DESTAQUES

Mensagem de 'O Segredo' é correta, mas é difícil aplicá-la

Roberto Goldkorn 01/01/2016 AUTOCONHECIMENTO
Lei da Atração funciona naturalmente como uma Lei da Física

por Roberto Goldkorn

Um filme está fazendo um enorme sucesso e já mereceu capa de uma importante revista semanal brasileira. Chama-se O Segredo. A versão em livro acaba de ser lançada no Brasil. Mas o que está por trás desse segredo de sucesso tão estrondoso?

Para quem não assistiu ainda, trata-se de um documentário com depoimentos de “gurus” da prosperidade dos EUA. Todos afirmam em depoimentos enfáticos que o segredo do sucesso, tanto financeiro, quanto no amor, é o uso consistente da Lei da Atração.

A Lei da Atração funciona naturalmente como uma Lei da Física. Por exemplo, uma pessoa que vive falando em doenças, acaba atraindo doenças ainda que causadas por programas emocionais, as famosas doenças psicossomáticas. Atraimos aquilo que as nossas emoções, pensamentos, e açoes focam, e muitas vezes atraimos pessoas ou conteúdos que estão formados no nosso inconsciente. Mas como saber o que está no nosso inconsciente? Simples, pelos resultados concretos de nossa vida. O que atraimos sistematicamente? O que sonhamos? Quais as situaçoes que se repetem na nossa vida? Isso é atraido por programas inconscientes. O famoso "diga-me com quem andas...", é a mais pura expressão dessa Lei de Atração.

Com exemplos muitas vezes pessoais, ilustrados com pequenos esquetes, eles afirmam que nós temos exatamente aquilo que desejamos - consciente ou inconscientemente. Você está pobre, só, doente, amargurado? Isso se deve ao que sintonizou com seus pensamentos e emoções. A mensagem é clara, seus programas mentais acabam plasmando seus gestos, comportamentos, e até o seu discurso. Estes vão por sua vez reforçar os programas sejam eles positivos ou negativos.

A revista semanal como era de se esperar fez uma critica contundente. Sua crítica principal foi: Será que é tão simples assim? Deseje e as riquezas do céu cairão sobre você?

Não, não é tão simplista assim. Como se dizia antigamente, na prática o buraco é mais embaixo. Mas a mensagem do filme está 100% correta. Péra aí não está havendo alguma contradição aí?

Se a coisa não é assim tão simples, como é que os gurus do dinheiro podem estar certíssimos? Eles estão certos porque há riquezas infinitas no universo esperando por serem conquistadas.

O fato de pessoas nascidas pobres terem chegado ao pico da fortuna, da fama, e do poder, é um exemplo disso. Nada tem a ver com beleza física, embora essa possa eventualmente ajudar um pouquinho. Nada tem a ver com educação superior, conheço grandes empresários que têm apenas o segundo grau, e o Lula apenas confirma isso.

Mas então por que muito mais gente não alcança esses pináculos da realização material e amorosa?

Primeiro: porque ou não querem ou foram convencidas de que isso é inalcançável para elas. Assim seus comportamentos, suas escolhas, seus textos repetidos exaustivamente vão reforçar essas crenças deterministas de sua pobreza ou de sua vida mediana.

Segundo: que para muitos conquistar zonas de conforto, como um cargo público, ou um trabalho que ofereça uma ilusão de estabilidade já é o máximo, para elas já deu.

Terceiro: essas pessoas não se acham merecedoras, enquanto alimentam fantasias de que ser rico é muito ruim, que os ricos vivem sempre aperreados, e são basicamente infelizes.

Uma música antiga (que infelizmente eu cansei de cantar) dizia o seguinte: “Chora doutor, chora, eu sei que o medo de ficar pobre lhe apavora. O Sr. tem palacete pra morar, eu só tenho uma cabana e um amor, ô, ô ,ô.” E vai por aí, cantando o glamour da pobreza e as desventuras da riqueza.

As pessoas muito ricas, chegaram lá através de dois programas opostos, mas que convergem totalmente. O programa dos pobres é a ignorância de suas limitações. Alguém se esqueceu de dizer a eles (e se disse, eles não ouviram ou não entenderam) que eles eram pobres e que só poderiam chegar até no máximo o terceiro degrau da escada. É mais ou menos como a história do besouro, que os cientistas examinaram detidamente e chagaram à conclusão de que a sua aerodinâmica tornaria o seu vôo impossível. Só se esqueceram de avisá-lo. E, portanto ele voa.

Essas pessoas ignoram a sua limitada condição e simplesmente vão em frente. Só depois de chegarem lá no alto, eles se espantam com a altura, mas aí já era. As outras já nasceram em berço de ouro, e sempre foram alimentadas com palavras de confiança, e liderança. Íntimos do poder desde cedo, não conhecem outra forma de estar na vida.

Entre meus clientes e amigos tenho exemplares dessas duas espécies. Em ambos os casos suas mentes estão focadas de forma inabalável como um raio laser, no sucesso, e não há sequer um mínimo espaço para a dúvida ou hesitação. Mas por que o buraco é mais embaixo? Porque milhões de seres aceitaram a programação da pobreza, e outros tantos abrigam a dúvida, as teorias sociais, as filosofias “novelo de lã”, e as crenças religiosas que incitam a ojeriza à riqueza. Heranças familiares de condicionamentos limitadores, de evitação ao risco, e estímulo a busca desesperada de zonas de conforto, são doenças MUITO difíceis de erradicação.

Aos 23 anos li um livro chamado Curso de Magnetismo Pessoal, que dizia praticamente a mesma coisa que O Segredo, porém sem a ênfase na riqueza material. Li fiquei fascinado e decidi colocar em pratica aquelas lições para me tornar um líder vitorioso e atrair tudo que desejava. Não consegui. A força dos meus condicionamentos “pobres”, de baixa-estima, cheios de complexos de inferioridade plantados cuidadosamente por meu pai ao longo de muitos anos, venceu, ou prevaleceu até recentemente.

O que vem para a sua vida é sim em grande parte atraído por seus pensamentos ou emoções, e é claro por programas espirituais herdados (com os quais você casou na vida passada). Mas estou convicto de que isso pode ser mudado. Não é fácil, não é tão simples como os gurus afirmam (até por uma questão de estratégia), mas é possível sim.

Muitas vezes é preciso “morrer” em parte, renunciar a personalidades viciadas na perda, na solidão, ou na pobreza, o que é claro que não se faz assim com o estalar dos dedos. Mas que isso fique aqui entre nós, que seja o nosso segredo.
 




Roberto Goldkorn

É escritor e autor dos seguintes livros: "Feng Shui para Brasileiros - A Medicina da Habitação", "Feng Shui - Energia e Prosperidade no Trabalho", "Feng Shui Para Brasileiros - A Cozinha" - todos pela Editora Campus. "Não Te Devo Nada" e "Solidão Nunca Mais" ambos pela Bertrand Brasil.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.