DESTAQUES

Por que grande parte das mulheres prefere os cafajestes

Tatiana Ades 27/01/2017 PSICOLOGIA
Por que grande parte das mulheres prefere os cafajestes
Fonte: imagem Pixabay
Homens sinceros não são avistados por essas mulheres

por Tatiana Ades

Muitos homens sempre vêm com a seguinte afirmação: “Por ser muito bonzinho só me ferro com as mulheres”.

Há uma grande quantidade de mulheres que realmente prefere os cafajestes.

São mulheres carentes e que buscam inconscientemente os conflitos para sentir uma adrenalina maior. Os cafajestes representam para elas um enorme desafio, uma possibilidade de casar e conquistar o lobo mau, de ser a única que fez com que esse homem se interessasse.

E nesse processo serão certamente malsucedidas e sofrerão.

Os homens sinceros não são avistados por essas mulheres, pois elas os descrevem como enfadonhos, chatos e sem graça.

Existe uma erotização no papel do cafajeste, que faz com que a mulher entre nesse jogo de gato e rato percebendo muito claramente que o parceiro trai, maltrata... mas é cada vez mais admirada por ele e pela conquista em relação a ele.

Essas mulheres se consideram independentes e muitas vezes alegam que só buscam sexo, mas o subtexto desse discurso seria:

“Busco o altar com esse homem impossível de conquistar e através do sexo conseguirei ele só para mim”.

Acabam nesse ciclo vicioso, perdendo a possibilidade de encontrar um homem que realmente terá real admiração por ela, carinho e vontade de um relacionamento saudável e sincero.

Em terapia descontruímos esse padrão, fazendo a mulher perceber que está se enganando por uma vida toda e constatando que muitas vezes, esse padrão vem da infância, onde um pai e uma mãe tinham um relacionamento igual ao que ela busca.

Você é bem-resolvida?

É muito importante repensar e entender que ser bem-resolvida é:

- saber ficar sozinha e não precisar de qualquer homem apenas por carência;

- identificar homens saudáveis que acrescentam;

- identificar que o cafajeste irá apenas causar dor e fracasso;

- saber escolher e filtrar as pessoas em nossas vidas.




TAGS :

    cafajeste, carência, relacionamento, sozinha

Tatiana Ades

É psicanalista e escritora e teatróloga. Em seus livros, o foco de estudo é o comportamento humano e o amor patológico. Tem em seu currículo várias peças escritas e encenadas nos teatros de São Paulo, além de ter concorrido ao prêmio Shell de melhor texto teatral com Os Viúvos – Teatro Ruth Escobar (2003). Como escritora, em 1998, ganhou um concurso com o conto O silêncio da raposa. Eles são o resultado de uma pesquisa de três anos: Hades – Homens que amam demais e As escravas de Eros.



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.