DESTAQUES

Desempregado? Arrumar trabalho pode te ajudar a arrumar emprego

Dulce Magalhães 01/01/2016 COMPORTAMENTO
Você não escolhe o vento, mas pode posicionar suas velas

por Dulce Magalhães

Onde anda o emprego? Esta pergunta deve estar martelando o pensamento de muitos brasileiros. Principalmente aqueles que estão desempregados há mais de três meses. E é sem dúvida uma pergunta angustiante, portanto vale a pena fazer algumas reflexões para tentar decifrar este enigma.

Para início de conversa é preciso esclarecer a diferença entre o mercado de trabalho e de emprego.

Mercado de trabalho é onde estão as tradicionais atividades produtivas, que geram funções reguladas por leis trabalhistas, já o mercado de emprego é formado por toda e qualquer atividade, remunerada ou não, que empregue a capacidade humana na realização de tarefas. Assim podemos buscar um trabalho, ou buscar empregar nossos talentos em alguma atividade.

Talvez o eventual leitor possa estar se perguntando "que vantagem tia leva?" em estar empregando talento e tempo em uma atividade não remunerada, especialmente quando se precisa muitíssimo de uma remuneração. Acalme-se, tudo será esclarecido, em seu devido tempo. Vamos primeiro fazer algumas considerações sobre o trabalho tradicional.

O número de postos de trabalho está definitivamente diminuindo, seja por razões conjunturais (crise financeira nos mercados internacionais, concorrência feroz, incapacidade administrativa); seja por razões estruturais (informatização, automatização, robotização, fusão, etc). Dessa forma sua função já foi extinta (caso você esteja desempregado), ou corre o risco de ser (assim isso passa a interessar a todo o mundo). Buscar um trabalho dentro dos tradicionais conceitos, pode vir a ser uma angústia sem fim. O mundo pode ser comparado a uma grande carroça, onde as melancias ainda não se ajeitaram, e há muita melancia que vai sobrar. Triste, porém verdadeiro.

Entretanto, se abrirmos o leque de nossas percepções e começarmos a ver além do mercado de trabalho, poderemos encontrar excelentes oportunidades para empregar nossos talentos. Esteja você, ou não, com um trabalho fixo e remunerado, vale a pena refletir sobre as questões colocadas abaixo, pois podem significar uma grande guinada em seu posicionamento de carreira.

Permaneça em atividade

Num mundo onde a polivalência e o aprendizado constante tem cada vez mais valor, estar atuando em atividades diversas, na empresa, no condomínio, na associação, no clube, na igreja ou em qualquer tarefa onde você possa ser útil, significam um imenso espaço de aperfeiçoamento e aumentam a qualidade da percepção de novas oportunidades. Em resumo, seja sempre voluntário.

Aumente sua rede de contatos

Mantendo-se em atividade em sua comunidade e se oferecendo para participar de diferentes projetos, dentro e fora de sua empresa, você aumentará sua rede de contatos, conhecendo pessoas que poderão contribuir positivamente com seu desenvolvimento profissional e, talvez, até como futuros empregadores ou indicando oportunidades de emprego. Estabeleça seu potencial social, fazendo uma lista de pessoas com algum poder de influência que você conhece. Esta é sua rede de contatos, entretanto só terão valor se você realmente mantiver contato com essas pessoas. Nada de corpo mole, pegue o telefone e agende visitas, marque refeições conjuntas, convide para eventos, reforce o nível de contato que você possui. A síntese: circule muito, conheça e conviva cada vez com mais pessoas.

Aprenda a atuar com planejamento

Antes de tudo precisamos ter consciência que vivemos num mundo de poucos postos de trabalho disponíveis, mas muitos negócios. Assim o objetivo é montar um plano de ação adequado aos novos tempos. Deixarmos de pensar como executores e passarmos a nos organizar como empreendedores. Verifique novas oportunidades destituído de preconceito. Quem atua em finanças pode aprender a vender e vice-versa. Aliás, é indispensável que você teste habilidades e encare cada capacidade como um talento empregável. Assim dirigir, ler, conversar, gostar de música, praticar esportes... podem se transformar em excelentes oportunidades de emprego, talvez não de trabalho, mas é daí que surgem as possibilidades reais de conseguir uma excelente posição de mercado. Planeje onde, quando e como você vai expandir suas habilidades, antes que você seja forçado a isso. Resumo da ópera: aja estrategicamente, dê um valor a tudo que você sabe fazer e aprenda todos os dias a fazer algo novo.

Mantenha tudo em perspectiva

Quando será o futuro? Esta é uma boa pergunta para quem pretende planejar sua vida e carreira. Muitas pessoas têm uma visão quase idealista do futuro. Algo que nunca chegará, uma utopia perfeita. Entretanto o futuro chega até nós. Vamos nos dando conta nas datas de aniversário, no ano novo, quando uma filho nasce, passa no vestibular ou se casa, quando alguém morre, enfim em inúmeros momentos, que o futuro é agora.

Sendo assim, não pode haver mais nenhuma diferença de tempo entre plano e ação. Uma das habilidades mais necessárias hoje é sem dúvida a capacidade de pensar e executar ao mesmo tempo. Num mundo just in time precisamos estar afinados com o momento e termos sempre a perspectiva de onde queremos chegar. Não desanime com as dificuldades momentâneas, nem fique esperando que o futuro resolva seus problemas. Mantenha sempre a visão do que você pretende da vida e atue agora, esteja disposto a exercer funções menos estimulantes ou menor remuneradas do que você pretende, entretanto não deixe de exercitar seu talento para chegar exatamente onde quer. Concluindo: você não escolhe o vento, mas pode posicionar suas velas. BOA VIAGEM!




Dulce Magalhães

Ph.D. em Filosofia com foco em Planejamento de Carreira pela Universidade Columbia (USA); Mestre em Comunicação Empresarial pela Universidade de Londres (Inglaterra); autora dos livros: O foco define a sorte; Manual da Disciplina para Indisciplinados; Superdicas para Administrar o Tempo e Aproveitar Melhor a Vida. Especialização em Educação de Adultos pelas Universidades de Roma (Itália) e Oxford (Inglaterra).



ENQUETE

Quem não tem cão caça com o “ex”, que está receptivo. Você concorda?






VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.