DESTAQUES

Tenho medo de ficar em casa sozinha sem meu marido. O que faço?

Anette Lewin 19/04/2017 PSICOLOGIA
Tenho medo de ficar em casa sozinha sem meu marido. O que faço?
Fonte: imagem Pixabay
Síndrome do pânico nem sempre é fácil de diagnosticar

por Anette Lewin

Depoimento de uma leitora:

"Sofro de síndrome de pânico há 5 anos e nunca tomei remédios. O meu tipo de síndrome é medo de ter medo: tive uma forte crise e pensei que iria morrer. Tive quando estava em casa sozinha. A partir desse dia, nunca mais fui a mesma pessoa. Tenho medo de ficar sozinha em casa, porque tenho medo de ter uma crise de novo e perder o controle e morrer. Meu marido fica em casa comigo, porque tenho medo de ficar sozinha en qualquer lugar. Eu quero voltar a ter uma vida normal. Mas quando meu marido fala que vai sair, eu já começo a ficar nervosa e já começa o pânico. Por favor, como posso ficar sozinha de novo, sem ter medo do medo de ter outra crise. Por favor me ajude, estou grávida de 1 mês. Por favor, me liberte desse fantasma de minha vida."

Resposta: "Estava sozinha em casa, tive uma forte crise e pensei que iria morrer", você diz. Como seu medo não se concretizou, pois você não morreu, você conclui que tem medo de ter medo e associa esse medo a estar sozinha. Morrer ou estar sozinha são apenas tentativas de justificar seu medo. Afinal, por lógica, o medo deve estar ligado a algum perigo, não é? Na síndrome do pânico não! Nessa síndrome a pessoa reage como se estivesse frente a um grande perigo que, na verdade, não existe. A explicação, pelo menos a que temos até agora, é que isso se deve a uma desorganização dos neurotransmissores, ou seja os componentes bioquímicos do cérebro da pessoa se desequilibram e provocam uma sensação e uma reação que não estão ligadas a um fato real.

Certamente, se a questão é bioquímica, um medicamento que reorganize neurotransmissores pode ajudar. Mas você diz que nunca tomou remédio e vai levando sem eles há 5 anos. Isso quer dizer que as crises acontecem, mas passam sozinhas, não é? Talvez você possa usar esse fato para tentar acalmar-se quando entrar em crise. Ao invés de pensar que vai morrer, seu pensamento pode dirigir-se para a constatação que todas as crises que você teve passaram, e a próxima, certamente passará também. Ter consciência que você tem uma tendência a se desorganizar bioquimicamente também ajuda. Durante a crise você pode tentar aceitá-la e dominá-la ao invés de ser dominada por ela.

Outra atitude que ajuda é exercício físico. Mexer-se reorganiza os neurotransmissores e ajuda você a produzir em seu cérebro os elementos que a fazem sentir-se melhor. Assim, quando estiver em crise, evite ficar parada, pensando. Ande, mesmo que seja dentro de casa, faça qualquer coisa que a obrigue a se mexer. É possível que isso a ajude a se sentir melhor.

Quanto ao medo de ficar sozinha quando seu marido sai, tente afastar a sensação de solidão (que para você representa perigo) ligando a TV, batendo um papo pelo computador, enfim, use a tecnologia a seu favor.

Tente convencer-se que os meios de comunicação nos dias de hoje são muito eficientes e ninguém fica realmente sozinha enquanto estiver conectado a eles. Eles estão aí para qualquer pedido de socorro que você quiser fazer.

Você está grávida, e esse fato também poderá ajudá-la a se reorganizar para a nova fase de vida que está por vir. Quando for mãe, você passará de pessoa que precisa ser cuidada e protegida para pessoa que vai cuidar e proteger um novo ser. Ter isso em mente poderá fortalecê-la e motivá-la para tentar direcionar seus pensamentos para os preparativos com o bebê, cuidados com a gravidez, leituras relacionadas à maternidade e outras atividades de quem vai encarar a experiência de ser mãe.

Certamente, tudo o que foi dito não parece fácil para quem sofre de síndrome do pânico. Mas também não é impossível. Vale tentar. E síndrome do pânico nem sempre é fácil de diagnosticar. Muitas vezes é confundida com outros distúrbios fobicos ou ansiosos. Assim, só você pode saber o quanto suas crises atrapalham sua vida para resolver qual a hora de buscar ajuda medicamentosa. Ou ajuda psicoterápica que poderá fazê-la entender melhor seus medos, suas angústias e aprender a lidar com eles.

Não hesite em buscar esse tipo de ajuda caso conclua que não consegue melhorar sozinha. É o melhor que você pode fazer por você, seu marido e o bebê que está por vir.

Atenção!
Este texto não substitui uma consulta ou acompanhamento de um psicólogo ou médico psiquiatra e não se caracteriza como sendo um atendimento.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. A psicóloga Anette Lewin responderá sobre relacionamento amoroso, conflitos na vida a dois e conjugal. Esta resposta possui dois formatos: 1º formato: responder as perguntas enviadas pelos leitores. 2º) formato: de A a Z, explicar através de uma palavra em específico (verbete) o significado do que sentimos ao amar. Esta palavra será extraída de um e-mail enviado pelo leitor a esta coluna. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



TAGS :

    medo, ficar, sozinha, casa, síndrome, pânico

Anette Lewin

É psicóloga graduada pela PUC/SP. É psicoterapeuta de adultos e adolescentes em consultório particular desde 1975 até a presente data. É coach em saúde mental.



ENQUETE

Amor: você considera sua relação frágil?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.