DESTAQUES

Só os vencedores têm direito ao ócio

Flávio Gikovate 01/01/2016 COMPORTAMENTO

por Flávio Gikovate

 


"... a preguiça passa a ser tratada como defeito, assim como todo tipo de atividade lúdica que não conduza ao destaque"

A capacidade de trabalhar muito mais do que o necessário para a sobrevivência é tratada como uma virtude.

Todos os sacrifícios que conduzam ao sucesso -- é o caso, por exemplo, da competência para a poupança, para se viver com o mínimo com a finalidade de se obter reservas para investir com ousadia no futuro --, são tratados como virtudes.

Dessa forma, a preguiça passa a ser tratada como defeito, assim como todo tipo de atividade lúdica que não conduza ao destaque. A serenidade interior e a pouca disposição de participar da luta (ou da guerra?) pela vida é vista como fraqueza de espírito; a pouca ambição é tida como um grave defeito.

E não deixa de ser curioso observarmos que o sacrifício e o trabalho insano têm por objetivo permitir à pessoa uma vida mais leve e mais rica em divertimentos.

Dedicar-se ao ócio torna-se uma vitória

O indivíduo acorda por anos com o barulho de um despertador, sonhando com um dia que irá jogá-lo fora. Será finalmente um preguiçoso dedicado aos prazeres; admirado e valorizado por atitudes que são criticadas nos "perdedores".

Só os vencedores têm direito ao ócio.

 

 




Flávio Gikovate

É médico psiquiatra formado pela USP em 1966. Foi assistente clínico do Institute of Psychiatry na London University. Em 45 anos de carreira já atendeu mais de oito mil pacientes. É escritor e palestrante. Assim como Erich Fromm, Carl Rogers e Erik Erickson, psicoterapeutas e escritores contemporâneos, dos anos 50 e 60, Gikovate tem tido sucesso em escrever textos sérios em linguagem coloquial. Seus livros já ultrapassam o milhão de exemplares vendidos. RIP.



ENQUETE

Qual o preço de se buscar a perfeição?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.