DESTAQUES

Três atitudes anticrise

Lillian Graziano 07/07/2017 PSICOLOGIA
Três atitudes anticrise
Fonte: imagem Pixabay
Um momento como este, vale reinventar-se

por Lilian Graziano

É certo que estamos vivendo um momento de crise em nosso país. A confusão é política, econômica e, até mesmo, de valores. Assistir aos telejornais, ir às compras, consultar o saldo ou enfrentar o mercado de trabalho, tão propenso às demissões, não têm sido atividades das mais agradáveis ultimamente. Resistir a tudo isso e persistir na crença de dias melhores, por sua vez, é um grande exercício de resiliência, essa nossa linda capacidade de superar desafios.

Trata-se de uma habilidade tanto genética quanto aprendida. A vida nos prega as peças e nosso modo de enfrentá-las, com bom humor, pragmatismo e otimismo (e certa dose de autocompaixão) nos faz mais resilientes e, consequentemente, mais felizes. Alguns agem assim naturalmente, outros precisam exercitar tais comportamentos e assim enfrentam cada vez melhor as intempéries que vão surgindo. Essa característica, como já a descrevi e disse algumas vezes aqui, tem pautado pesquisas e práticas da Psicologia Positiva na busca desse movimento por aquilo que nos conduz à felicidade.

O que muito se tem ouvido nesses dias, embora quase um clichê - o bordão do "transforme a crise em oportunidade" - é a própria resiliência posta em prática, seja ela fluida, natural, ou fruto de nosso esforço de aprendizagem.

A citação é posta sob enfoque quase sempre econômico, voltada aos empreendedores da vez, mas penso que, diante do turbilhão que se apresenta, o que se vê é não só a virada do jogo nos negócios, mas também a possibilidade de modificarmos nossos comportamentos como indivíduos e cidadãos.

Negócios: plano B

Pensando nos negócios, não seria nada mau tirar da gaveta o velho sonho da empresa própria, apostar num mercado revelado pelo cenário nacional e que bate à nossa porta. Uma demissão, apesar de traumática, a esta altura, pode ser o gatilho dessa nova realidade. O que se configura inicialmente como saída frente ao desespero, aos poucos se transforma em alternativa viável, despertando nossa coragem e esperança.

Como novos empresários ou sobrevivendo na ocupação de sempre, podemos, contudo, pensar e desenvolver novas maneiras de agir: de modo mais eficiente, mais sustentável, mais ético, mais adequado à nossa essência, mais significativo para nossa sociedade, enfim, de um jeito adaptativo ao contexto ou visionário daquilo que desejamos para os próximos dias, meses ou anos vindouros.

Um momento como este, vale reinventar-se. Não porque somos a razão dos obstáculos à nossa frente, mas porque dessa forma produziremos os comportamentos adequados para os efeitos desejados: um país melhor, um mundo melhor, filhos melhores, cidadãos igualmente evoluídos.

Essa visão abrangente, buscando soluções para além das mazelas do dia a dia, visando a um bem maior e coletivo, também faz parte de um pensamento resiliente e, neste caso, reforça uma característica essencial de nossa humanidade: somos sociais e, sobretudo, evoluímos a partir dessa nossa condição. Numa equação como essa, postos resiliência e preocupação social como denominadores comuns, tendo como raiz nossa atuação individual orientada à mudança, o resultado produzido não é mais crise, mas superação e grandes conquistas.




TAGS :

    crise, coragem, esperança, resiliência, psicologia, positiva

Lillian Graziano

Diretora dos Instituto de Psicologia Positiva e Comportamento, psicóloga e doutora em Psicologia pela Universidade de São Paulo (USP) com pós-graduação em Psicoterapia Cognitiva Construtivista. Seu doutorado sobre Psicologia Positiva e Felicidade foi a primeira tese brasileira baseada nessa abordagem. Atua há mais de 20 anos na Educação com foco no desenvolvimento de condutas preventivas para os comportamentos humanos disfuncionais. Possui certificação em Virtudes e Forças Pessoais pelo VIA Institute on Character, EUA. Treinou e atendeu centenas de funcionários de grandes organizações tais como: Coca-cola, Basf, Bank Boston, Accenture, British Petroleum, Merrill Lynch, Unilever, dentre outras.



ENQUETE

Atração física não basta, tem que haver atração mental. Você concorda?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.