DESTAQUES

O que fazer quando o outro termina, mas pede um tempo?

Anette Lewin 01/01/2016 COMPORTAMENTO
O que fazer quando o outro termina, mas pede um tempo?
Fonte: Imagem - Pixabay
A melhor forma de agir, é não agir e ter paciência.

por Anette Lewin

"Meu namorado me deixou porque disse que eu o prendia demais."
Eu sei que posso mudar e quero mudar esse tipo de atitude em mim. O que devo fazer para reconquistá-lo?

Resposta: Talvez o melhor que você tenha a fazer agora é simplesmente ...não fazer! Você já parou para pensar que pode ser exatamente essa sua aflição em fazer coisas que atrapalha o relacionamento? Ouça o que seu namorado diz: ele quer se sentir mais livre. Qualquer coisa que você fizer pode ser entendida como uma nova tentativa de prendê-lo. Então aguarde. Pelo menos por um tempo, simplesmente não faça. Se ele sentir sua falta certamente vai te procurar. Caso contrário, depois de algum tempo, olhe para dentro de você e tente entender o que restou do relacionamento. Se concluir que vale a pena, arrisque procurá-lo e veja no que dá.

Minha namorada de seis anos terminou nosso namoro há três meses
Desde então, tento reatar, faço de tudo, mas ela diz que não me quer agora, pois está muito bem sozinha. Ela me pediu um tempo

Resposta: Você pode tirar algumas lições importantes de todo esse conflito. A primeira delas é que, em relacionamento, se puxarmos muito a corda ela arrebenta...

Quando o outro pede um tempo,  Pode-se até tentar ficar por perto, mas sem insistir. Sua namorada é clara em te dizer que ela precisa de mais liberdade e, nesse momento, insistir significa tirar a liberdade dela de reavaliar a situação. Não adianta prometer que vai mudar. Você tem que agir diferente, e agir diferente nesse momento significa saber esperar, ter paciência, entender as necessidades dela de aproveitar a liberdade da qual ela se sentiu privada durante o namoro. Esteja por perto, mas não insista. Aguarde algum sinal mais concreto para a reaproximação.

Namorei seis anos uma pessoa e até então era uma relação superlegal, ele foi embora e ficou fora do país e terminamos
Agora ele voltou e não sei se vale a pena voltarmos...

Resposta: Esse "estranhamento" que vocês estão sentindo um pelo outro, não deve ser entendido como sinal de interesse ou desinteresse. Afinal, como você mesma diz, cada um viveu suas experiências e está tentando incorporá-las, entendê-las melhor. A única forma de vocês saberem se ainda querem ficar juntos é estando juntos na prática. Esse momento não é o melhor pra tomar decisões radicais. Espere a poeira baixar. Saiam, conversem, troquem as vivências e experiências que tiveram. Enfim, deixem o sentimento de estranhamento passar para ver qual o sentimento que aparece no lugar dele. Aí sim, fica mais fácil tomar uma decisão.

Atenção!
As respostas do profissional desta coluna não substituem uma consulta ou acompanhamento de um profissional de psicologia e não se caracterizam como sendo um atendimento.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. A psicóloga Anette Lewin responderá sobre relacionamento amoroso, conflitos na vida a dois e conjugal. Esta resposta possui dois formatos: 1º formato: responder as perguntas enviadas pelos leitores. 2º) formato: de A a Z, explicar através de uma palavra em específico (verbete) o significado do que sentimos ao amar. Esta palavra será extraída de um e-mail enviado pelo leitor a esta coluna. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



Anette Lewin

É psicóloga graduada pela PUC/SP. É psicoterapeuta de adultos e adolescentes em consultório particular desde 1975 até a presente data. É coach em saúde mental.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.