imagem de capa

O que está por trás do tic nervoso

Por Ana Beatriz B. Silva e *Dr. Walker Rodrigues

Quem não se lembra de já ter ouvido ou até mesmo cantado o refrão: “Isso me dá tique-tique nervoso, tique-tique nervoso, tique-tique nervoso...” com Kid Vinil na década de 80? Apesar do bom humor com que o problema é retratado na música, pessoas que possuem os chamados ‘tiques’ sofrem com o problema, muitas vezes, durante anos, afetando sua auto-estima, o que acaba interferindo em sua vida social, profissional e afetiva.

O tique é um movimento motor involuntário, rápido, não ritmado, pois ocorre em intervalos de tempo variados, sem seguir um padrão, podendo também se apresentar como uma vocalização súbita.

Comumente, no dia-a-dia, encontramos pessoas que possuem algum tipo de tique, como por exemplo: piscar os olhos de maneira incomum, caretas faciais, fungados, contrair o pescoço, encolher os ombros, pigarro, grunhir, bufar (esses três últimos, tiques vocais) e tantos outros que são classificados como formas simples.

Um grupo menor de pessoas é portador da forma mais complexa que inclui saltar, bater em si mesmo, bater o pé, cheirar objetos, vocalizações explosivas e repetitivas, Dentre essas vocalizações encontramos nomes complicados, tais como a coprolalia (uso de palavras ou frases obscenas e constrangedoras), palilalia (repetição dos próprios sons ou palavras) e a ecolalia (repetição da última palavra, som ou frase ouvida).

Conforme retrata a música citada no início, o estresse pode ser um fator exacerbador dos tiques, enquanto que algumas atividades que exijam concentração como ler, por exemplo, atenuam os mesmos.

Os tiques não devem ser confundidos com as compulsões (popularmente conhecidas como manias), já que estas visam neutralizar a ansiedade resultante de uma obsessão (pensamentos ruins e intrusivos). Na realidade os tiques não seguem este padrão.

Síndrome de Gilles de la Tourette     

Já a Síndrome de Gilles de la Tourette é um transtorno raro, crônico, composto de múltiplos tiques motores e pelo menos um tique vocal deve estar presente. Esta síndrome além de incapacitante causa um prejuízo social extremo, causando muito sofrimento em seus portadores.

De uma forma geral, o paciente com tiques, com maior ou menor intensidade, sente-se envergonhado devido à sensação de estar sendo observado pelos outros, o que de fato acontece. Portanto, a depressão não é um quadro incomum nestes pacientes, bem como a ansiedade generalizada, uma vez que o portador tenta todo o tempo controlar os tiques em situações sociais. Além da depressão e da ansiedade, não raro observamos a associação de tiques com o Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), Transtorno de Déficit de Atenção/Hiperatividade (TDAH) e Transtorno de Aprendizagem.

O mais importante é conscientizar o portador de tiques, sejam eles simples ou complexos, que há tratamento especializado para esse tipo de transtorno. Basta procurar ajuda médica.

*Dr. Walker Rodrigues da Cunha é médico, conferencista e faz parte da equipe da clínica Medicina do Comportamento – RJ.

 


Ângelo Medina é editor-chefe do portal Vya Estelar. É jornalista e ghost writer. Com 30 anos de experiência, iniciou sua carreira na cobertura das eleições à Prefeitura de São Paulo em 1988 (Jornal da Cultura). Trabalhou no Caderno 2 - O Estado de São Paulo, Revista Quatro Rodas (Abril). Colaborou em diversas publicações e foi assessor de imprensa no setor público e privado. Concebeu o site Vya Estelar em 1999. É formado em Comunicação Social pela UFJF - Universidade Federal de Juiz de Fora.

O que você achou do novo Vya Estelar?