DESTAQUES

Sentir medo nos torna indecisos e nos paralisa

Edson Toledo 01/01/2016 AUTOCONHECIMENTO

por Edson Toledo

"A maneira de viver nossas emoções está impregnada pela maneira como vivemos nossa infância..."

As emoções são um poderoso agente na promoção de mudanças, consequentemente têm um papel fundamental para se ter êxito na vida. Assim precisamos nos conhecer e registrar o que sentimos. Essa é a chave para tê-las trabalhando a nosso favor e não contra nós.

Podemos tomar as nossas decisões a partir delas, portanto, conhecê-las é o caminho para saber como expressá-las e mostrá-las aos outros. Embora sem dar conta, sentimos emoções o tempo todo. Essas geram sensações agradáveis ou desagradáveis quando gostamos ou não do que sentimos.

Podemos identificá-las em nossas expressões faciais e em nossos gestos.

Aprender a conectar e a gerenciar nossas emoções ajuda a ter uma ótima saúde fisica, mental e espiritual para podermos realizar melhor nossas atividades e relacionarmos plenamente conosco e com os outros.

A maneira de viver nossas emoções está impregnada pela maneira como vivemos nossa infância, de como nossos pais nos ensinaram a expressá-las, como expressamos com nossos amigos, colegas e na escola. Todas as vivências que tivemos durante a infância, adolescência e até na idade adulta vão se acumulando em nossa memória e influenciam na maneira em que decidimos o nosso destino. Também influenciam muito como nos sentimos hoje. Cabe destacar que não são boas nem ruins nossas emoções, elas podem ser indicadores de nosso estado interior e por isso têm um valor fundamental compreendê-las. As emoções em sí não são negativas, o problema surge quando ficamos por muito tempo ancorado em uma única emoção.

Como dissemos, todos os dias estamos tomando decisões baseado em nossas emoções, em diferentes situações onde temos que escolher o que fazer, sejam as coisas mais simples, rotineiras ou as mais difíceis. Se estamos tristes, nos isolamos; se estamos zangados, certamente, nós tomaremos uma decisão visceral, impensada. Se estivermos ansiosos, talvez comeremos, compraremos e trabalharemos mais. Ou talvez descarregaremos na primeira pessoa que por nós cruzar. Tudo depende de nossas emoções. Às vezes agimos impulsivamente, e em outras, o medo nos torna indecisos ou nos paralisa.

A *inteligência emocional tem o poder de regular nossas emoções no momento de tomar uma decisão e fazer uma reflexão que nos leva a fazer uma escolha bem-sucedida ou assertiva. Isso pode ser aprendido e transformado em hábito na medida em que consigamos tomar decisões cada vez mais rápidas e eficazes sem estar à mercê de nossas emoções. A consciência emocional nos permite reconhecer nossas próprias emoções e seus efeitos nas nossas ações e escolhas.

Então como interpretar nossas emoções?

Até recentemente se pensava que tinhamos emoções positivas e emoções negativas, esta ideia derivava de uma noção cartesiana (enaltecendo o pensamento e descartando o corpo e as emoções) do ser humano; a consequência desse pensamento foi a rejeição das emoções e percebê-las como uma ameaça e como fonte de descontrole. Essa visão resultou em um ser humano que não expressa seus sentimentos, ou seja, completamente desconectado de sua vida em seu sentido mais pleno.

Em contraste com a visão cartesiana, hoje se destaca o caráter do sentido comunicacional da emoção e se enfatiza sua mensagem. Por exemplo, o medo que sempre foi considerado uma emoção negativa, agora é valorizado como um sinal de aviso, de alerta. Por isso é muito importante destacar a natureza positiva das emoções, aprender a aceitá-las e recebê-las como mensagens do nosso cérebro, perdendo o medo do descontrole emocional e a necessidade de dominar e erradicar essas manifestações emocionais.

Bem, vivemos em uma nova época, em que tudo começa a ter uma nuance de aceitação e respeito, as emoções começam a ser valorizadas em sua verdadeira dimensão, como uma mensagem que nos diz algo sobre a realidade e até nos indica como agir diante dela.

O caminho para a educação emocional é longo, porém satisfatório se tivermos amor e respeito por nós mesmos; porque nada em nosso interior é bom ou ruim, adequado ou inadequado, útil ou inútil. Pensar em termos de bom ou mau é situar-se em uma posição de crer que se tem a verdade, e a verdade neste mundo tem infinitas máscaras assim como tantas verdades como seres humanos.

A boa notícia é que atualmente as nossas emoções são mais aceitas e valorizadas, porém tem um longo caminho para percorrer para alcançar o estado de espirito emocional.

*Inteligência emocional é um conceito em Psicologia que descreve a capacidade de reconhecer os próprios sentimentos e os dos outros, assim como a capacidade de lidar com eles.

 




Edson Toledo

Coordenador do serviço de atendimento a pacientes com tricotilomania no PRO-AMITI/IPq FMUSP. Supervisor clínico na UNIP. Psicólogo pela Universidade Metodista. Mestre em ciências pela Faculdade de Medicina da USP. Especialização em Terapia Cognitivo-comportamental pelo Ambulim/IPq FMUSP. Especialização em Psicologia Hospitalar pela UNISA



ENQUETE

O Jornal da Cultura veiculou matéria apontando que o brasileiro não está animado com a Copa do Mundo. E você, está empolgado?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.