DESTAQUES

Masculino e feminino, o casamento real

Patricia Gebrim 13/03/2018 AUTOCONHECIMENTO
Masculino e feminino, o casamento real
Fonte: imagem Pixabay
Nada disso tem a ver com gêneros

Por Patrícia Gebrim

Através dos relacionamentos experienciamos a beleza da união dessas duas partes de todos nós.

TEXTO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE



Todos temos dentro de nós um lado feminino e um lado masculino. É nossa tarefa criar harmonia entre eles. Assim, antes de nos tornarmos capazes de criar uma relação harmoniosa com outro alguém, precisamos aprender a equilibrar esses aspectos dentro de nós.

Nada disso tem a ver com gêneros. Trata-se de um equilíbrio interno entre essas polaridades, que se refletirá no equilíbrio que manifestamos nos relacionamentos que constelamos com outro alguém. O masculino e o feminino precisam se casar dentro de nós. Precisam aprender a se respeitar e amar.

O masculino em nós é a parte que nos leva em direção ao mundo externo, à ação, à expressão. É o pensar, o “fazer”, que põe átomos em movimento.

O feminino é o mundo interno, o sentir, o silêncio de onde tudo brota, a capacidade de encontrar orientações, a intuição, o respeito ao tempo de tudo.

O masculino e o feminino precisam um do outro. Não há sentido em os colocarmos em oposição. Entenda, assim como masculino e feminino, não somos adversários.

Por muitos séculos a relação entre homens e mulheres tem estado fora de equilíbrio. Observo sempre a prevalência de um, à custa do outro. Ainda não compreendemos que não se trata de dar o poder a uma ou outra polaridade, e sim uni-las dentro de nós.

A mulher, que por muito tempo foi abusada e desrespeitada, na busca lícita de recuperar um lugar de dignidade e honra na sociedade, tem copiado o modelo masculino.

Muitas mulheres estão se tornando caricaturas distorcidas dos homens, tornando-se muitas vezes cruéis e frias, buscando o poder do masculino em si a qualquer preço, mesmo que seja à custa de abrir mão de seu próprio feminino. Abrem mão da doçura, da delicadeza, da compaixão, de seus próprios corações.

Os homens, por sua vez, que por tanto tempo carregaram a obrigação de serem os incansáveis heróis, os desbravadores e conquistadores, os provedores e trabalhadores, agora se sentem exaustos e estão abrindo mão de seu masculino, muitas vezes tornando-se frágeis e perdidos, engolidos por uma impotência que os assusta e lhes rouba o senso de valor pessoal.

Creio, que esse desequilíbrio momentâneo seja necessário e positivo. Ao menos estamos em movimento. Mas, acreditem, ainda não chegamos ao final. Ainda não encontramos o meio do caminho, a integração harmoniosa, a paz interna. Ainda não harmonizamos nossas mentes e nossos corações, ainda não nos tornamos tão poderosos quanto podemos ser. Ainda não encontramos a chave dourada que nos ensina a trocar o “ou” pelo “e”.

Chegaremos lá.

Ela era o lago. Ele chegou de mansinho. No início ficou encantado com as imagens que ondulavam na superfície. Demorou um tempo até perceber que tudo o que via eram meros reflexos de si mesmo. Corajoso que era, mergulhou. Queria mais. Queria tocar o sagrado. Somente na quietude da profundeza as almas podem de fato se encontrar. Atravessou, destemido, camadas turvas e gélidas de água, e então, quando menos esperava, chegou a um límpido e cálido silêncio e, pela primeira vez, ouviu o bater de seu próprio coração. Foi quando ela surgiu, sua própria alma, sutil, suave, pura luz. Os dois se abraçaram mansamente, e era tanta entrega e beleza que ele finalmente se sentiu pronto.

Já podia oferecer ao mundo o seu amor.




TAGS :

    masculino, feminino, completam, psicologia

Patricia Gebrim

É Psicóloga Clínica, atua numa abordagem transpessoal. Seu trabalho é direcionado a favorecer o autoconhecimento e a transformação das crenças limitadoras que nos mantêm aprisionados a padrões repetitivos de escolhas. É escritora, publicou 'Gente que mora dentro da gente' e o best-seller 'Palavra de Criança' pela editora Pensamento



ENQUETE

Virtude exagerada se transforma em “pecado”?








VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.