem virar um 'monstro'.

Resposta: A percepção de homens e mulheres sobre o que é "necessário" , materialmente falando, é muito diferente! Cada um percebe como necessário aquilo com o que se ocupa. Em geral, coisas de casa são mais importantes para mulheres do que para homens. E mesmo aqueles que moram sozinhos, muitas vezes ao montar suas casas pedem ajuda a uma mulher, seja mãe, tia, namorada, etc.

Meninas, até os dias de hoje, brincam de casinha e boneca, quando pequenas; meninos de carrinho. Portanto, fica difícil fazer um homem se encantar com um jogo de roupa de cama, por mais maravilhoso que ele seja, pois provavelmente ele nunca prestou muita atenção no que veste a cama em que ele dorme... Talvez, se você entender esse universo da preparação para o casamento como um universo mais seu do que dele, possa sofrer menos e aproveitar mais essa fase do enxoval.

Quanto ao dinheiro que você investe em coisas para os dois e até coisas para ele.... tente entender que você está criando uma situação de conforto para ele por sua propria iniciativa.

Será que você tem medo de perdê-lo e, de certa forma, acha que acostumando-o com as coisas boas e fáceis garante a permanência dele ao seu lado?

Será que você está dando ao casamento um valor maior do que a você mesma a ponto de se matar de trabalhar por ele?

Ou será que você está gostando de brincar de casinha, mas queria que ele brincasse com você?

Bem, esses pontos devem ser revistos e, se necessário, servirem de apoio para que você mude de comportamento ao invés de ficar com medo de dar um toque nele e ele virar monstro! Se você for menos generosa e tentar investir no casamento uma quantia previamente combinada entre os dois, fica mais fácil cobrar.

Talvez, aí o casamento demore mais para acontecer, pois os homens muitas vezes usam o argumento de não ter casa pronta para adiá-lo... Por outro lado, se você o acostumou desse jeito e quiser mudar, faça-o aos poucos para evitar brigas; invista tambem em coisas pessoais para não se sentir explorada e, sobretudo, entenda e respeite diferenças, pois elas estarão presentes o tempo todo na relação de vocês.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. A psicóloga Anette Lewin responderá sobre relacionamento amoroso, conflitos na vida a dois e conjugal. Esta resposta possui dois formatos: 1º formato: responder as perguntas enviadas pelos leitores. 2º) formato: de A a Z, explicar através de uma palavra em específico (verbete) o significado do que sentimos ao amar. Esta palavra será extraída de um e-mail enviado pelo leitor a esta coluna. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Anette Lewin

É psicóloga graduada pela PUC/SP. É psicoterapeuta de adultos e adolescentes em consultório particular desde 1975 até a presente data. É coach em saúde mental.



ENQUETE

Como você vem cultivando suas relações?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.