DESTAQUES

O amor descontrolado pela fome

Tatiana Ades 05/01/2018 PSICOLOGIA
O amor descontrolado pela fome
Fonte: Google Imagens
Comemos sentimentos, vazios, angústias, medos, alegrias

Por Tatiana Ades

Em “As pulsões e os destinos da pulsão” (1915b/1980), Freud define pulsão da seguinte forma:

TEXTO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE



Uma pulsão é um conceito situado na fronteira entre o psíquico e o somático, como o representante psíquico dos estímulos que se originam dentro do organismo e alcançam a mente, como uma medida de exigência feita à mente no sentido de trabalhar em consequência de sua ligação com o corpo.

Nossas pulsões originam-se nas células do corpo e, destas células, temos necessidades vitais como a fome, respiração e sexualidade.

Essas pulsões tem um impacto ininterrupto em nossas vidas, sendo sentida por nós como necessidade constante de prazer, alívio e satisfação.

Ainda quando estamos sendo amamentados por nossas mães, já estamos iniciando um processo característico de pulsões sexuais e autoconservação.

Essas pulsões devem se separar gradativamente, porém, algumas de nossas pulsões sexuais permanecem ligadas às de autoconservação, ou seja, torna-se doença. O corpo se torna a emergência da pulsão parcial sendo satisfeito e aliviado pelo objeto correspondente.

Com a introdução da pulsão de morte, houve uma transformação da primeira teoria das pulsões, o que fez Freud (1923a/1980) redefinir o dualismo pulsional em duas novas classes:

[Eros ou de vida] abrange não apenas a pulsão sexual desinibida propriamente dita e as pulsões de natureza inibida quanto ao objetivo ou sublimada que dele derivam, mas também a pulsão de autoconservação; [e Thanatos ou de morte], cuja tarefa é conduzir a vida orgânica de volta ao estado inanimado.
 
Então, quando falamos em compulsão alimentar, nos referimos à repetição, ou seja, a nossa volta inconsciente para o seio de nossas mães e a sensação agradável de aconchego, alívio e satisfação.

Mas as compulsões incluem também infâncias não agradáveis, mesmo assim a nossa necessidade neurótica de repetição ao familiar estará presente em rever e saborear situações desagradáveis, porém reconhecidas por nós, mesmo que, no intuito de modifica-las.

Desta forma, o comer se torna em nossas vidas, um poder ímpar nas questões pulsionais.

A criança que irá sugar o leite materno, poderá querer repetir essa sensação em comidas diversas na vida adulta.

Comemos sentimentos, vazios, angústias, medos, alegrias.

Comemoramos comendo e também comemos sozinhos em momentos furiosos de ira.

O amor pela comida, quando se torna doentio, pode fazer com que uma pessoa perca-se de si mesma, fazendo do ato de comer o seu único propósito de vida. Cria-se uma obsessão pelo ato de comer, para um alívio imediato do sentir, assim como outras pessoas podem fazer com drogas, álcool, sexo e pessoas.

Vício: pessoas acometidas pelo comer compulsivo geralmente mantêm os seguintes rituais:

- comem isoladas;
- devoram grande quantidade de comida num espaço curto de tempo;
- isolamento social;
- sentem culpa e angústia após a crise compulsiva;
- ficam com baixa autoestima conforme a doença se agrava;
- têm depressão e pensamentos suicidas.

O comer compulsivo também é muito desconfortável, pois não há como uma pessoa negar o seu vício, elas descrevem que o corpo as traí, engordam muito em pouco tempo e sentem-se humilhadas e desanimadas.

Gostar muito de comer não e doença, porém quando o comer se manifesta em sua vida como desconforto e sofrimento, a doença está instalada e precisa ser tratada. É necessário um processo de análise para o entendimento completo daquilo que estamos fazendo com o nosso alimento, como fazemos e por que o fazemos de determinada forma.

Amar demais a comida pode ser uma tortura e a possibilidade de você estar se amando de menos.




TAGS :

    pulsões, compulsão, comida, amor, amar, demais, autoestima

Tatiana Ades

É psicanalista e escritora e teatróloga. Em seus livros, o foco de estudo é o comportamento humano e o amor patológico. Tem em seu currículo várias peças escritas e encenadas nos teatros de São Paulo, além de ter concorrido ao prêmio Shell de melhor texto teatral com Os Viúvos – Teatro Ruth Escobar (2003). Como escritora, em 1998, ganhou um concurso com o conto O silêncio da raposa. Eles são o resultado de uma pesquisa de três anos: Hades – Homens que amam demais e As escravas de Eros.



ENQUETE

Você revidaria uma traição?





VOTAR!
Vya Estelar - Qualidade de vida na web - Todos os direitos reservados ®1999 - 2018
O portal Vya Estelar não se responsabiliza pelas informações e opinião de seus colunistas emitidas em artigos assinados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação.