DESTAQUES

Brincar é benéfico para o cérebro da criança

Marta Relvas 06/12/2016 SAÚDE E BEM-ESTAR
Brincar é benéfico para o cérebro da criança
Fonte: imagem Pixabay
Cérebro se constrói sozinho

por Marta Relvas

Ao longo do desenvolvimento humano, o cérebro foi moldado por milhares de gerações de evolução até se transformar na mais sofisticada máquina de processamento de informações existentes na Terra. E o mais surpreendente, ele se constrói sozinho. Por exemplo, não precisa ensinar a criança a perceber o som, pois desde cedo, ela diferencia ruídos que têm mais significado do que outros.

As crianças não são receptores passivos dos cuidados dos pais, mas sim participantes ativos de cada aspecto de seu próprio desenvolvimento. Desde o nascimento, o cérebro está preparado para buscar e utilizar as experiências mais apropriadas às suas necessidades e preferências individuais. Por esse motivo, o cérebro não requer nenhum equipamento ou treinamento especial e, na maioria das vezes, o bebê descobre uma maneira de se desenvolver, sejam quais forem às condições que o ambiente lhe ofereça.    

A construção do cérebro começa na fase inicial da gestação. Durante o primeiro mês, sinais químicos fazem com que um grupo de células no embrião em desenvolvimento comece a se transformar no sistema nervoso.

Três semanas depois da concepção, a placa neural, camada de células que percorre a extensão do feto, une suas extremidades para formar o tubo neural, que mais tarde se transformará no cérebro e na medula espinhal.

O cérebro infantil tem uma quantidade excessiva de sinapses provocadas pelos estímulos (passagem do impulso elétrico e químico entre os neurônios). Esta exuberância sináptica continua até o início da adolescência, quando então começa a ser reduzida por eventos regressivos. Ou seja, perda de funções necessárias para continuar o desenvolvimento cerebral.

O estágio final de maturação do sistema nervoso é marcado pelo processo de mielinização (formação da bainha de mielina). Este se inicia no útero (sexto mês), sua produção intensifica após o nascimento (por volta dos dois anos), e pode prosseguir até a terceira década.

O cérebro infantil em desenvolvimento é plástico, ou seja, capaz de reorganizar-se em padrões e sistemas de conexões sinápticas para melhor adequar o organismo em crescimento às novas capacidades intelectuais e comportamentais da criança.

Permita que a criança tenha uma qualidade de estímulos através do ato de brincar, pois as brincadeiras infantis são ferramentas fundamentais para o desenvolvimento de novas conexões neurais.

Importante pensar e reconhecer que a escola é um espaço de múltiplos estímulos para o cérebro da criança, e é nela que se promove o desenvolvimento para a autopoiése (capacidade dos seres vivos de produzirem a si próprios) da aprendizagem, que se constroi em bases afetivas.

A aprendizagem acontece à medida que os neurônios são estimulados e respondem a um potencial de ação.

“[...] Sem a Educação das Sensibilidades, todas as Habilidades são tolas e sem sentido"...  
Rubem Alves                                                                                     

 




TAGS :

    cérebro infantil, sinapses, neurônios, brincar, criança

Marta Relvas

Bióloga; Doutora e Mestre em Psicanálise; Neuroanatomista; Neurofisiologista; Psicopedagoga e Especialista em Bioética; Tem certificação no programa internacional em Reggio Emília Study Abroad Program na Itália; Title of People Expression Special category Best Practices in Education Neurosciences and childhood and adolescence learning of Erasmus+ University – Europe – Portugal; Membro Efetiva da Sociedade Brasileira de Neurociência e Comportamento; Membro da Associação Brasileira de Psicopedagogia Rio de Janeiro; Autora de livros e DVDs sobre Neurociência e Educação – Transtornos da Aprendizagem publicados pela Editora WAK e Editora Qualconsoante de Portugal; Atua ainda como Professora Universitária na Universidade AVM Educacional / Cândido Mendes, nos cursos de pós graduação em Psicopedagogia, Psicomotricidade, Neurociência Pedagógica, e na formação Docente; Professora na Universidade Estácio de Sá no Rio de Janeiro nos cursos das áreas: saúde, licenciatura; Professora Mentora do curso de Neurociência e Educação CBI OF Miami. Professora, pesquisadora convidada no curso de pós graduação de Neurociência do IPUB/ UFRJ. Coordenadora do Programa de Pós graduação de Neurociência Pedagógica na Universidade Candido Mendes/ AVM Educacional. Palestrante no Brasil e no exterior.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.