DESTAQUES

A menina que roubava amores

Tatiana Ades 03/11/2016 PSICOLOGIA
A menina que roubava amores
Fonte: imagem Pixabay
Garotas em histeria coletiva para roubar amores

por Tatiana Ades

Interessantes alguns casos que chegam ao consultório, principalmente quando podemos observar que a atitude das pessoas frente ao amor está cada vez mais desnorteada.

Rosana (nome fictício) me procurou quando tinha apenas 16 anos.

Decidida a descobrir como resgatar o amor-próprio, contou-me durante as sessões o quanto se sabotava em relação a si mesma e o quanto isso trazia consequências negativas para ela e os outros.

Confessou ser obcecada por “roubar amores”, sentia-se extasiada quando seduzia algum homem comprometido e criava o desafio de fazê-lo terminar o relacionamento com sua parceira.

Algumas vezes conseguiu, mas logo em seguida, separava-se dele. Ela queria a sensação de controle, poder, disputa feminina com mulheres que nem conhecia. Estava viciada num jogo de conquistas e separações.

Assim como Rosana, muitas meninas, hoje em dia, estão roubando amores e não livros – alusão ao filme “A Menina que Roubava Livros”,  Direção: Brian Percival (EUA/Alemanha/2014). Isso se caracteriza por uma histeria coletiva que atinge meninas muito jovens, uma sociedade que incita o sexo como poder e a sedução como arma para conseguir o que quer.

Gostaria de ver essas “Rosanas” roubando livros, aproveitando a fase de suas vidas de forma mais segura e inocente, pois não adianta falarmos em mudanças socioculturais. Existem fases de vida que devem ser respeitadas. Um exemplo é essa fase da adolescência onde antigamente a paquera predominava... havia romance e fantasia. É  muito importante que os adolescentes passem pela paquera, o primeiro beijo, o sonhar acordado... Hoje em dia eles estão pulando essa fase tão essencial e saudável.

A minha paciente Rosana, percebeu que sua autoestima estava baixíssima e a sedução se tornou algo para preencher o vazio que sentia, viciou-se em jogos e machucou pessoas, principalmente a si mesma.

Hoje ela paquera, mas não por vicio, sabe filtrar e escolher, sabe ser menina e ser mulher.

Ah, a Rosana tem lido muitos livros também!




TAGS :

    amor, roubar namorado, disputa feminina

Tatiana Ades

É psicanalista e escritora e teatróloga. Em seus livros, o foco de estudo é o comportamento humano e o amor patológico. Tem em seu currículo várias peças escritas e encenadas nos teatros de São Paulo, além de ter concorrido ao prêmio Shell de melhor texto teatral com Os Viúvos – Teatro Ruth Escobar (2003). Como escritora, em 1998, ganhou um concurso com o conto O silêncio da raposa. Eles são o resultado de uma pesquisa de três anos: Hades – Homens que amam demais e As escravas de Eros.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.