DESTAQUES

Devo dar um tempo no meu relacionamento?

Eduardo Yabusaki 25/05/2017 PSICOLOGIA
Devo dar um tempo no meu relacionamento?
Fonte: imagem Pixabay
Dar um tempo pode ser uma oportunidade para rever a relação

por Eduardo Yabusaki

Quando vivemos um relacionamento, não esperamos que ele caminhe mal ou de forma conflituosa. Mas isso pode acontecer e assim somos pegos de surpresa com nosso par insatisfeito e repentinamente querendo dar um tempo.

Apesar dessa situação em princípio ser assustadora, é importante que possamos avaliar todo o contexto e o significado que esse tipo de pedido pode ter para as partes e para a parceria. Pode acontecer dessa condição não ser necessariamente uma 'tragédia', mas sim uma oportunidade para as duas partes se reverem e reavaliarem o relacionamento.

Existem situações em que o relacionamento chega a um ponto de desgaste em que ambos se mostrem totalmente intolerantes, impacientes e até mesmo explosivos um com o outro. E, antes que aconteçam situações mais violentas, pode ser preferível que se afastem e possam pensar e refletir individualmente sobre suas escolhas futuras de permanência ou não no relacionamento.

Não podemos, entretanto, achar que em qualquer conflito, divergência ou problema no relacionamento, dar um tempo seja uma alternativa razoável. Afinal, é inerente a qualquer relacionamento viver dificuldades e enfrentá-las juntos para que possam construir uma estrutura de convivência em que prevaleça a realidade da vida a dois.

Se há dúvidas sobre seus sentimentos em relação ao par, avalie se vale a pena se manifestar, pois isso poderá trazer consequências irreversíveis para o relacionamento.

Procure resolver essa dúvida com você mesmo, se ainda assim não for possível dar um tempo, talvez possa ser uma alternativa para que possa avaliar e refletir sobre seus sentimentos.

Portanto, mais do que pensar em dar um tempo, como uma forma trágica de resolver problemas no relacionamento, é preciso avaliar o contexto, momento ou realidade vivida no relacionamento. Certamente, o pedido para dar um tempo, por qualquer uma das partes, não é um bom indicador, é sinal de que algo ou tudo não vai bem.

Existem situações em que uma das partes pede um tempo por achar que tudo está caminhando muito rápido ou de forma muito profunda. Entretanto, esse não é o momento adequado para se querer dar um tempo, pois demonstra dificuldade em encarar relacionamentos sérios ou mais compromissados. Ou então, medo e insegurança em se aprofundar nos próprios sentimentos, o que revelaria imaturidade afetiva e emocional. Portanto, é melhor reavaliar seu envolvimento com alguém que se manifesta dessa forma.

Enfim, frente a tantas variações e situações, dar um tempo não necessariamente pode ser ruim para um relacionamento. É preciso que ambos tenham maturidade e tranquilidade para lidar com tal situação, caso se apresente como desejo de uma das partes. Para tanto, é fundamental um bom diálogo e compreensão de ambos.

Se dar um tempo for mesmo uma alternativa avaliada por ambos como necessária, pensem também em quanto tempo precisam para resolver o que veio à tona. Porém, pensem num período máximo de um mês talvez... para que não estendam a angústia e sofrimento que tal distanciamento possa gerar.

Lembrem-se de que o relacionamento deve ser algo bom, prazeroso e saudável para ambos e cabe ao par criar essa possibilidade na convivência e não distantes. Vivam, amem-se e sejam felizes!




TAGS :

    dar, tempo, relacionamento, paixão, crise, rápido, sério

Eduardo Yabusaki

Eduardo Yabusaki - Psicólogo e Sexólogo Especializado em Terapia Comportamental Cognitiva, Terapia de Casal e Terapia Sexual. Coordenador do Curso de Sexologia Clínica ministrado em diferentes cidades há mais de 15 anos. Docente convidado do Curso de Fromação em Sexologia Clínica de BH. Responsável pelo www.vidadecasalbh.com.br



ENQUETE

É possível ser você mesmo no ambiente de trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.