DESTAQUES

Sente dificuldade em atingir determinado objetivo? Coaching pode ser a saída

Lilian Graziano 01/01/2016 PSICOLOGIA
Coaching promove reorganização do indivíduo

por Lilian Graziano

E eis que, em busca de maior qualidade de vida, vemos a necessidade de um auxílio para alcançá-la, o que no caso da Psicologia Positiva (PP), pode vir em forma de psicoterapia ou coaching.

Falemos primeiro desse último processo, utilizado para atingir objetivos pontuais, e que é tão debatido quanto amado pelos clientes, pelos rápidos resultados que proporciona. Comecemos por explicar o coaching e adentrar um pouco as discussões nas quais essa prática está envolvida e como ele funciona com base na PP.

Em primeiro lugar, deixemos de lado qualquer preconceito: quem pensa no processo de coaching como mais um produto de marketing de autoajuda ignora seu poder de transformação embasado em intervenções muitas vezes semelhantes à psicoterapia  (portanto amplamente reconhecidas, também no caso da prática baseada em PP). Ignoremos assim os maus profissionais, que existem em todas as áreas e os quais não são parâmetro para definir uma abordagem cuja construção tem fundamento reconhecido.

O que ocorre com o coaching é uma reorganização do indivíduo,  no sentido de auxiliá-lo a implementar mudanças comportamentais definitivas, relacionadas ao cumprimento de um determinado objetivo (ou vários). E o acompanhamento das ações estabelecidas para o alcance dessa (s) meta (s), no sentido de tornar essas ações mais efetivas.

Na Psicologia Positiva, todo esse trabalho é baseado no reconhecimento dos recursos (forças pessoais - veja aqui) do indivíduo para a transposição dos desafios que significam as metas e objetivos do processo de coaching (esses importam mais do que as deficiências ou queixas comumente tidas como o empecilho para o cumprimento das etapas determinadas).

Em segundo lugar, abandonemos uma crença comum: um engano frequente é ver o coaching como uma ferramenta voltada apenas para o desenvolvimento da liderança em executivos, às questões corporativas. Mas ele não é exclusivo para esse fim e pode ser aplicado às diversas esferas da vida.

Em terceiro lugar, cabem as perguntas: por que precisamos desse auxílio?

Por que os coachs (profissionais que aplicam o coaching), nos fazem perguntas que parecem tão óbvias, utilizam ferramentas tão lúdicas e, finalmente, por que tudo isso parece não ter relação nenhuma com o que esperamos desse processo? Cabe aqui, ainda, outra pergunta: por que determinadas mudanças não ocorrem - ou ocorrem bem mais lentamente, sem a ajuda profissional?

As respostas aqui podem se resumir a um único exemplo: quando perguntamos a um cliente "o que o trouxe aqui?", uma pergunta simples, cuja  resposta deveria estar na ponta da língua, o  que volta para o coach é um emaranhado de "porquês" incorporados pelo cliente ao longo de uma vida - e muitas vezes esses não aparentam ser a verdadeira razão desse pedido de ajuda, a busca pelo auxílio de um especialista.  Cabe ao coach decifrar essa teia e, quando os porquês se revelam outros, todas as ferramentas utilizadas no coaching são para identificá-los com maior precisão e internalizar, no indivíduo, por meio da palavra e das vivências as reais razões pelas quais ele deve empreender mudanças, ou aquilo que, de fato, não precisa ser modificado.

Por fim, o que nos parece óbvio, muitas vezes não é de nossa natureza: nossa autoimagem muitas vezes é constituída de características e falhas que acreditamos ter e não necessariamente temos. Estar em um processo de coaching auxilia o indivíduo a formular uma imagem verdadeira de si (sobretudo com a ajuda da Psicologia Positiva , com o reconhecimento de suas forças pessoais).  

Isso além de a prática ser um tempo obrigatório para o autoconhecimento, força o indivíduo a solucionar problemas de forma prática, visualizar com clareza suas metas, com a ajuda de seus melhores recursos para isso.  O foco sai de eventuais bloqueios e mira em soluções práticas cujo objetivo é sempre transpor um obstáculo que emperra uma melhor qualidade de vida.

É incrível que precisemos de auxílio e desse tempo obrigatório para refletir sobre nós mesmos, sobre metas e objetivos. Fora do processo de coaching positivo, a recomendação é a busca pelo autoconhecimento, sempre, e com o foco da Psicologia Positiva: reconhecer em si os melhores recursos que podem ser empregados em cada ação a que nos propomos, em todos os âmbitos da vida.

Mas, se algo não dá certo, por que não experimentarmos o processo e nos entregarmos ao autoconhecimento orientado por um coach?

Lembremos que, abrirmo-nos para o novo é fundamental no exercício de emoções positivas e todo o resto decorre dessa simples atitude, despida de qualquer julgamento e dotada de toda curiosidade e interesse pela VIDA.




Lilian Graziano

Diretora dos Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, psicóloga e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) com pós-graduação em Psicoterapia Cognitiva Construtivista. Seu doutorado sobre Psicologia Positiva e Felicidade foi a primeira tese brasileira baseada nessa abordagem. Atua há mais de 20 anos na Educação com foco no desenvolvimento de condutas preventivas para os comportamentos humanos disfuncionais. Possui certificação em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. Treinou e atendeu centenas de funcionários de grandes organizações tais como: Coca-cola, Basf, Bank Boston, Accenture, British Petroleum, Merrill Lynch, Unilever, dentre outras.



ENQUETE

Você se sente infeliz no trabalho?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.