DESTAQUES

Conectar sua criança interior gera flexibilidade e criatividade

Lillian Graziano 01/01/2016 AUTOCONHECIMENTO
Conectar a criança interior abre as portas para o novo

por Lilian Graziano

Crianças, em geral, são seres "absorventes". Chame-as de esponjas, aspiradores de pó, buracos-negros ou mata-borrões. Elas tragam o mundo que as cercam, absorvem-no com gosto, lambuzam a cara, sujam as mãos e mantêm-se sempre, acima de tudo, abertas ao novo. Talvez por isso sejam, também, seres flexíveis, dispostos a reconstruir seus castelos repetidas vezes, sempre que a maré teimar em destruí-los.

E da flexibilidade deriva o potencial criativo, que transforma em elmos formidáveis alquebradas caixas de panetone. E do criativo surge o lúdico, o riso solto que, tão perfeitamente, definem o que é um ser-criança.

Para a julgarmos como um ser "puro" é um passo. Seria uma das muitas representações sociais acerca das crianças que, ao longo da história, já foram ignoradas, vistas como adultos mal-acabados e hoje são intensamente valorizadas, talvez pelo seu estereótipo de pureza, mas também por questões da mídia e do mercado consumidor, entre outras razões para tal. Mas prefiro fugir dessa armadilha e classificar a criança apenas como um ser "crédulo".

E como não sê-lo diante de tamanhos recursos? Uma criança acredita no Coelho da Páscoa, na Fada do Dente, no Monstro do Armário, no elmo de caixa de panetone; e também nos seus pais, no amigo que acabou de fazer brincando na praia, no papai do céu, na abundância da vida.

Indo ao ponto que nos interessa nesta reflexão, o fato é que uma criança não reflete sobre o sentido da vida e, no entanto, poucos adultos conseguem vivê-la tão intensamente como fazem os pequeninos. É quando enxergo uma correlação positiva entre ausência de sentido hoje experimentada pelos adultos e a intensa valorização infantil. Tanto mais a sociedade se entristece (e "adultece"), mais a criança é endeusada, tomada como potencial redentora de um mundo que falhamos ao construir.

A criança, por fim, possui características que a maturidade parece nos roubar. Na maioria das vezes, tornar-se adulto é um processo lento de "endurecimento", que leva consigo não apenas o que tínhamos de melhor, mas, sobretudo, nossos melhores recursos para lidarmos com a falta de sentido. Talvez seja por isso que, historicamente, nossa sociedade venha valorizando a criança cada vez mais.

Em outras palavras, parece que, inconscientemente, o homem tem caminhado em direção àquilo que seria capaz de salvá-lo da anomia e do desespero: o resgate de sua criança interior.




Lillian Graziano

Diretora dos Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, psicóloga e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) com pós-graduação em Psicoterapia Cognitiva Construtivista. Seu doutorado sobre Psicologia Positiva e Felicidade foi a primeira tese brasileira baseada nessa abordagem. Atua há mais de 20 anos na Educação com foco no desenvolvimento de condutas preventivas para os comportamentos humanos disfuncionais. Possui certificação em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. Treinou e atendeu centenas de funcionários de grandes organizações tais como: Coca-cola, Basf, Bank Boston, Accenture, British Petroleum, Merrill Lynch, Unilever, dentre outras.



ENQUETE

O Jornal da Cultura veiculou matéria apontando que o brasileiro não está animado com a Copa do Mundo. E você, está empolgado?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.