DESTAQUES

Prazer de se exibir nos afasta da meta saudável do trabalho

Flávio Gikovate 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Vaidade desvirtua a verdadeira meta do trabalho

por Flávio Gikovate

"A questão do trabalho como meio de sobrevivência fica cada vez mais submersa nesse emaranhado racional e absurdo. O conceito do trabalho como atividade intrigante e estimulante, como busca de aprimoramentos intrínsecos se apaga"

No artigo anterior, expliquei por que o carro é o bem que mais tem poder de satisfazer a vaidade - veja aqui.

Isso mostra como a produção deixa de ser apenas a de bens necessários à boa qualidade de vida, mas como essa se dirige para produtos que chamam a atenção sobre os privilegiados que a eles tiveram acesso.

Assim, a natural tendência para certas desigualdades sociais que favorece os mais privilegiados se agrava: algumas pessoas têm de sobra e para a maioria vai faltar o indispensável.

A competitividade se torna máxima e gira em torno de objetos não essenciais, ou seja, dispensáveis à existência, como joias, roupas caras, carros de luxo...

O bom senso se perde cada vez mais e a ânsia de notoriedade e de usufruto do prazer exibicionista ultrapassa todo tipo de reflexão lógica.

A inquietação dos vencedores cresce cada vez mais, pois nada os sacia na busca de novos destaques. A inquietação dos perdedores também é crescente, pois a inveja não lhes dá sossego.

A questão do trabalho como meio de sobrevivência fica cada vez mais submersa nesse emaranhado racional e absurdo. O conceito do trabalho como atividade intrigante e estimulante, como busca de aprimoramentos intrínsecos se apaga. Dessa forma, o que se faz não leva em conta o sentido saudável inerente ao trabalho, o que interessa é apenas a recompensa material transformada em prazer exibicionista.

 




Flávio Gikovate

É médico psiquiatra formado pela USP em 1966. Foi assistente clínico do Institute of Psychiatry na London University. Em 45 anos de carreira já atendeu mais de oito mil pacientes. É escritor e palestrante. Assim como Erich Fromm, Carl Rogers e Erik Erickson, psicoterapeutas e escritores contemporâneos, dos anos 50 e 60, Gikovate tem tido sucesso em escrever textos sérios em linguagem coloquial. Seus livros já ultrapassam o milhão de exemplares vendidos. RIP.



ENQUETE

Você acredita na lei de causa e efeito ou lei do carma?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.