DESTAQUES

Entenda e enfrente a separação

Rosemeire Zago 01/01/2016 COMPORTAMENTO

por Rosemeire Zago

Quem está passando por uma separação sente mais dificuldade em realizar as tarefas mais simples, como se não tivesse mais energia para nada.

Nesse momento nos sentimos tão sem valor, que não encontramos forças para fazer algo por nós mesmas ou ainda, não acreditamos sermos merecedoras de nada que possa fazer nos sentir bem, como se houvesse uma culpa oculta gerada pela própria situação.

Há uma mistura de sentimentos: culpa, abandono, mágoa, raiva, medo, rancor, tristeza, frustração, impotência, dor, solidão... Mas apesar da perda, dos erros e feridas, podemos e devemos, fazer algo para que consigamos suportar esse momento tão cruel e que parece não ter fim.

Separar-se de quem se ama não é uma tarefa das mais fáceis. É um momento de muita dor, como se tivesse atingido a nossa própria alma, que agora sangra de tal forma, que parece não se cicatrizar nunca. As emoções ficam mais expostas e a razão parece sequer existir. Ficamos totalmente sem defesa e proteção. E o que mais nos pedem é que sejamos racionais. Como, quando tudo é sentido com tanta intensidade, que parece não existir espaço para a razão?

Quando a decisão pela separação é tomada pelos dois, que concordam ser esse o melhor caminho, por não haver mais amor, respeito, amizade, objetivos em comum, já é difícil, por todo o processo em si que envolve esse momento. Mas existem casos que a separação acontece quando um, ou muitas vezes, os dois, ainda se amam, mas determinada situação os "forçam" a se separar. Ou ainda, há pessoas que são literalmente abandonadas, sem sequer ter participado da decisão ou sabem os reais fatores que levaram o outro a ir embora.

Quando existe amor, a separação machuca demais os envolvidos, não atingindo apenas quem já não sente mais amor, ou quem já está com outra pessoa em seu coração. Para quem ainda ama, requer muito esforço para voltar a sentir prazer pela vida. Afinal... que vida... se sentimos que quem foi levou um pedaço de nós? Dizem que o tempo é o melhor remédio, mas o tempo parece se intensificar e prolongar ainda mais o que tanto dói.

Hoje, sequer existem amigos para dividir esse momento, e muitas vezes, não há família. Ou seja, não há ninguém com quem dividir a tristeza, a saudade, com quem falar das dúvidas e perguntas sem fim. Não há quem suporte ao nosso lado e preencha esse vazio tão intenso deixado por quem se foi e por tudo que se acreditou. É exatamente isso que dá a sensação de vazio, os planos feitos, os sonhos que jamais serão realizados, ao menos com quem se acreditou que seriam. Tudo isso acabou! Acabou o "nós" e é preciso de novo voltar a dizer "eu", não há mais a "nossa" casa, e sim, a "minha". Não há mais as ligações diárias, os jantares a dois, os momentos de prazer, as preocupações divididas, tudo agora terá que ser feito só, mas é preciso lembrar que também não há mais sofrimento.

A certeza de ter alguém que nos espere, que se preocupe, que nos ame, nos dá muitas vezes a segurança para continuar mais um dia e que, de repente, não temos mais. Ficamos inseguros, frágeis, sensíveis, e apenas com uma certeza: não somos amados como esperávamos ser. E isso acaba por se refletir em todas as outras áreas de nossa vida, comprometendo nossa concentração, criatividade, o trabalho e até a própria saúde.

A tendência nesse momento é lembrar apenas de tudo que havia de bom, dos momentos de alegria, mas será que era mesmo assim? Se fosse, haveria a separação? É preciso analisar todo o relacionamento para identificar o que era desejo, idealização e o que era realidade. A outra pessoa estava correspondendo aquilo que você esperava dela? Será que nos últimos meses, ou quem sabe até anos, tudo era mesmo feito junto e com satisfação para ambos? Quem acabava sempre cedendo para agradar apenas ao outro? Quanto será que você não relevou, deixou para lá, não esperou que o outro mudasse? Quais eram os motivos dos desentendimentos, discussões e brigas? Os objetivos de cada um continuavam a ser os mesmos? Os valores também? Havia demonstrações constantes de amor? Os dois se sentiam amados e valorizados? O que levou ao distanciamento? Havia diálogo, trocas constante de carinho, cuidado com o outro? Ou será que as palavras de carinho começaram a dar lugar a ofensas e mágoas?

Algumas palavras ditas ferem como arma afiada que penetram no mais íntimo de nosso ser, provocando feridas invisíveis, mas que dificilmente cicatrizam. Como e quando as coisas mudaram? Por que não se conseguiu evitar a separação?

Acaba sendo instintivo julgar o outro como responsável pelo nosso sofrimento em função de sua ausência. Mas será que agora você não está tão sozinho como quando estavam juntos? Todos esses sentimentos, muitas vezes contraditórios, podem nos deixar mais confusas ainda, quando o que mais precisamos é serenidade e confiança.

Sentimos medo de errar de novo, de ficar sozinha, de ninguém mais querer dividir a vida conosco, de não ser mais amada, desejada, de não conseguir superar mais essa perda, e assim, nos isolamos. Culpamos-nos pelo que fizemos e deixamos de fazer. Tudo parece não ter mais vida e nem sentido para se continuar vivendo. Será que está sentindo tudo isso porque o outro não está mais ao seu lado, ou por que abandonou a si mesma há muito tempo?

É importante nesse momento você responder a si mesma todas essas perguntas com sinceridade para que possa entender todo esse processo e voltar a perceber o valor que com certeza você tem. O mais urgente nesse momento é confrontar-se com os sentimentos que mais doem dentro de você, pois será o caminho certo para buscar sua força interior.




Rosemeire Zago

Psicóloga com abordagem junguiana com especialização em psicossomática. Desenvolve uma abordagem voltada para o autoconhecimento e criança interior.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.