DESTAQUES

Estou derrotado pelo crack! E agora?

Danilo Baltieri 01/06/2017 SAÚDE E BEM-ESTAR
Estou derrotado pelo crack! E agora?
Fonte: imagem Pixabay
Não é fácil, mas recuperação é possível

por Danilo Baltieri

Resposta: O crack, que é uma mistura de pasta-base de cocaína com bicarbonato de sódio ou amônia, água, e vários outros compostos (incluindo querosene, cal, cimento etc), tem-se disseminado vertiginosamente no nosso meio desde a década de 90.

Cocaína e crack têm sido consumidos por cerca de 0,3% da população mundial, e cerca de 70% do total de usuários concentra-se nas Américas. A grande popularidade dessa droga deveu-se inicialmente a fatores como baixo custo, alta potência e rápido início de ação.

Geralmente, os usuários buscam efeitos como euforia, sensação de possuir maior energia, poder e excitação. Após fumada a "pedra" de crack, os efeitos duram poucos minutos, conduzindo o usuário a buscar mais droga. Infelizmente, tendo em vista a sua alta potência para induzir dependência, é bastante incomum encontrar algum usuário esporádico ou casual dessa droga.

Sintomas como notável dificuldade para cessar o consumo da substância, persistente desejo de usar, pensamentos recorrentes sobre a droga, tendência para priorizar o consumo da substância, fumar a droga apesar das perdas diversas decorrentes (amorosas, financeiras, familiares etc), irritabilidade quando na falta do consumo, necessidade de usar maior quantidade, são denominadores comuns nesse contexto.

Também, após o consumo, sintomas físicos como taquicardia, hipertensão arterial, insônia, pupilas dilatadas (midríase), inquietação ou agitação psicomotora, inibição do apetite e contrações musculares involuntárias fazem parte do quadro.

À medida que o consumo progride, o usuário pode sustentar pensamentos disfuncionais, acreditando, por exemplo, que não tem quaisquer condições para modificar sua situação vigente, mantendo, então, seu estilo de vida inadequado. As falhas terapêuticas e as recaídas frequentes podem fomentar tais pensamentos.

É verdade que os efeitos provocados pelo crack são intensos, tanto após o consumo quanto na sua interrupção. Sintomas depressivos, irritabilidade, fissura intensa, ansiedade, pensamentos sobre o uso costumam aparecer quando o usuário tenta deixar de fumar. Além dos efeitos significativos e, por vezes, devastadores do crack, até o momento não existem medicações comprovadamente eficazes para o manejo farmacológico dessa condição.

É claro que o tratamento das dependências químicas, como eu tenho reiteradamente comentado no Vya Estelar, não inclui apenas o manejo farmacológico. No entanto, medicações eficazes e seguras para a redução da fissura, por exemplo, são ferramentas bastante úteis quando disponíveis, como ocorre com as síndromes de dependência de álcool, nicotina e opioides.

Tratamento é complexo

O tratamento da síndrome de dependência de cocaína-crack é bastante complexo e, muitas vezes, difícil. A gravidade da dependência varia, e recursos terapêuticos respaldados cientificamente devem ser utilizados para aliviar o problema. É importante destacar aqui que, frequentemente, o usuário de crack também consome outras drogas concomitantemente, como o álcool e a maconha.

Na prática clínica diária, é bastante comum encontrar portadores dessa síndrome de dependência que, de fato, acreditam que não conseguirão recuperar-se. As recaídas frequentes, por vezes, ajudam a fomentar essa crença que, por sua vez, pode prejudicar ainda mais o prognóstico.

Você precisa procurar uma equipe especializada no manejo desse problema. Existem diferentes formas de tratamento que, seguramente, serão oferecidas para você baseadas no seu quadro clínico atual e pretérito.

Estratégias de tratamento podem ser eficazes para alguns portadores, mas não para outros. Portanto, a individualização do manejo clínico é necessária.

Realmente, não é fácil; no entanto, é possível viver sem a necessidade de consumir essa e outras substâncias.

Abaixo, indico passos que podem ser úteis para você:

a) Entre em um programa de tratamento. O tratamento dos problemas relacionados ao uso do crack têm sido prioridade dos governos dos Estados e Municípios;
b) Procure compreender como o processo do uso dessa substância iniciou e perpetuou;
c) Examine seu estilo de vida;
d) Recuperação implica na identificação do problema, no aprendizado dos fatores associados ao uso e recaídas, e no treinamento de técnicas para evitar o consumo;
e) Estilo de vida e hábitos precisarão ser urgentemente revistos;
f) A desintoxicação é apenas o primeiro passo de uma longa batalha;
g) Lembre-se: recaídas serão sempre um fator de preocupação na sua vida. Todavia, é você quem deve fazer as suas escolhas e organizar a sua vida.

Não perca tempo, nem a coragem.

Atenção!
Este texto e esta coluna não substituem uma consulta ou acompanhamento de um médico e não se caracterizam como sendo um atendimento.

Vya Estelar Responde

Vya Estelar quer colocar você, querido leitor, mais perto ainda de nós. Esse profissional irá responder dúvidas enviadas pelos internautas sobre um determinado tema. O psiquiatra Dr. Danilo Baltieri responderá questões ligadas à dependência química e vícios: drogas, álcool, cigarro e psicotrópicos. Os e-mails serão selecionados e editados de acordo com critério editorial do Vya Estelar, já que não será possível responder a todos. Seu nome e e-mail serão preservados.

ENVIAR PERGUNTA



TAGS :

    derrotado, crack, tratamento, vício, dependente

Danilo Baltieri

Médico psiquiatra. Mestre e doutor em Medicina pelo Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. Atualmente é coordenador geral do Grupo Interdisciplinar de Estudos de Álcool e Drogas do Instituto de Psiquiatria da FMUSP (GREA-IPQ-HCFMUSP).Tem experiência em Psiquiatria Geral, com ênfase nas áreas de Dependências Químicas.



ENQUETE

Como você reage às tragédias veiculadas pela mídia?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2019
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.